Para além de manter uma alimentação saudável, existem plantas medicinais que são extremamente benéficos para actuar contra as complicações que advêm do excesso de gordura no sangue.

Podem até ajudar a solucionar problemas em que o colesterol é hereditário e não consequência do estilo de vida. Conheça três plantas que podem salvar as suas artérias. Em caso de dúvida, consulte o seu médico.

Ispagula

Também conhecida como plantago, a parte desta planta (plantago ovata) que interessa é a cutícula, ou pele, das sementes. Tem efeitos anticolesterol graças à mucilagem, uma fibra solúvel normalmente recomendada como complemento em dietas de pessoas com hipercolesterolemia moderada. Esta fibra reduz a absorção das gorduras em geral, já que potencia a eliminação de sais biliares, dos quais o colesterol faz parte. Deve ser tomada num preparado, três vezes ao dia, na quantidade de 10 g, bebendo juntamente dois copos de água.

Gomaguar

É extraída do endosperma da semente de cyamopsis tetragonolobus, obtendo-se através da sua trituração e hidrólise. Os componentes da goma guar, para além de reduzirem o apetite, retardam a absorção de gorduras e hidratos de carbono, pelo que estimulam a redução dos níveis de colesterol total e de LDL, o mau. Deve ser associada a um plano alimentar pobre em gorduras. Deve ser tomada em pó (4 a 5 g), diluída num copo de sumo, antes das refeições. Comece com meia dose diária e vá aumentando até às duas ou três doses por dia.

Alfafa

As sementes da medicago sativa, que pertence ao
género de plantas faseoláceas (leguminosas) para forragens.

Estas sementes contêm
lecitina (reduz o colesterol total e LDL e contribui para a
combustão das gorduras), fitoesteróis e taninos (impedem a absorção
de gorduras por parte do sangue) e minerais como cobre, zinco e selénio (evitam que o colesterol oxide e que obstrua as artérias).

Deve ser tomada diariamente. A dose recomendada é de 250 a 1500 mg de extracto de alfafa ou em preparado.

3 hábitos imprescindíveis para reduzir os seus níveis de colesterol:

1. Evitar o consumo de álcool

2. Deixar de fumar

3. Praticar exercício de forma regular

Texto: Ana Catarina Alberto com Elsa Feliciano (nutricionista da Fundação Portuguesa de Cardiologia)