Está calculado, em estudos científicos que foram desenvolvidos ao longo das últimas décadas, que cerca de 45% das mulheres sofrerão uma fratura osteoporótica ao longo da sua vida. Em Portugal, a osteoporose atinge, segundo as estimativas, cerca de 800.000 pessoas. Para manter os ossos fortes e prevenir a osteoporose não basta apenas beber leite. "A ingestão diária de produtos lácteos pode ajudar, mas não é a única fonte de cálcio disponível", alerta o endocrinologista António José Madureira.

Os peixes azuis, como a sardinha, o atum, a cavala ou as anchovas, podem, e muito, contribuir para a prevenção desta doença que atinge uma em cada duas mulheres em todo o mundo. "É do conhecimento geral que o pescado, nomeadamente as espécies denominadas de peixe azul, são ricas em ácidos gordos polinsaturados ómega-3, com benefícios comprovados ao nível da saúde cardiovascular, como comprovou uma investigação levada a cabo em 2006", disse o especialista à Prevenir.

10 razões de saúde para ingerir (mais) peixes gordos
10 razões de saúde para ingerir (mais) peixes gordos
Ver artigo

O que muita gente não sabe é que os peixes gordos são ricos em cálcio e vitamina D, vitaminas e minerais que têm propriedades que ajudam a fixar o cálcio. "A sardinha, a cavala e o atum são ferramentas valiosas para combater a osteoporose, uma doença que afeta 40% das mulheres após a menopausa e cerca de metade da população com mais de 70 anos. Também os frutos do mar como a lula, o lagostim ou o camarão podem ser uma fonte de cálcio e prevenir a osteoporose, uma doença metabólica, caracterizada pela redução da massa óssea", descreve ainda.

Essa perda de consistência faz com que os ossos vão ficando cada vez mais frágeis e mais suscetíveis de se partirem. "A ingestão diária de alimentos ricos em cálcio pode ajudar a prevenir a osteoporose, no entanto, para a sua fixação efetiva é necessário combinar estes alimentos com a absorção de vitamina D. Mas como? Basta sair à rua e apanhar um pouco de sol", refere ainda o endocrinologista António José Madureira. "A exposição deverá ser moderada, sobretudo na época de verão", adverte, contudo.

"Por exemplo, para uma pessoa com cerca de 70 anos, é suficiente a exposição ao sol da face e dos braços durante pouco mais de uma hora por dia", sublinha o especialista. Essa exposição deve, no entanto, independentemente da idade, ser feita fora do chamado período crítico de radiação solar, que se situa entre as 11h00 e as 16h00, como alertam anualmente os médicos. Uma investigação científica brasileira defende que a oxitocina, uma hormona segregada pela hipófise, também previne a osteoporose.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.