De acordo com o organismo norte-americano Centers for Disease Control and Prevention (CDC), não existem evidências científicas de que os diabéticos não possam ingerir a mesma quantidade de hidratos de carbono do que as pessoas que não sofrem desta patologia. Devem, no entanto, controlá-la e ajustá-la às suas necessidades. Segundo esta organização, ingerir entre 225 a 325 gramas de carboidratos por dia não é problemático. O importante é escolher os mais saudáveis, como é o caso da quinoa.

Com 22,9 gramas de hidratos de carbono por cada 100 gramas de alimento, este cereal, que ainda não integra os hábitos alimetanres de muitos portugueses, é uma alternativa ao tradicional arroz branco que consumimos. Uma porção equivalente fornece 33,1 gramas, uma diferença substâncial que leva a American Diabetes Association a sugerir a sua substituição regular por quinoa ou por carboidratos ricos em fibras e com menores níveis de refinação ou processamento. A explicação é simples.

10 mentiras sobre a diabetes nas quais não pode continuar a acreditar
10 mentiras sobre a diabetes nas quais não pode continuar a acreditar
Ver artigo

As dietas ricas em fibras favorecem a regulação natural de açúcar no sangue, uma vez que esses alimentos tendem a fermentar no cólon em vez de serem digeridos no intestino delgado. Em comparação com o arroz, que não vai além dos 0,4 gramas, a quinoa contém 2,1 gramas de fibras por 100 gramas. Para além disso, cozinhada em água temperada de sal, fornece 4,3 gramas de proteínas, 2,1 gramas de gordura, 22,9 gramas de hidratos de carbono, 0,7 gramas de açúcar, 17 miligramas de cálcio, 1,4 gramas de ferro e 500 miligramas de sódio. "A alimentação de uma pessoa com diabetes deve ser tão saudável como a de qualquer outra pessoa, o que significa que as recomendações são em tudo semelhantes", refere a nutricionista Paula Clemente.

Para além da quinoa, é aconselhada a ingestão regular de leguminosas, de legumes e de frutos oleaginosos, como também recomemda o Diabetes 365º, um projeto informativo multiplataforma que pretende auxiliar os portugueses a viver melhor com a doença. O consumo regular de peixes gordos e de produtos lácteos também integra a lista de alimentos que os diabéticos devem privilegiar no dia a dia para controlarem a glicemia e os níveis de colesterol e triglicéridos e para manterem a pressão arterial regulada.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.