Ser internamente livre é uma aquisição, por vezes, difícil de conseguir, exige em primeiro lugar que sejamos capazes de nos conhecer, de saber qual a direção que queremos seguir e como a queremos seguir. Quando nos conhecemos a nós próprios, somos mais capazes de, com confiança, avançar em liberdade.

A liberdade é essencial para nos sentirmos em equilíbrio, mas quantas vezes, não deixamos de tomar decisões, evitamos seguir direções ou evitamos mostrar o que sentimos, porque temos receio da forma como cada decisão ou ato nosso vai ser interpretado pelos outros e pela sociedade.

E, assim, acabamos por boicotar a nossa própria liberdade e acabamos por ficar presos aos papéis que acreditamos serem os expectáveis para nós. Nesta sequência, perdemos  oportunidade de seguir a nossa essência e sermos verdadeiramente livres.

Assim, se dia 25 de Abril queremos comemorar não só a liberdade da nação, mas também a nossa liberdade interna é importante começarmos por:

1. Fazer escolhas

É essencial sermos capazes de estar ao comando do nosso dia a dia e de conscientemente conseguirmos escolher, sendo autênticos, alinhando as nossas escolhas com os nossos princípios e os nossos valores.

2. Não ter medo de fazer diferente

Queremos muitas vezes, adaptarmo-nos e, por isso, tonarmo-nos demasiado iguais aos outros, porque é uma opção mais segura. Por isso, sempre que sentir, seja diferente, sem medo.

3. Assumir as suas opiniões e crenças

Ao assumir de forma clara quais são as suas convicções, as suas crenças, será capaz de experienciar a liberdade de forma mais plena e autêntica.

4. Expressar as suas emoções

Coloque por palavras tudo aquilo que está a sentir. A nossa liberdade fica muitas vezes restrita quando falamos de emoções e, aí, achamos que chorar ou estar triste, por exemplo, é para fracos. Se queremos ser internamente livres, devemos ser capazes de expressar e aceitar aquilo que estamos a sentir, dando-lhe significado.

5. Aceitar as suas partes menos boas

Quando é capaz de aceder e de aceitar as suas partes menos boas, estará mais consciente das suas fragilidades, e por consequência mais livre.

No fundo, devemos sempre alinhar-nos connosco próprios para sermos livres. Quando conseguimos ser mais autênticos e saber quem somos, conseguimos posicionar-nos de forma mais livre perante nós e os outros.

Um artigo das psicólogas clínicas Sara Almeida e Cátia Lopo, da Escola do Sentir.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.