A vida sexual acaba na menopausa, diziam os antigos. "Havia a ideia de que a mulher já não tinha utilidade, porque se a função sexual existia para a procriação, com a menopausa, o sexo já não era justificável. Para as mulheres que não tinham satisfação sexual, até podia servir de desculpa para não terem de responder às necessidades masculinas. As coisas mudaram, o sexo tem a ver com o prazer", refere Marta Crawford, sexóloga.

"Percebeu-se que há alterações nas hormonas femininas e da testosterona, mas isso não quer dizer que seja o fim", sublinha a especialista. É precisamente o facto de não poder engravidar que faz com que muitas mulheres vejam um lado libertador na menopausa. O fim da contraceção e da preocupação constante com uma gravidez indesejada. Mas, que impacto tem a quebra hormonal na sexualidade?

A principal é a secura vaginal, uma alteração das mucosas (que afeta também os olhos ou a boca) que, na zona genital, favorece o aparecimento de infeções e prejudica a relação sexual. Pode também ocorrer uma atrofia genital, devido à falta de estrogénios nos tecidos do epitélio vaginal. As mulheres que recorrem à terapêutica hormonal de substituição por aconselhamento médico, têm estes problemas, à partida, resolvidos.

Transplante de ovários reverte menopausa
Transplante de ovários reverte menopausa
Ver artigo

Para as restantes, há tratamentos tópicos a prescrever pelo ginecologista. Como defende Tereza Paula, médica ginecologista, "a falta de estrogénios na mucosa vaginal tem consequências na saúde [secura, infeções vaginais e urinárias, incontinência e alterações sexuais] e mesmo quem não tem atividade sexual deve manter uma terapia local vaginal [em comprimido ou creme]. É um ritual a adotar, tal como pôr creme do rosto para hidratar". A libido é outra das áreas em risco na menopausa, devido às alterações no desejo e excitação sexual.

Apesar do impacto da perda hormonal, esta "depende, muitas vezes, do enquadramento em que a mulher está [relacionamento e tipo de sexualidade] mais do que a própria menopausa", afirma Marta Crawford. Por outro lado, na fase inicial de redução dos estrogénios e da progesterona, "há um período em que a testosterona está mais evidente e pode haver um acréscimo de desejo", sublinha ainda a especialista.

O imperativo de assumir a mudança

Numa fase como esta, a atitude é determinante. "Para além das mudanças fisiológicas que vão ter impacto anatómico, mas também psicológico, é a forma como a mulher perceciona a vida e resolve os problemas que terá maior ou menor impacto. Aceitar as mudanças e adaptar-se é crucial para que a ansiedade seja menor", afirma Lígia Catão, psicóloga. Cada mulher é única e a sua reação por vezes diverge.

Seremos normais ou somos apenas diferentes da maioria dos casais?
Seremos normais ou somos apenas diferentes da maioria dos casais?
Ver artigo

Depende da "forma como lidou com a sua primeira menstruação. No fundo, como lida com a sua saúde em geral", defende. Convém não esquecer que agora, mais do que nunca, o estilo de vida dita o seu bem-estar. Uma dieta equilibrada e exercício físico regular, por exemplo, permite manter o peso estável e reduzir o risco cardiovascular e de outras patologias como a diabetes, a hipertensão, a ingestão de cálcio e o exercício previnem a osteoporose, cujo risco aumenta nesta idade. E nem os sintomas escapam.

"A sintomatologia aumenta quando estão stressadas, quando fumam e/ou quando estão mais cansadas por não dormirem o suficiente", refere Tereza Paula. Na intimidade, adaptar é a palavra de ordem e o apoio mútuo é vital, como também defendem outros especialistas. Para Marta Crawford, "os homens têm de perceber que não é só ela que muda. Esta equação vale para os dois. Há alterações profundas no casal".

"O homem tem de ser parceiro e companheiro na verdadeira aceção da palavra", adverte a também autora de livros especializados como "Viver o sexo com prazer - Guia da sexualidade feminina". "Estar presente, entender e, juntos, tentarem encontrar a melhor solução. Ser acompanhado por um ginecologista ou recorrer a terapia sexual pode ajudar a identificar e superar algumas dificuldades", acrescenta ainda.

O momento certo para pedir ajuda

Nos últimos anos, têm sido muitos os especialistas a refletir sobre este processo de mudança feminino. Na divulgação de novas guidelines para a menopausa, em novembro de 2015, o organismo britânico National Institute for Care and Health Excelence (NICE) defendeu que nenhuma mulher deve sofrer em silêncio e apontou como primeira recomendação informar sobre as soluções para superar esta etapa.

Para além da terapêutica hormonal de substituição, indicada para sintomas como os afrontamentos e os suores noturnos em mulheres sem contraindicações, como referem muitos especialistas, existem inúmeras soluções que ajudam a viver melhor. Técnicas de relaxamento ou de respiração podem ajudar a lidar com os calores ou mudanças de humor. A prática de exercício físico combate o stresse.

Como exemplifica Lígia Catão, "a meditação, o ioga e o mindfulness são muito importantes, pois são práticas que, para além de nos levarem a um bem-estar físico e psicoemocional, reduzindo a ansiedade e stresse, fazem parte, também, de uma filosofia de vida". Em consulta, pode recorrer-se a "várias técnicas", como "a hipnose, para fomentar a autoestima, melhorar os hábitos de saúde em geral e a promoção social".

As técnicas de relaxamento, "para reduzir a ansiedade", são outra das propostas de profissionais como Lígia Catalão. "E a terapia sexual, para fomentar uma melhor saúde sexual, quer da mulher quer do casal", ilustra ainda. Encarar a menopausa com uma atitude positiva passa por ser proativa na busca de explicações e soluções. Desenvolver uma relação franca e sem tabus com o seu médico é essencial.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.