"Em casos muito graves, o burnout pode levar ao suicídio mas, nestas situações, há invariavelmente uma concomitância de outras patologias, como a depressão, que escurece o passado, o presente e o futuro, deixando o doente sem qualquer sinal de esperança", começa por explicar Fernando Almeida, médico psiquiatra no Hospital Lusíadas Porto.

15 coisas que tem de saber para não enlouquecer
15 coisas que tem de saber para não enlouquecer
Ver artigo

A síndrome de burnout foi pela primeira vez descrita pelo psiquiatra e psicoterapeuta americano Herbert Freudenberger, em 1974. Este médico constatou que alguns dos seus colaboradores numa clínica para toxicodependentes apresentavam, após um ano de atividade, desmotivação, queixas somáticas - como dores nas costas, problemas gastrointestinais e dores de cabeça - e problemas de humor. Para além destes sintomas, mostravam-se totalmente intolerantes a situações de stress.

"O burnout pode afetar indivíduos normais, no sentido de não terem uma depressão ou qualquer outra patologia prévia, mas pode cursar juntamente com uma depressão", alerta o especialista.

Quais são os sintomas do burnout?

Os sintomas são muitas vezes sobreponíveis a outras patologias. Um desses exemplos é a insónia, que tanto pode estar presente na depressão como no burnout. "Daí que o diagnóstico diferencial nem sempre seja fácil", refere o psiquiatra Fernando Almeida.

Os sintomas mais comuns do burnout:

  • Afetivos: Tristeza, irritabilidade, perda de controlo emocional;
  • Cognitivos: Dificuldade de atenção e concentração, dificuldades de memória, diminuição da auto confiança no plano profissional;
  • Físicos: sintomas psicossomáticos como “falta de ar”, coração acelerado, fadiga e outras reações como hipertensão arterial;
  • Alterações comportamentais: podem oscilar entre a apatia e o isolamento social e o aumento da agressividade e consequentes dificuldades e interação social;
  • Atitudes e comportamentos negativos: desmotivação e menor entusiasmo no trabalho, menor empenho e menor eficácia profissional.

"Se a sintomatologia caraterística da síndrome depressiva – da qual se destacam o humor triste, a lentificação psicomotora, pouca autoestima, abulia, apatia, a falta de prazer ou o desinteresse por atividades que eram agradáveis – ocorrer previamente a qualquer situação de burnout, é relativamente fácil efetuar o diagnóstico diferencial" e detetar se se trata de burnout, depressão ou as duas coisas, indica o especialista.

Segundo o médico, quando um quadro clínico de burnout surge em simultâneo com uma depressão, é muito provável que a pessoa continue a estar depressiva apesar da inibição da situação que causa essa exaustão emocional (burnout).

1 em cada 5 trabalhadores sofre de burnout

Estudos recentes indicam que cerca de um quinto dos trabalhadores portugueses são afetados pelo burnout. Mas o "burnout sempre existiu embora não fosse como tal identificado", comenta o psiquiatra.

A evolução das sociedades tende a preocupar-se progressivamente com as condições de trabalho. A implementação de regras de segurança no emprego, o combate ao assédio sexual, a obrigatoriedade em ter médico em algumas empresas são algumas das muitas medidas que têm contribuído para melhorar essas condições laborais.

"Porém, uma maior competitividade pela manutenção do posto de trabalho, o não cumprimento das regras impostas pela legislação, a crise económica e as consequências daí advenientes são, entre outros, fatores que podem contribuir para uma maior probabilidade de os trabalhadores portugueses serem vítimas de burnout", alerta o especialista.

Tradicionalmente considera-se que os profissionais que estariam mais suscetíveis a desenvolverem esta síndrome seriam aqueles cujas profissões exigem muito envolvimento direto e intenso, como os profissionais de saúde e os polícias. "A nossa prática clínica leva-nos a considerar que profissionais da educação e todos aqueles cuja atividade seja muito intensa, sujeita a risco ou a avaliação e desconsideração injusta, são particularmente propensos a sofrerem de burnout", acrescenta Fernando Almeida.

A prática de exercício físico ou de atividades relaxantes é outra das formas de aliviar o burnout

Qual é o tratamento?

"O tratamento implica melhorar as circunstâncias e condições que originaram o burnout, das quais se destacam a melhoria das condições de trabalho, a melhoria das relações profissionais com diminuição do isolamento e uma melhor integração do profissional", explica.

Por vezes, o tratamento implica a retirada temporária – ou até definitiva – do trabalhador daquele local de trabalho. Em casos mais flexíveis, a reorganização das tarefas ou um maior convívio com a família e amigos podem ajudar.

"A prática de exercício físico ou de atividades relaxantes é outra das formas de aliviar o burnout", sugere o médico.

"Mas, não raramente, o tratamento do burnout implica o recurso a ajuda médica, nomeadamente, quando a pessoa tem sintomas (depressão, ansiedade, etc.) que justificam farmacoterapia", esclarece este psiquiatra.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.