Na quadra natalícia que se aproxima, poucos são os que resistem a uma bebida, com maior ou menor teor de álcool. Na verdade, o álcool é quase tão antigo quanto a própria humanidade, uma vez que a fermentação da fruta nunca foi um mistério para o Homem e, por isso, este este tipo de bebidas existe desde tempos antigos.

A produção e o consumo de bebidas alcoólicas constituem uma tradição presente na cultura de todos os povos. Utilizado quer de forma ritual quer social, o álcool é apreciado em função do seu sabor, encanto, cor, aroma e outros efeitos inerentes.

Pequeno-almoço de rei, almoço de príncipe e jantar modesto: 10 dicas de ouro de uma médica
Pequeno-almoço de rei, almoço de príncipe e jantar modesto: 10 dicas de ouro de uma médica
Ver artigo

Contudo, há que ter em conta que existem dois processos de produção de bebidas alcoólicas que condicionam o teor de álcool na bebida: a fermentação, através da qual um micro-organismo chamado levedura transforma o açúcar em álcool (por exemplo, vinho, cerveja, cidra, champanhe), e a destilação, que consiste na concentração do álcool presente nos líquidos fermentados (por exemplo whisky, aguardente, gin, vodka).

Os benefícios e malefícios associados ao consumo deste tipo de bebidas continuam a ser uma incógnita para muitas pessoas que vale a pena esclarecer.

Consequências

Sabe-se que o consumo elevado de bebidas alcoólicas resulta frequentemente em graves consequências para a saúde, estando comprovada cientificamente a relação entre o seu consumo e a manifestação de mais de 200 doenças, nomeadamente alterações cardíacas, anemia, doenças infeciosas, hepáticas, pneumonia e depressão. Além disso, o consumo de álcool durante a gravidez está associado a alterações no desenvolvimento fetal, que pode originar, em casos extremos, deficiências múltiplas.

Até mesmo o consumo ocasional de vinho e/ou de cerveja aumenta os riscos com problemas de saúde, apesar da presença do resveratrol, principalmente, no vinho tinto, estar associado à prevenção de doenças cardiovasculares. A verdade é que o seu efeito protetor pode estar anulado pela quantidade ingerida a cada dia, pois “menos é bom, mas zero é melhor”, tal como afirma a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Sem nutrientes e perigoso para a absorção de vitaminas

Para além disso, em termos nutricionais, o álcool não tem qualquer nutriente, fornecendo 7 calorias por grama de álcool, chamadas de "calorias vazias", que podem colocar em causa qualquer dieta e ainda condicionar a absorção das vitaminas A, C, B1, B3, B2, B6 e diminuir a concentração de minerais como magnésio, cálcio, fósforo e zinco.

Importa referir que o álcool afeta os homens e as mulheres de forma diferente, dado que as mulheres tendem a ter menor capacidade de metabolizar o álcool, comparativamente ao sexo masculino. A quantidade de álcool e de calorias em cada bebida é variável, devendo ser consumido dentro dos limites de padrões alimentares saudáveis.

De forma a quantificar o consumo de álcool criou-se o conceito de bebida standard ou padrão, através da qual é possível calcular a quantidade de álcool consumida diariamente ou semanalmente.

Erros alimentares comuns de quem frequenta um ginásio
Erros alimentares comuns de quem frequenta um ginásio
Ver artigo

Embora as bebidas alcoólicas tenham diferentes graduações, os copos habitualmente mais usados para as diferentes bebidas têm quantidade idêntica de álcool o que corresponde a uma unidade bebida padrão com cerca de 10 a 12 g de álcool puro. Este facto permite fazer a quantificação por unidades de bebidas ingeridas, o que facilita os cálculos do total de bebidas consumidas.
Em Portugal a correspondência é a que se apresenta no quadro seguinte (aproximadamente):

No homem, entre os 18 e os 64 anos, a quantidade máxima diária recomendada é de duas bebidas padrão ou 20g de álcool puro. Após os 65 anos, a quantidade máxima diária recomendada reduz-se para uma bebida padrão ou 10g de álcool puro.

Na mulher a quantidade máxima diária recomendada é uma bebida padrão ou 10g de álcool puro em qualquer idade.

Algumas recomendações para uma quadra natalícia com prazer mas sem excessos:

  1. Escolha a bebida que vai acompanhar as refeições natalícias
  2. Imponha limites de ingestão de bebidas alcoólicas
  3. Não beba com o estômago vazio, pois alimentar-se bem abranda a absorção de álcool
  4. Alterne as bebidas alcoólicas com água ou bebidas aromatizadas. A água ajuda a manter-se hidratado e abranda o consumo de álcool.
  5. Não faça misturas, inicie e termine preferencialmente com a mesma bebida
  6. Evite os brindes, este obriga a voltar a encher o copo e perder a noção da quantidade de bebida ingerida
  7. Conheça o teor de álcool das bebidas, ele varia de bebida para bebida
  8. Evite a ingestão de bebidas com alto teor alcoólico (whisky, gin, aguardente, vodka)
  9. Saiba a hora de parar e evite a tão temida ressaca

Os conselhos são do nutricionista Vítor Guerra das Farmácias Holon.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.