O Centro de Recursos Naturais e Ambiente (CERENA) do Instituto Superior Técnico (IST) criou recentemente um modelo matemático e epidemiológico que permite avaliar a dispersão espacial do risco de infeção da COVID-19 para toda a área geográfica de Portugal Continental.

O mapa mostra todos os dias o risco de ficar infetado pelo novo coronavírus, SARS-CoV-2, em cada concelho do país.

Veja o mapa em baixo

O modelo permitiu gerar mapas de risco - compostos por várias cores que nos ajudam a perceber os diferentes níveis de risco de infeção - que conjugam os casos reportados pela Direção-Geral de Saúde (DGS) com o número de habitantes de cada concelho, bem como a incerteza associada ao risco.

"Para além do mapa do risco, o modelo desenvolvido permite gerar um mapa que indica em cada localização a incerteza que temos na estimação do risco, ou seja, o modelo é capaz de refletir a incerteza associada aos erros de amostragem e à dimensão da população do concelho", explica a docente do Técnico e também investigadora do CERENA envolvida neste projeto, professora Maria João Pereira no site do IST.

"Os nossos modelos têm ainda a vantagem de desagregar os dados, ou seja, os fenómenos de contágio ‘desconhecem’ o limite dos concelhos, e este tipo de modelos permite ver o fenómeno no espaço de forma contínua, para melhor identificar os riscos na sua dimensão espacial", explica a investigadora. "Na realidade, estamos a registar a história ‘espacial’ da pandemia em Portugal",  destaca a docente do Técnico.

Mapa interativo mostra em tempo real países afetados pelo coronavírus
Mapa interativo mostra em tempo real países afetados pelo coronavírus
Ver artigo

Os mapas podem ser ferramentas úteis para ajudar as autoridades de Saúde na tomada de decisões como a criação de cordões sanitários ou o levantamento de medidas de isolamento.

"Estes mapas permitem identificar as dinâmicas locais da infeção e ajudar a gerir melhor as medidas de prevenção, como, por exemplo, áreas de isolamento que não têm de necessariamente corresponder à área dos concelhos", evidencia a professora Maria João Pereira. Além disso, estes mapas permitem também monitorizar o efeito das medidas aplicadas no terreno.

O grupo de investigadores do IST vai agora alargar o mesmo mapa de risco de infeção aos Açores e Madeira e estender o trabalho também a Espanha.

O projeto foi desenvolvido por quatro investigadores e professores do Instituto Superior Técnico: Amílcar Soares, Manuel Ribeiro, Leonardo Azevedo e Maria João Pereira.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.