Diz o adágio que “o que é doce nunca amargou”. Não obstante a candura do dito, que tão bem nos cai na hora de nos lançarmos à guloseima, cabe na boa consciência que o doce pode trazer alguns amargos e não são só de boca. Em si, o doce como exceção, no quadro de uma alimentação equilibrada, não “traz o diabo no ventre” (mantendo o estilo no ritmo popular), o que é tão válido para a Bola de Berlim, como vimos aqui, como o é, nesta estação mais quente, para os gelados.

Sobem as temperaturas e no pódio dos mais desejados da estação estão os gelados. São frescos e proporcionam-nos uma sensação de arrefecimento corporal. Um efeito que beneficiaria com o consumo de água fresca. Mas, quis a natureza, e bem, não a dotar de açúcares. E, todos nós sabemos, como estes conseguem urdir argumentos sedutores para nos cativar.

Acresce que os gelados para nos conquistarem as papilas gustativas (depois hão de conquistar outros territórios corporais que não desejaríamos ver conquistados, como o perímetro abdominal), são normalmente produzidos com uma base de leite ou natas, existindo uma versão “alternativa” sem estes elementos - o sorbet (sorvete).

Sublinhe-se que qualquer uma destas opções é, normalmente, rica em açúcar. Mesmo que estejamos a falar de um gelado à base de fruta (ou açúcar da fruta) o processamento que lhe está associado concorre, sempre, para que estes açúcares atinjam a corrente sanguínea com alguma rapidez, não fazendo destes produtos, substitutos da fruta do ponto de vista nutricional.

Se “o que é doce nunca amargou” porque não podemos comer gelados todos os dias?

Em relação aos gelados com base de leite ou natas, para além de açúcar possuem gordura, o que contribui para aumentar o seu valor energético. Ou seja, as calorias.

Um gelado sem açúcar terá normalmente adoçantes, sobre os quais já aqui falamos, mantendo o seu conteúdo em gordura. Uma vez mais, há o contributo para o valor energético.

Em suma, qualquer que seja a opção, um gelado representa sempre um excesso alimentar. Escolher um gelado porque tem menos calorias, comparativamente com outro, pode não ser a melhor opção. Os excessos alimentares, os pequenos pecados ou prazeres a que nos rendemos, devem constituir isso mesmo, fonte de prazer e, muitas vezes as versões light ou alternativas não nos deixam verdadeiramente satisfeitos.

No momento de escolher tudo depende, mais vale comer pontualmente o gelado que realmente nos apetece, do que beliscar constantemente naquele que nos deixa com aquela sensação de “falta qualquer coisa”.

Em alternativa, porque não fazer o controlo do excesso através de uma gestão por dose. Como? Simples, coma todos os dias, mas uma porção miniatura. As suas papilas gustativas pularão de alegria.

Veja também Comeu um pastel de nata? Vai ter de caminhar 50 minutos para o “queimar”


Cláudia Viegas é Professora Adjunta na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril. Os seus principais interesses de investigação estão relacionados com Saúde Pública, em particular o que se relaciona com a Promoção e Proteção da Saúde em relação à Alimentação, Nutrição e Estilos de Vida.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.