Passados quase 9 meses desde o início da pandemia, muitos de nós começamos a atingir um estado de cansaço enorme em relação às medidas de restrição e ao isolamento que nos foi imposto pelo vírus invisível. Este é já um estado de fadiga pandémica, um estado em que as reações começam a extremar-se, um estado em que a revolta começa a surgir e o desespero se apodera de nós enquanto vemos os nossos negócios a desaparecer, o despedimento de amigos e a exaustão dos nossos familiares que trabalham na dita “linha da frente”.

Ao mesmo tempo, vemos os hospitais a colapsar e sentimos novamente o medo. Mas sentimos ainda mais intensamente a fadiga. Estamos cansados. Queremos a nossa vida de volta, queremos voltar a amar livremente ou apenas encontrar o amor. Conhecer pessoas tornou-se difícil e continuar neste barco sozinho tem-se tornado cada vez mais difícil à medida que o tempo avança.

Este arrastar da pandemia tem-nos levado a desmotivar, a desmoralizar e a rejeitar mais privações. Tem trazido também uma maior necessidade de correr riscos, desde que isso nos devolva mais alguma normalidade. O equilíbrio entre a segurança e a necessidade de correr algum grau de risco que nos permita viver, tem exigido um esforço psicológico brutal a cada um de nós. E é este esforço que nos vai tornando mais vulneráveis.

Quanto mais cansados, mais incumpriremos. Quanto mais desesperados, menos acataremos, quanto mais privados mais nos revoltaremos. O estado de fadiga pandémica começa a fazer-nos correr mais riscos, o que pode ser muito perigoso.

O cansaço em relação a tanta restrição tem-nos feito quebrar protocolos de segurança, abandonando algumas medidas e arriscando mais. Embora compreensível, a consequência pode ser elevada e originar um descontrolo dos contágios.

Mas não são apenas estes 9 meses que contribuem para esta fadiga. São também os outros 9 que se adivinham. E este pode ser o verdadeiro problema. Sem fim à vista, as pessoas não estão dispostas a esperar mais, a abdicar mais, a deixar de ver a família em prol de “um bem maior” que nunca mais chega. Questionam-se se este será o último Natal em família e avançam para junto dos seus.

A imprevisibilidade de tudo isto e a falta de luz ao fundo do túnel, associado aos longos meses de restrição, começa realmente a causar baixas nas fileiras, a encostar armas e, por consequência, a ficar mais vulnerável ao inimigo.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.