No ramo dos eletrodomésticos, as ventoinhas elétricas são dos equipamentos mais baratos e menos complexos, não lhes sendo muitas vezes dada a devida importância quer na altura da compra, quer na utilização. Apesar de serem aparelhos simples, as pás que compõem a hélice das ventoinhas atingem altas velocidades, podendo magoar o utilizador quando não estão devidamente protegidas.

Antes de tudo, há que decidir o melhor tipo de modelo para o seu caso e quanto está disposto a gastar. Na verdade, ventoinhas há muitas, desde simples modelos de mesa a partir de 10 euros a modelos de teto ou até colunas de ar que poderão atingir os 200 euros. Como acertar na compra e usar sem correr riscos?

Químicos tóxicos do dia-a-dia: onde estão e como minimizar os riscos? A DECO explica
Químicos tóxicos do dia-a-dia: onde estão e como minimizar os riscos? A DECO explica
Ver artigo

Ventoinhas: que tipo escolher?

Existem vários tipos de ventoinhas, cada uma com as suas vantagens e inconvenientes. Compare modelos e preços, teste a facilidade de transporte, se pretende usá-la em vários espaços da casa, e verifique se é suficientemente silenciosa, para o caso de a querer instalar num quarto ou perto de um televisor.

- Ventoinhas de mesa

Com preços que oscilam entre cerca de 10 e 75 euros, são o tipo de ventoinhas mais comuns e mais baratas. De baixa potência, dispõem de um pequeno suporte e são fáceis de transportar, pelo que o utilizador pode usufruir do fluxo de ar fresco onde bem entender. Permitem ainda direcionar o fluxo na horizontal e na vertical. A sua utilização destina-se preferencialmente a salas de pequenas dimensões ou em escritórios.

Os preços podem variar entre cerca de 20 e 130 euros. Estas ventoinhas são semelhantes aos modelos de mesa, com as mesmas vantagens, apenas diferindo na altura do suporte, o que lhes confere alguma instabilidade. O pé é regulável em altura. Estes aparelhos têm a capacidade de oscilar, o que melhora também a sua utilização em salas de maiores dimensões.

- Ventiladores de chão

Com preços entre cerca de 30 e 80 euros, estes equipamentos são maiores e mais potentes do que as ventoinhas de mesa ou de pé. Destinam-se a ser utilizados no chão, dado o peso e dimensão. São aparelhos estáveis, mas que apenas permitem ajustar o fluxo de ar na vertical, inclinando a própria ventoinha. Estas ventoinhas promovem uma boa circulação de ar em espaços amplos.

Vai viajar? A DECO explica como encontrar o melhor lugar no avião
Vai viajar? A DECO explica como encontrar o melhor lugar no avião
Ver artigo

- Ventoinhas de teto

Os preços dos modelos de teto oscilam entre cerca de 40 e 200 euros. Apesar de serem, atualmente, pouco procurados, a verdade é que permitem resolver dois problemas de uma só vez, como a iluminação e a climatização do ambiente. Além disso, estes ventiladores permitem a inversão de rotação. Desta forma, ajudam a refrescar o ar nos dias quentes e permitem a circulação do ar mais agradável em dias frios.

- Colunas de ar

Os preços das torres ou colunas de ar variam entre os 30 e 200 euros. Estes equipamentos são, na verdade, ventiladores que geram um fluxo de ar sem recorrer a pás rotativas. Não há, portanto, risco de se colocar inadvertidamente os dedos no meio do mecanismo. As colunas de ar podem ser programadas de modo a oscilar para a esquerda e para a direita, e assim cobrir uma área maior.

Como escolher bem a ventoinha

  • Escolha a ventoinha que melhor se adequa ao espaço onde pretende utilizá-la. Ventoinhas maiores adequam-se a espaços maiores, enquanto ventoinhas mais pequenas (como as de mesa) são mais práticas para espaços mais reduzidos, como num escritório, por exemplo.
  • Verifique se o ruído emitido durante o funcionamento não afeta as atividades que habitualmente realiza no espaço onde pretende instalá-la. Para usar junto de um televisor, é prudente optar por um modelo silencioso. O mesmo é válido para uma ventoinha que tenciona usar no quarto.
  • Verifique as velocidades das ventoinhas, antes de comprar. A maioria dos modelos dispõe de programas com diferentes velocidades de funcionamento, mas, por vezes, o “programa mais fraco” de uma ventoinha pode corresponder a um “programa mais forte” noutra. Sempre que possível, verifique as diferentes definições de velocidades das ventoinhas.
  • Procure testar a robustez da base ou do pé e a sua estabilidade em funcionamento. Na loja, experimente colocá-la em funcionamento na velocidade máxima, para verificar se se mantém estável. As ventoinhas de pé devem ter uma base robusta, para evitar uma eventual queda em funcionamento.
  • Prefira um modelo com grelhas removíveis, para facilitar a limpeza. As grelhas de metal são mais resistentes do que as de plástico.
  • As crianças poderão sentir-se tentadas a colocar os dedos nos espaços entre as grades para tentar tocar nas pás da ventoinha. À partida, os fabricantes são obrigados a cumprir exigentes normas de segurança e, assim, não é expectável que se consiga colocar os dedos entre as grades. Ainda assim, é prudente verificar o espaço existente entre as grades.
  • Não deixe a ventoinha em funcionamento numa sala vazia. Na verdade, as ventoinhas não arrefecem os espaços da casa. Apenas promovem o efeito de frescura pelo contacto com a pele do utilizador. Ao deixar uma ventoinha em funcionamento numa sala, além de aquecer o espaço devido ao funcionamento do motor, estará a gastar energia desnecessariamente.
  • Recorra às dicas úteis da DECO PROTESTE para manter a casa fresca nos dias mais quentes do verão.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.