Ter uma presença eficaz e bem-sucedidas nas redes sociais vai muito além de criar um perfil e aguardar que a “máquina” opere a nosso favor. Há que saber criar uma identidade no mar de informação que é a internet. Atento a estas questões, Luciano Larrossa, conhecido nas redes sociais como Tio Lu, faz-se autor do livro “Instagram, WhatsApp e Facebook para negócios” (edição Marcador).

O especialista em anúncios de Instagram e Facebook no mercado de língua portuguesa, dirige o seu novo livro aos profissionais que fazem a gestão de redes sociais, mas também a todos os empreendedores que fazem a gestão das suas próprias redes e que querem vingar num mercado competitivo e difícil.

Apesar de não acreditar em fórmulas mágicas para o sucesso nas redes sociais, Luciano Larrossa, adianta que há constantes a praticamente todos os negócios bem-sucedidos. Tema abordado numa conversa que inclui questões como o investimento necessário, as áreas fadadas a um maior sucesso (quase todas), as publicações que angariam simpatia (por exemplo, listas com conselhos em temas específicos) e os ingredientes para se contar uma boa história.

E se está a pensar em “agradar a gregos e troianos”, abandone a ideia, “desde que esteja a falar com o seu público-alvo e com os valores que acredita, não deve se preocupar com quem vai embora e não se identifica”. De acordo com Luciano Larrossa, “tentar agradar a todos é o caminho mais rápido para se tornar irrelevante na internet”.

E, atenção, “muito cuidado com o ego dos likes”.

Luciano, seria interessante começarmos esta conversa com uma frase de um filósofo chinês (Lao Tsé) que cita no seu livro: “Saber e não fazer é ainda não saber”. Sintetiza aquilo que pretende levar ao leitor com a sua obra?

De certa forma, sim. A internet é um mar de informação e isso tem os seus problemas. Enquanto que antigamente ter acesso à informação era um problema, atualmente as pessoas começam a sofrer de excesso de informação. Estudam, estudam, estudam e não aplicam. É uma obesidade mental. E logo no início do livro quis deixar bem claro que era importante a pessoa ler e aplicar. E por isso o livro foi todo estruturado para que a pessoa consiga seguir passo a passo e aplicar enquanto lê. No marketing é fundamental estudar e testar. Caso contrário a informação será esquecida muito rapidamente.

As redes sociais enquanto ferramenta geradora de negócios. Conselhos e alertas de um especialista
Luciano Larrossa, autor do livro "Instagram, WhatSapp e Facebook para negócios". créditos: Marcador/Paula Castanheira

A quem se destina o seu novo livro?

Ele tem essencialmente dois públicos. O primeiro deles é para profissionais que fazem a gestão de redes sociais e anúncios de empresas. Neles, vão conseguir ter todas as ferramentas necessárias para ajudarem os seus clientes. O segundo público são os empreendedores que fazem a gestão das suas próprias redes. Numa fase inicial do negócio o empreendedor é quem faz a gestão de tudo e as redes não são exceção. Vão encontrar no livro uma excelente ferramenta para fazerem vendas online.

Atualmente as pessoas começam a sofrer de excesso de informação. Estudam, estudam, estudam e não aplicam. É uma obesidade mental.

O Luciano concorda que para quem se está a iniciar nas redes sociais, estas podem tornar-se uma experiência labiríntica. Por onde começar?

Com certeza. Quando comecei, em 2010, era bem mais simples pois existiam menos opções e cada rede social era mais simples de ser trabalhada. Quem começar hoje precisa entender que existem, essencialmente, dois caminhos: conteúdo e anúncios. Conteúdo é um processo mais de longo prazo, mas também com menos custos. Já anúncios, permitem um crescimento mais rápido, mas também requer investimento e uma curva de aprendizagem mais longa. O ideal é trabalhar os dois deste o início. Quem vier com a mente aberta para criar conteúdo e investir em anúncios vai acelerar muito os seus resultados.

No caso do sucesso nos negócios nas redes sociais há fórmulas mágicas? Quer partilhar algumas connosco?

Não acredito em fórmulas mágicas, até porque às vezes o que serve para um negócio não serve para outro. Porém, existe algo em comum em praticamente todos os negócios bem-sucedidos nas redes sociais: eles fazem anúncios pagos. A não ser que eu seja já uma empresa consolidada no mercado, vai precisar de trabalhar anúncios pagos para crescer. Porém, a maioria dos empreendedores vem com a mentalidade de que as redes sociais são um canal gratuito de divulgação e esse é o primeiro passo para o fracasso. Redes Sociais exigem investimento em anúncios. É grátis criar a conta na rede social e publicar conteúdo, mas é cada vez mais difícil chegar às pessoas. Fazer anúncios é cada vez mais importante, seja no Facebook, Instagram, YouTube, Google ou qualquer outra rede. E eles precisam ser vistos como um investimento e não como um gasto. Até porque anúncios bem feitos geram um bom retorno em vendas.

Para lá dos likes. As redes sociais como ferramenta geradora de negócio. Conselhos e alertas de um especialista
créditos: Unsplash

Ter sucesso através das redes sociais implica fazer investimento financeiro?

Cada vez mais. E os anúncios tendem a ficar cada vez mais caros com o passar do tempo. Nos Estados Unidos, por exemplo, o preço que se paga por clique é 20 ou 30 vezes o que se paga em Portugal. Por isso, quem entrar agora terá vantagem enorme, pois conseguirá fazer anúncios que custam menos. Conforme a concorrência aumenta, o preço dos anúncios aumenta também.

Há áreas de negócios que pela sua natureza estejam destinadas a alcançar maior sucesso no digital?

Praticamente todas as áreas podem vender no online. A não ser que seja algo extremamente específico, dá sempre para vender online. O que pode acontecer é precisar de estratégias ou canais diferentes. Em alguns negócios, Google é o mais indicado. Em outros, o Facebook e o Instagram funcionam melhor. Em alguns é necessário captar e-mails antes de vender, em outros será necessário falar pelo WhatsApp. Quando as pessoas dizem que determinada área não funciona, talvez o que eles estejam a precisar é de procurar um canal de vendas novo ou mudar de estratégia.

Praticamente todas as áreas podem vender no online. A não ser que seja algo extremamente específico, dá sempre para vender online.

Se lhe pedisse para indicar cinco publicações para fazer sucesso nas redes sociais quais elegeria?

Publicações que demonstram a transformação que o produto ou serviço provocou no cliente costumam funcionar bem, especialmente para converter em vendas. Posts de listas também geram bastante interação. “Dez conselhos para alguma coisa” ou “Sete estratégias para alcançar ‘algo’”, tendem a funcionar bem, tanto em redes sociais como blogues. Já posts em que contam a própria história costumam gerar uma profunda conexão com o público. Se é uma figura pública ou desenvolve a sua própria marca pessoal, é quase que obrigatório, de vez em quando, contar a própria história. O humor também pode ser um tipo de post que funciona muito bem, desde que ele tenha alguma ligação com o seu público-alvo. Por último, explore as novidades do seu mercado. Saiu algo novo? Comente sobre isso. As pessoas adoram saber a opinião de especialistas sobre coisas novas.

O que nos torna bons influenciadores digitais? Trabalho, talento, criatividade, genuinidade - Miguel Raposo, consultor de Marketing de Influência
O que nos torna bons influenciadores digitais? Trabalho, talento, criatividade, genuinidade - Miguel Raposo, consultor de Marketing de Influência
Ver artigo

Usando uma expressão popular, não podemos ter o nosso público como “favas contadas”. Quais os principais erros que nos levam a perder audiência?

Confesso que já fui uma pessoa preocupada em perder audiência, hoje não me preocupo mais e não recomendo que os meus alunos e leitores se preocupem. Desde que esteja a falar com o seu público-alvo e com os valores que acredita, não deve se preocupar com quem vai embora e não se identifica. Tentar agradar a todos é o caminho mais rápido para se tornar irrelevante na internet. Perder quem não se identifica como a sua marca é, na verdade, um alívio. Preocupe-se com quem se identifica com a sua marca e deixe ir quem não se identifica.

Diria que o sucesso nas redes sociais está proporcionalmente relacionado com a criatividade? Ou, está ao alcance de todos nós com perseverança?

Depende do que definirmos como criatividade. Posso dar um conteúdo mais técnico e ser criativo. Posso fazer uma análise financeira e ser criativo. Tudo depende do ângulo e da forma como abordamos o conteúdo. Muitas pessoas confundem ser criativo com criar coisas 100% novas, criar conteúdo de uma forma que nunca ninguém viu ou ter de usar o humor. Na verdade, muitas vezes precisamos usar o que já existe e dar um ângulo diferente. Quanto mais criar conteúdo, mais ‘criativo’ ficará. Não é um talento nato, criatividade para criar conteúdo é algo que vem com a repetição.

Procrastinar a entrada do negócio na internet é apenas dificultar a própria tarefa

Hoje, deparamo-nos com um caudal enorme de conteúdos. O Luciano concorda que a saturação de conteúdos em circulação pode ser um entrave ao sucesso de um novo negócio?

Sim. É cada vez mais difícil entrar no mundo digital e crescer rapidamente. Por isso que procrastinar a entrada do negócio na internet é apenas dificultar a própria tarefa.

Para lá dos likes. As redes sociais como ferramenta geradora de negócio. Conselhos e alertas de um especialista
créditos: Unsplash

Em que momento o/a empreendedor/a pode dizer, “o meu negócio tornou-se um sucesso”. Ou seja, como podemos medir o sucesso nas redes sociais?

A partir do momento que trouxer clientes de forma constante para o negócio usando a internet. Se até agora só conseguiu likes e seguidores, o seu negócio ainda não foi bem-sucedido online.

Contar uma boa história é meio caminho andado para alcançarmos sucesso nas redes sociais? Se sim, quais os ingredientes para uma boa história?

É uma excelente forma. Conte a verdade sobre a sua história e não esconda nada. As pessoas tendem a só mostrar os momentos bons da sua própria história, mas a verdade é que elas adoram saber dificuldades que você enfrentou e ultrapassou. Fale sobre seus erros, acertos e dificuldades. As pessoas conectam-se com isso.

Associamos o WhatsApp a uma ferramenta de contacto mais pessoal. Não corremos o risco de sermos intrusivos ao promovermos um negócio neste meio?

Tudo depende da forma como é feito. Eu não me importo que entrem em contato pelo WhatsApp para me enviarem uma oportunidade de comprar algo mais barato. Não me importo que me enviem mensagem avisando que o produto que comprei já saiu para entrega. Agora, se me mandam mensagens sobre algo que não pedi ou não tenho interesse, ai sim certamente é intrusivo.

Há um momento em que temos de perceber que um negócio no digital não está a resultar. Quais são os indicadores que acendem o sinal “perigo”?

Quando não existem vendas ou pedidos de interesse no produto. É importante que os empreendedores entendam que as redes sociais servem para vender e não para ganhar likes ou seguidores. Muito cuidado com o ego dos likes.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.