Faça esta reflexão. Existe alguma relação direta entre os resultados daquilo que diz e os resultados daquilo que faz? Considera que existe honestidade e congruência, no resultado final, entre aquilo que diz e aquilo que faz?Podemos expor variados exemplos do dia-a-dia, mas vamos avaliar estes dois:

1. Você controla o que come? Sente-se bem com o seu corpo e com o peso?
2. Você controla o que gasta (despesas do dia-a-dia)? Está satisfeito com a forma como gere o seu orçamento mensal?

Devido ao ritmo de vida alucinante, podemos facilmente perder a consistência e o equilíbrio, ao desenvolvermos determinados hábitos e rotinas do dia-a-dia, que podem contribuir para o auto engano e a ilusão, que reforçam frustração e a desilusão, sem que você tenha a devida consciência dos seus efeitos. Nesse sentido, como é que você justifica a ilusão e o auto engano? Justificamos com a negação. Sabia que a negação é um sistema de defesa, a qual acreditamos, realmente, que estamos a controlar aquilo que dizemos e aquilo que fazemos.

Saiba mais na próxima página

Alguns exemplos simples em relação à comida e ao gastar dinheiro:

1. Comida e peso. Um dia você decide, após constatar na balança ou após uma ida ao seu médico, que tem que fazer rapidamente (impulso) qualquer coisa e decide: "Não como mais alimentos hipercalóricos, vou controlar-me e investir na alimentação saudável e diversificada." Um mês depois, você está de férias com amigos, e um dia vão todos jantar a um restaurante, e nessa noite decide, para si próprio "Só por hoje vou comer aquilo que me apetece, quero lá saber do compromisso que assumi. Amanhã, volto novamente ao plano alimentar, e vou controlar-me."

2. Gastar dinheiro e despesas extras do dia-a-dia. Um dia você decide, após constatar no final do mês, que exagerou nas compras, que não vai comprar mais nada e tem que, urgentemente (impulso) de fazer qualquer coisa e decide "Não vou mais fazer compras desnecessárias, vou controlar-me." Um mês depois, vai ao centro comercial, e antes de entrar, afirma para si mesmo "Não preciso de comprar nada, não vou fazer compras desnecessárias." Após entrar, passado uma hora, vê algo numa montra, e pensa que aquilo que lhe dava imenso jeito, até porque está em saldos. Nessa altura, decide, para si própria, "Só por hoje vou comprar aquilo, quero lá saber do compromisso que assumi. Amanhã, volto novamente ao plano, e vou controlar-me."

Estes dois exemplos específicos procuram ilustrar, as rotinas e os hábitos (padrões de atitudes e comportamentos) que reforçam o auto engano e a ilusão. Tente contextualizar-se nos padrões de pensamento semelhantes, em ambos os exemplos : "Hoje vou comer aquilo que me apetece. Amanhã vou controlar-me" ou "Hoje vou comprar aquilo que me apetece. Amanhã vou controlar."

Responda a estas questões:

Quantas vezes já fez esse tipo de afirmações? Quantas vezes já fez este tipo de promessas? Quais foram os resultados práticos a médio e longo prazo? Está satisfeito/a com o peso e com a comida que ingere? Está satisfeito/a com a forma como gere o seu orçamento mensal?

Considera que, após decidir, depois de comer e/ou gastar dinheiro "Amanhã vou controlar-me" você consegue, realmente, controlar as suas atitudes e os seus comportamentos e cumprir o seu plano? Você acredita nas suas competências?

Saiba mais na próxima página

Faça uma reflexão sobre estas duas questões:

1. O que é que você controla?

2. O que é que você não controla?

A Dica da Arte Bem-Viver de hoje visa somente promover a reflexão e introspeção sincera, honesta, para a ação, sobre as suas próprias atitudes e os seus comportamentos que boicotam os seus planos.

<Dica:Para uma melhor reflexão, sobre as atitudes e comportamentos que reforçam o auto engano e a ilusão, escreva um diário dos seus pensamentos, sentimentos e comportamentos durante oito semanas, exponha-se as suas dúvidas e questões, de mente aberta ao feedback, e partilhe com pessoas disponíveis e de confiança. No final das oito semanas partilhe ideias, questões e conclusões com pessoas significativas disponíveis e de confiança.

Nota: Caso esteja interessado/a, pode partilhar comigo, enviando um email. No assunto escreva Reflexões sobre atitude e comportamentos

Algumas competências cognitivas importantes no processo de tomada de decisão – capacidade autocrítica, gestão das emoções, resolução de conflitos e sentido de auto eficácia:

1. Reflita sobre os seus objetivos e como vai atingi-los.

2. Antecipe obstáculos à concretização do plano e tomar medidas para superar.

3. Monitorize os efeitos das suas atitudes e comportamentos - identifique os fatores de risco e os fatores de proteção (pessoas, coisas e lugares).

4. Peça feedback tendo em conta a situação específica, o comportamento problema e o impacto na sua vida.

Durante esta semana promova e exercite a capacidade autocrítica construtiva. Porque é que umas pessoas são melhores que outras na autocrítica e na auto eficácia? A resposta é muito mais simples do que aquilo que pensamos, porque valorizam esse tipo de competências, investem tempo e trabalho e responsabilizam-se pelos resultados diretos das suas ações.

João Alexandre Rodrigues

Addiction Counselor 

http://recuperarequeestaadar.blogspot.com 

http://maisvaleprevenirdoqueremediar.blogspot.com 

http://www.facebook.com/joaoalexx 

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.