A aterosclerose é uma doença inflamatória crónica que afeta as artérias do nosso corpo. Tem um início silencioso, muitas vezes ainda durante a infância, com evolução lenta ao longo de décadas e manifestação normalmente apenas em idades mais avançadas.

Carateriza-se pela presença de lesões nas paredes das artérias, com acumulação de gordura e estreitamento progressivo do seu calibre, com consequente redução ou obstrução do fluxo sanguíneo.

Os principais fatores de risco para o desenvolvimento da aterosclerose são conhecidos e, infelizmente, bastante prevalentes na população portuguesa.

Entre eles:

  • a obesidade, sendo que cerca de 50% dos portugueses têm excesso de peso;
  • a hipertensão arterial, que afeta até 40% da população;
  • níveis elevados de colesterol no sangue, presente em cerca de 30%;
  • tabagismo;
  • sedentarismo, por exemplo.

A aterosclerose tem uma fase assintomática prolongada. Os sintomas só surgem quando o fluxo de sangue para determinado órgão está gravemente comprometido.

Os sintomas dependem do território vascular afetado, sendo que pode manifestar-se como:

  • Desvio da cara, falta de força num dos lados do corpo e dificuldade em falar, sintomas mais comuns de um acidente vascular cerebral (AVC);
  • Dor forte no peito, sintoma mais comum de enfarte agudo do miocárdio;
  • Dor intensa nas pernas ao caminhar, sintoma comum de doença arterial periférica, por exemplo.

A aterosclerose é o processo que está na base da grande maioria das doenças cardio-cerebro-vasculares, que são a principal causa de morte em Portugal, responsáveis por cerca de 30% das mortes.

Não existe cura para a aterosclerose. Existe medicação que controla e estabiliza as placas ateroscleróticas (de gordura) das artérias para evitar a sua progressão.

A prevenção é a chave para o tratamento da aterosclerose.  Deve iniciar-se ainda na infância, com a adoção de hábitos de vida mais saudáveis, alimentação com base na dieta mediterrânica e prática de exercício físico.  Deve ser implementada por todos, quanto mais cedo melhor, sendo que nunca é tarde para reduzir o seu risco cardio-cerebro-vascular.

Um artigo do médico Rui Azevedo Guerreiro, Cardiologista e membro da Sociedade Portuguesa Cardiologia.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.