A investigação foi desenvolvida por uma equipa da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), através do Centro de Ecologia Funcional (Centre for Functional Ecology - Science for People and the Planet), em colaboração com o Instituto de Hortofruticultura Subtropical y Mediterránea "La Mayora" del Consejo Superior de Investigaciones Científicas (IHSM-CSIC), em Espanha.

Estes resultados "apoiam a hipótese de que as plantas cultivadas perdem características defensivas contra pragas e doenças devido ao foco na seleção de plantas com frutos maiores e não tóxicos durante a domesticação", afirma Victoria Ferrero, primeira autora do artigo científico.

O estudo utilizou 23 tipos de tomates e mais de 1700 plantas que foram expostas a diferentes tipos de pragas, tais como insetos sugadores, lagartas e nemátodes, e vírus. As plantas de tomate selvagem e as variedades mais antigas de tomates cultivados (provenientes da América Latina) apresentaram maior capacidade de resistir a estas pragas sem sofrer efeitos prejudiciais ao seu desenvolvimento e/ou na produção de tomates.

Plantas de tomate selvagem defendem-se melhor das pragas do que as variedades cultivadas, revela estudo
créditos: Universidade de Coimbra

A investigadora do Centro de Ecologia Funcional da FCTUC considera ainda que os resultados deste estudo "ajudam a entender o impacto da domesticação no crescimento e defesa das plantas cultivadas para desenvolver estratégias de melhora que permitam diminuir o uso de pesticidas".

O estudo foi financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT). O artigo científico está disponível: aqui.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.