As organizações médicas de saúde pública reuniram há um mês e pediram uma reunião urgente à ministra da saúde. “Perante a total ausência de resposta”, as estruturas voltaram a reunir em fórum médico.

“Tendo em conta o atual contexto de Emergência de Saúde Pública de Âmbito Internacional e o seu impacto potencial, esta desconsideração é particularmente grave e incompreensível”, afirma hoje em comunicado o Fórum Médico de Saúde Pública, constituído pelo Sindicato Independente dos Médicos, a Federação Nacional dos Médicos, a Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública e a Ordem dos Médicos.

O fórum médico saúda “o trabalho meritório dos médicos de saúde pública relativamente à preparação e resposta ao surto pelo novo coronavírus”, mas alerta que a atual ocupação de mais de metade do horário de trabalho destes médicos que exercem funções de autoridade de saúde, com Juntas médicas de Avaliação de Incapacidade, “pode comprometer, com gravidade, a preparação e resposta ao surto pelo novo coronavírus”.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Associação Nacional dos Médicos de Saúde Pública, Ricardo Mexia, lembrou que estes profissionais de saúde defendem “há longo tempo” uma reforma da saúde pública focada nas “questões essenciais: proteger a saúde dos cidadãos, promover a saúde e prevenir a doença”.

Contudo, afirmou Ricardo Mexia, há um conjunto de tarefas que lhes estão alocadas que “não contribuem de forma nenhuma para esses três fins”.

“A situação não é nova, há longo tempo que andamos a batalhar por esta reforma”, para que se possa investir naquilo para que foram “treinados e que pode ajudar a melhorar as condições de saúde de todos os portugueses”, defendeu.

A circunstância agora é que existe uma “emergência de saúde pública” declarada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), disse, salientando o “empenho muito grande de diversos profissionais da saúde pública” em todo o país, por exemplo, no acompanhamento dos portugueses repatriados, na vigilância dos contactos e na identificação dos problemas que existem no terreno.

Destacou ainda o papel que têm tido de fazer chegar informação sobre as orientações da Direcção-Geral da saúde para que “todos estejam preparados para responder de forma adequada a um eventual surto de coronavírus em território nacional”.

As organizações decidiram solicitar uma reunião com “carácter de urgência” ao primeiro-ministro e reuniões com a Comissão Parlamentar de Saúde, os grupos parlamentares e deputados únicos,

Reiteram ainda a recomendação aos colegas que solicitem a exoneração, ou não aceitem ser nomeados como membros de Junta Médica de Avaliação de Incapacidade.

“Urge repensar o sistema das Juntas Médicas de Avaliação de Incapacidade”, libertando os médicos de saúde pública e as autoridades de saúde para funções de proteção da saúde da população e de obtenção de ganhos em saúde, materializando uma das diversas propostas já apresentadas ao Governo”, defendem no comunicado. Com Lusa

Notícia atualizada às 11h52

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.