4 de junho de 2014 - 13h05
A Abraço lança na quinta-feira uma campanha de sensibilização para pais, avós, amigos e familiares de jovens no sentido de os alertar para os cuidados que devem ter para prevenir o VIH/Sida, a segunda causa de morte nos adolescentes.
Lançada no dia em que a Abraço assinala o 22.º aniversário, a campanha “Toca a Todos” visa alertar para a “nova geração VIH”, sensibilizando a comunidade para a importância da prevenção do Vírus da Imunodeficiência Humana, mas também desmistificar a doença, minimizar o estigma e a exclusão social.
Em declarações à agência Lusa, o presidente da Abraço, Gonçalo Lobo, explicou que o mote da campanha teve como base os últimos dados divulgados pela Organização Mundial de Saúde, segundo os quais 1,3 milhões de adolescentes morreram em 2012 devido ao VIH/Sida, que é já a segunda causa de morte nesta população, sendo a primeira os acidentes rodoviários.
Embora os dados sejam pouco favoráveis e a taxa de prevalência se situar sobretudo na faixa etária entre os 15 e os 17 anos, o número de mortes em adolescentes desceu em 12% a nível mundial, comparando com os dados de 2000.
Para Gonçalo Lobo, estes números têm “duas leituras”: “Por um lado, a medicação já é suficientemente eficaz que consegue fazer com que as crianças nos países subdesenvolvidos consigam atingir o estado de maturidade da adolescência, mas, por outro lado, ainda existe uma grande escassez no acesso à medicação que faz com que as crianças venham a falecer na adolescência”.
Em Portugal, a taxa de prevalência mais elevada nos adolescentes é entre os 15 e os 17 anos, refere a associação, sublinhando que “existe uma necessidade cada vez mais emergente em sensibilizar pais, mães, avós, amigos, familiares para alertarem os mais novos para os cuidados que devem ter”.
“Estamos a falar de adolescentes que iniciam a sua vida sexual e que, muitas vezes, nunca tiveram uma intervenção precoce no sentido da vivência da sua sexualidade”, adiantou Gonçalo Lobo.
“Continuamos a ter raparigas que fazem sexo desprotegido porque não conseguiram dizer que não e continuamos com rapazes que colocam muito a relação na questão da masculinidade, da virilidade e da imposição”, sustentou.
Para Gonçalo Lobo, estas questões devem ser trabalhadas desde muito cedo junto das crianças: “Tem se ser explicado o que é a vontade e o desejo de cada um e como nos podemos posicionar relativamente a isso”.

Questionado pela Lusa sobre se os jovens procuram o apoio da associação para saber quais os comportamentos que devem adotar para uma relação segura, o responsável disse que não.
Apenas recorrem à associação quando estão em “estado de crise, porque tiveram um comportamento de risco ou aconteceu alguma coisa”.
“Procuram-nos mais no sentido de os tranquilizarmos”, respondendo às suas perguntas, como “Após ter feito isto, qual é o risco que tenho” ou “Informem-me sobre como tudo isto se vai processar”.
A “Toca a Todos”, que vai decorrer na página do Facebook da Abraço, surge como incentivo “à conversa sem tabus sobre a necessidade do uso do preservativo”.
A campanha desafia as pessoas a tirar fotografias que mostrem “as diferenças nas relações, como uma senhora idosa com um ‘punk’, um negro com um nazi ou um casal homossexual, em que um é asiático e outro é russo”, disse Gonçalo Lobo.
“Vamos tentar marcar as diferenças das relações para mostrar que o VIH consegue tocar todas as pessoas e não depende da raça, da idade ou do estilo de vida de cada um”, explicou.
Por Lusa

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.