Apesar dessa noção e de algumas frases infelizes como “se tem cancro é só mais uns meses e Deus já o(a) leva”, o processo de morte é particularmente doloroso – para o próprio e para as pessoas que se encontram à sua volta. Não raras vezes, as famílias iniciam um processo de luto antecipatório.

Por luto antecipatório entende-se o processo de perdas simbólicas que é iniciado perante a proximidade da morte da pessoa que se encontra doente e que culmina, exatamente, com a perda real dessa pessoa.

Ao longo deste processo de luto, o sofrimento vai crescendo, pois os sentimentos de revolta, injustiça, raiva e desespero aumentam à medida que a pessoa é confrontada com a degradação da saúde do outro e com a aproximação da morte.

É exigido à pessoa em luto que, diariamente, tenha de gerir a dor emocional provocada pelas perdas simbólicas, como a perda dos planos para o futuro (por exemplo, o casamento, viagens) ou a perda da qualidade da relação (por exemplo, redução da comunicação e do toque devido à degradação provocada pela doença), e pelas perdas reais, como a perda da autonomia da pessoa com cancro. É como se, todos os dias, a pessoa em luto perdesse um pouco da pessoa amada.

Este contacto permanente com a morte pode, por um lado, preparar os familiares para a perda e permitir que recorram à rede de suporte social ou a ajuda especializada. Ainda assim, na maioria das vezes, ainda que em contacto com o avanço crescente da doença, as pessoas encontram-se em negação e ainda que não tenham esperança da cura, possuem esperança de viver mais uns dias ao lado do outro. São frequentes frases como “nós sabíamos que ele ia morrer, mas nunca estamos preparados, parece sempre uma ideia longínqua, como se ainda faltasse muito para esse dia”.

A ciência psicológica aponta para a existência de um conflito interno que reforça o sofrimento dos familiares, dadas as emoções ambivalentes que são desencadeadas por este processo. Por um lado, a necessidade de preservar a relação com a pessoa e ter disponibilidade emocional para aproveitar os últimos momentos e, por outro, a necessidade de deixar o outro descansar e, por sua vez, “dizer adeus”.

Para além da impotência associada à iminência da morte, por vezes, surge uma enorme frustração associada à incapacidade de “aproveitar os últimos dias”, devido ao sofrimento emocional provocado pela doença e tendencial esgotamento da família durante a prestação de cuidados, dada a exigência em termos físicos e emocionais. Em alguns casos podem surgir sentimentos de culpa no processo de luto (“estávamos todos tão cansados, parece que nem tivemos tempo de nos despedirmos, aproveitar os dias que restavam com ela”).

Mais uma vez, é vivenciado um conflito interno: por um lado, a necessidade de estar em contacto com a dor, processar as emoções e organizar os pensamentos e, por outro, o desejo de proteger a pessoa doente de percecionar a exaustão e o sofrimento que é vivenciado pela família.

Neste sentido, existe o risco de a pessoa em luto sentir a necessidade de reprimir as suas emoções, negar o seu próprio direito a estar em luto para não causar sofrimento às pessoas à sua volta e, principalmente, à pessoa amada. Frequentemente, todos os membros da família se encontram em luto, com estratégias diferentes, nem sempre dialogadas, o que dificulta a existência de uma experiência de ajuda mútua no seio familiar, apesar de o objetivo comum passar por manter a normalidade e aproveitar os últimos dias.

A rede social tende, em alguns casos, a afastar-se por se sentir vazia de alternativas para ajudar o outro, dado reconhecerem o enorme sofrimento vivenciado e considerarem que “nada é suficiente para mudar aquela dor, não saberia o que dizer”. Não obstante, um abraço pode ser mais importante e mais tranquilizador do que qualquer discurso estruturado e rigorosamente pensado.

A morte pode ser um processo mais ou menos longo, mas é doloroso e repleto de perdas que antecipam a perda mais dolorosa de todas – a morte do ser humano que amamos, que vemos sofrer e que perdemos um pouco dele, dia após dia.

Perante uma realidade tão intensa e marcante, é possível beneficiar de ajuda especializada. Existe um lugar seguro para dialogar acerca de todas as suas emoções, pensamentos e medos.

 As explicações são de Sofia Gabriel e Mauro Paulino da MIND | Instituto de Psicologia Clínica e Forense.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.