Os bebés têm uma necessidade muito grande de interação. É esta que permite um saudável desenvolvimento. Como as cores, os movimentos animados e os sons da televisão captam facilmente a atenção dos bebés, muitas vezes os pais (ou até educadoras nas creches - cerca de 73% das crianças vê televisão na creche, segundo a Deco) usam-nas como “babysitters”.

A utilização excessiva da televisão pode comprometer a capacidade do bebé em explorar o ambiente, comunicar, aprender a distrair-se sozinho, acalmar-se de forma autónoma, e aprender a brincar – o que mais tarde pode comprometer o desenvolvimento da capacidade simbólica, fundamental para a saúde mental da criança.

A televisão é uma fonte de hiperestimulação desajustada para os bebés, não só por alguns conteúdos mas principalmente pelos seus ritmos bem mais acelerados e estimulantes que o ritmo da vida real. O seu uso pode deixar o bebé agitado pela quantidade de informação que o seu cérebro terá de processar (pois cada imagem televisiva é constituída por um conjunto de centenas de pontos luminosos). Um bebé pequeno não consegue acompanhar a velocidade da sequência de imagens, nem os cortes constantes de luz e de som, sendo estes ansiogénicos. Os bebés avaliam a sua segurança através dos ritmos, das rotinas, da tranquilidade, assim, qualquer presença disrítmica, como a da televisão, será geradora de ansiedade, aumentando o choro e dificultando o sono.

Um bebé exposto à televisão em excesso poderá apresentar dificuldades em:

  • Sentir-se seguro a brincar sozinho, requerendo atenção constante, e exigindo ser entretido continuamente - pois não aprendeu entreter-se sozinho;
  • Desenvolver conquistas físicas próprias da sua idade sem se frustrar em pouco tempo, apresentando dificuldades em persistir numa tarefa até conseguir ter resultados;
  • Satisfazer-se com apenas um brinquedo, tendo tendência para estar constantemente a mudar de brinquedo, explorando-os apenas de forma superficial.

A televisão é uma excelente fonte de entretenimento, no entanto é fundamental que as crianças possam, desde bebés, desenvolver a aptidão de entreterem-se por elas mesmas. Esta é uma variável que influencia diretamente o sono. Um bebé que não sabe estar períodos progressivamente maiores entretido por si, sentindo-se seguro, terá muito mais dificuldade em adormecer de forma autónoma.

Se for vista televisão imediatamente antes de ir dormir, no momento de adormecer o bebé/criança terá que lidar com o acalmar da estimulação nervosa (também ao nível da luminosidade retida na retina) e com a necessidade de processar a informação (porque o que vê são feixes de luz sem sentido, que lhe vão ocupar o cérebro e dificultar o trabalho de triagem cerebral que faz durante o sono) - o que piora a qualidade do sono, tornando-o mais agitado e com menos capacidade reparadora.

Algumas recomendações no uso da televisão:

  • Os bebés não devem estar expostos à televisão (de forma regular) antes dos dois anos. Nunca antes do primeiro ano, e antes dos dois, apenas períodos mínimos (no máximo de dez minutos) e com imagens bem definidas, com as cores primárias, e com elementos que o bebé conheça na sua casa ou no seu ambiente.
  • A criança pequena não deve ver mais do que uma (a duas) hora(s) diárias e preferencialmente no período da manhã – ficando neste tempo também incluídos tablets, computadores e consolas. Os pais devem impor estes limites de forma clara e sugerir (de forma entusiasmada) alternativas (ler ou ver um livro, desenhar, brincar sozinho ou com os pais, fazer jogos na rua, fazer desporto, etc).
  • Os pais não devem usar a televisão como forma de entreter o bebé ou de forma a substituir a interação.
  • A televisão não deve ser usada para distrair o bebé enquanto chora, pois priva-o de treinar os mecanismos necessários para saber acalmar-se sozinho.
  • As refeições não devem ser acompanhadas de televisão. É fundamental que os pais conversem com os filhos. Que se troquem experiências, que se conte como foi o dia. Também os bebés pequenos não devem ver televisão na hora das refeições como distração.
  • Adequar os programas à idade da criança e escolher de preferência programas que apelem à participação (e não à passividade).
  • Os pais devem servir como modelos para os filhos, selecionando também de forma criteriosa os programas a que assistem.
  • A televisão não deve estar ligada como “ruído de fundo” quando os bebés estão na divisão.
  • As crianças não devem ter televisão no quarto. A televisão deve estar na sala ou num espaço comum. É natural que entre irmãos hajam “guerras” pela posse do comando, o que é uma boa oportunidade para aprender a negociar e fazer cedências.
  • Os pais devem ver televisão com os filhos (sendo ideal os pais visualizarem antecipadamente o programa), pois as crianças precisam de ajuda na compreensão de certos conteúdos televisivos (nomeadamente ajuda a distinguir a realidade da ficção). Os pais devem esclarecer dúvidas e ajudar a interpretar e fomentar o pensamento crítico.
  • Não deve ser vista televisão antes de ir dormir, como veículo para acalmar. A televisão é uma fonte de estímulo e distração, relacionada com atividade e não algo ajustado para adormecer. É certo que se pode observar um bebé a acalmar ao ver televisão, mas ao concentrar-se na televisão ele está a distrair-se do mais importante, que é aprender a acalmar-se autonomamente através da redução de estímulos.

Não se pode dizer que a televisão é boa ou má, depende da utilização que lhe for dada. Pode ser uma fonte de estímulo e de aprendizagem, desde que oferecida a partir da altura certa, com o conteúdo certo e na “quantidade” adequada. Os programas infantis devem ser cuidadosamente selecionados pelos pais, devem ser pedagógicos e adequados à idade da criança. Existem variados canais programáticos para crianças e cabe aos pais escolherem o melhor de cada um. No entanto, é importante protegermos as crianças do passivismo de quem apenas é “recipiente de informação”.

Para um desenvolvimento saudável é fundamental saber criar, inventar (brincar!), tal como conseguir articular mecanismos internos e externos para se manter entretido e tranquilo. Assim, devemos proteger os bebés do entretenimento híper-estimulante e sem desafio, e ensinar as crianças a serem consumidoras criteriosas e exigentes e a terem uma relação saudável com a televisão.

Leia ainda:

Como ensinar o bebé a acalmar

Prevenir as cólicas com uma boa rotina de sono

Planear o sono: fazer hoje como deseja continuar amanhã

Mais textos sobre sono do bebé aqui.

Ana Amaro Trindade - Psicóloga Clínica

Carolina Albino - Especialista em Ritmos de Sono do Bebé

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.