Por Carolina N. Albino

Especialista em Ritmos de Sono do Bebé

 

Ensinar um bebé a dormir e adormecê-lo pressupõe capacitações do bebé muito diferentes. É como a diferença que provém de ensinar a pescar ou simplesmente oferecer peixe. Certamente oferecerem-nos um peixe é mais simpático. Mas não será bom aprendermos a pescar? Para o bem-estar do bebé é matricial que saiba adormecer autonomamente, pois isso irá proteger e promover a qualidade e duração do sono, assim como a noção de segurança do próprio bebé, no presente e a médio/longo prazo.

 

Por exemplo, um bebé adormecido sempre ao colo aprende que para dormir precisa de estar ao colo, ou seja, fora do berço, e junto do corpo de alguém para dormir. No entanto, os pais raramente pretendem ou planeiam que venha a dormir toda a duração das sestas ou durante toda a noite, ao seu colo. Normalmente todos os bebés adormecidos ao colo vão parar ao berço depois de adormecerem. Não será de espantar, que o bebé com o tempo desenvolva razões para demarcar a passagem de ciclos circadianos (ciclo de sono, que num bebé dura aproximadamente 45 minutos), despertando e chorando. Inevitavelmente, ao acordar, o bebé confirma aquilo que suspeitava - fora ali parar sem dar conta, enquanto dormia e os pais saíram à “socapa”. Pode parecer algo com pouca importância para o nosso entendimento enquanto adultos, mas para um bebé, é algo que na base, não “encaixa”.

 

( Os bebés estão atentos aos pormenores da base)

 

Essa mudança de local fá-los na maior parte das vezes sentir que algo não muito fiável aconteceu enquanto dormiam - suscita-lhes uma noção de insegurança em relação ao sono. Essa noção que vão colhendo sesta após sesta, será razão que baste para diminuírem a duração do seu sono. O bebé em vez de saber perfeitamente o que esperar, estará constantemente a certificar-se se a solução que conhece para dormir - o colo - ainda se encontra ali, motivando-o a “chamar” pelo que conhece como “o suposto” para dormir.

 

Não existe mal nenhum em adormecer um bebé ao colo enquanto este é muito recém-nascido, por exemplo, ou se a decisão corresponder a uma deliberação ponderada por parte dos pais (com consciência a longo prazo), no sentido de deixar a criança decidir quando quer deixar de ser adormecida, e especialmente que possa ser continuada na própria duração suposta do sono.

No entanto, inadvertidamente é comum os pais, neste capítulo, começarem como não desejam continuar.

 

Os bebés crescem, ganham peso, e raramente os pais desejam continuar a adormecer e readormecer seja durante as sestas seja durante a noite, as vezes que o bebé despertar. Mas será justo mudar as regras do jogo sem preparar o bebé para tal? Como o bebé poderá sentir-se seguro e aceitar dormir de outro modo, sem preparação ou hábito? Mesmo que no início possa resultar muito bem, adormecer um bebé, a partir de certa altura torna-se inviável e compromete a qualidade a duração sono. O bebé não deve ser adormecido pelas seguintes razões fundamentais:

- A mudança das “regras a meio do jogo” não é justa para o bebé: Os pais podem fazê-lo indavertidamente sem a noção que afinal não podem continuar com esse modo de dormir no futuro, seja quando o bebé for mais pesado, ou quando a mãe voltar a trabalhar e o bebé for para a creche, ou a mãe quiser ir dormir na sua cama sem o bebé, ou mesmo quando percebem que isso está a afectar a continuidade e qualidade do sono durante a noite;

 

- Dá ao bebé razões justas para despertar. Intensifica a interrupção do sono. Ele foi ensinado que para adormecer precisava de algo mais, neste exemplo, do colo - mas também se aplica o ser amamentado para adormecer, uso de movimento, carrinho, ir para a sala, etc. Sempre que der conta que essa solução não está ali no berço ou nele mesmo, ele terá fortes razões para chorar/chamar por elas. Com bebés mais crescidos chega mesmo a irritá-los ao ponto de já nem o colo quererem, chorando de forma intensa, além de cansados ficam muito desconfortáveis com a ideia de que têm de sair do berço para estarem bem, e que se adormecerem voltam a acordar ali;

 

- Intensifica a sua noção de insegurança: O bebé precisa de perceber a sequência e fiabilidade de tudo, especialmente de algo que o faz deixar de ver o que acontece - como dormir. Sempre que são adormecidos, por exemplo ao colo, normalmente acordam sozinhos no berço, ou outro local, e tendencialmente choram porque percebem que algo importante aconteceu enquanto não deram conta, algo não está correcto para dormir, tal como foram aprendendo. Ao chorarem os pais voltam novamente a tirá-los do berço, normalmente com um comiserativo “pronto” - que é como quem diz, “sim é verdade, isso aí não é bom, eis a solução: aqui no meu colo para te acalmares e poderes dormir” e readormecem-nos, reforçando-lhe as vezes que forem necessárias que a solução para se acalmarem e dormirem não passa pelo berço e sim pelo colo, neste caso. Daí vem uma observação muito comum: “o berço tem picos”.

É importante que os pais possam planear "fazer hoje, como desejam continuar". Dessa congruência de “metodologia” depende também a confiança do bebé nos próprios pais , nos processos da vida e na sua imagem do mundo.

Se o bebé só sabe adormecer ao colo (ou através de outra qualquer dependência), significa que foi assim ensinado, ainda que involuntariamente. Mudar isso pressupõe uma igual mudança de regras de jogo, que ainda que necessárias, por serem mais justas, vão beneficiar de planeamento, de alguma ou muita dedicação, e medidas específicas ajustadas para evitar uma quebra de confiança ou mesmo uma intensificação de insegurança do bebé – sob pena de agravar a situação, caso não sejam bem avaliadas e implementadas.

 

Quando os Pais comentam que já tentaram de tudo, é certo que o bebé já estará ainda mais inseguro e cada vez mais a cada mudança para uma medida experimental. Ao não se persistir com nenhuma medida até ao fim, é normal que o bebé não tenha tempo para aprender e confiar em nenhuma, e a constante mudança das regras do jogo intensifica inevitavelmente a insegurança do bebé, piorando inevitavelmente o sono.

 

As rotinas estudadas e desenvolvidas por especialistas na área comportamental do sono quando bem desenvolvidas e implementadas, viabilizam a sistematização de rituais que ensinam os bebés a fazer importantes conquistas no campo do sono, mas também no autocontrolo. Promovem o sono de qualidade, de distribuição ajustada e a continuidade, para cada idade. Fortalecem o laço de confiança com os Pais e têm também outros benefícios em outros campos importantes na vida do bebé (Qualidade/Quantidade alimentação e qualidade da tipologia de actividade, entre outros). No entanto, devem ser sugeridas a partir do maior número de informação possível da situação e devem ser personalizadas (A via mais personalizada e aprofundada passa por uma Observação Naturalista), pois todos os bebés são diferentes (além da idade, peso, temperamento) e todos os contextos são diferentes também.

 

Ensinar um bebé a dormir que ainda não tem hábitos indesejados é muito diferente de resolver um problema de hábitos enraizados há vários meses (O que pode ser toda a vida do bebé), especialmente quando há necessidade de uma recuperação de confiança (quando o bebé já foi alvo de uma série de experimentações na esperança que melhorasse). Mudar é possível, pois os bebés têm um grande potencial de aprendizagem e habituam-se com o tempo, seja ao melhor para eles mesmos, seja, infelizmente, ao pior.

      

Leia também:

 

Como construir uma relação de confiança com o seu bebé - Peça matriz para o sono

 

Malefícios do método "choro controlado"

 

Subestimar o potencial de aprendizagem do bebé pode arruinar o seu sono

 

A importância de boas rotinas nos bebés e crianças

 

Mito: “Deve ensinar-se um bebé a dormir sempre com luz durante o dia"

 

Mito: “Não se deve acordar um bebé que dorme”

 

Ensinar o bebé a dormir: trabalho para os pais que compensa (todos). Adormecer o bebé: trabalho para os pais que desgasta (todos).

 

A importância de ensinar a dormir para o desenvolvimento do cérebro nos primeiros 12 meses