Sabia que uma das fontes mais comuns de conflito reside entre membros da mesma família? Alguns exemplos mais comuns da família desestruturada são: negligência e abuso emocional, físico, sexual, relacionamento disfuncional com o dinheiro, incompatibilidade nas diferenças de opinião, de convicções e valores (crenças retrógradas, rígidas, perfecionistas e preconceituosas).

Entre membros da mesma família, a raiva excessiva e o ressentimento podem conduzir à fúria, malícia, traição, hostilidade, segredo, ódio e em situações extremas à violência. Alguns familiares cultivam um ressentimento de "estimação" entre si, atacam os outros membros da família em vez de solucionarem os problemas.

Sabia que as famílias perturbadas tendem a negar os sentimentos, principalmente os dolorosos. A alguns membros da família, incluindo as crianças, não é permitido exprimir o que sentem, por exemplo a raiva e a frustração. Aquilo que é visto por todos, como o problema no seio familiar disfuncional, é negado. Acrescenta-se um novo modelo ou sistema falso de crenças de forma a negar a realidade dolorosa. Na família desestruturada, a negação da realidade aliada ao sistema de crenças oculta e retarda o desenvolvimento e o crescimento dos jovens e das crianças nas áreas fundamentais da sua vida (Brown, 1986).

Veja na página seguinte: algumas regras negativas no seio familiar que visam alimentar a negação das emoções

Algumas regras negativas no seio familiar que visam alimentar a negação das emoções:

- Não te zangues, não chores, evita o conflito e faz sempre um ar bem-disposto/a;

- Faz aquilo que digo e não olhes para aquilo que eu faço;

- Não faças perguntas;

- Não me desmintas, estou sempre certo e tu não tens razão;

- Os assuntos da família não são para se falarem na rua (são segredos);

- Não questiones e não respondas, porta-te bem e fica sossegado/a, faz o que te mandam.

Numa relação de intimidade entre membros da mesma família qual é o alicerce que os mantém juntos? Na família, trabalhe em equipa! Aprenda a acreditar nos valores morais, universais e espirituais, na cultura do grupo (estrutura e dinâmicas) e a celebrar o sucesso na vida, em conjunto, em vez de viver centrado no ego, frenético e egocêntrico, nas regras rígidas e no perfecionismo. Diferenças de carácter não é sinónimo de incompatibilidade; o todo é mais importante que a soma das partes.

Estabeleça rituais e tradições com significado entre membros da sua família. Os rituais, como sabe, são atividades repetidas, determinadas, coordenadas e que um significado integrador. Comprometa-se com os rituais integradores e celebre. Evite fazê-lo apenas quando lhe convém. O poder dos rituais reside na repetição e na conjugação de esforços. Sem estas características o ritual torna-se numa mera rotina estéril e amorfa de significado.

"A personalidade coletiva da sua família é uma amálgama de todas as personalidades, subsistemas, papéis e funções que existem, dos valores, da intimidade (ou falta dela) em que vivem, dos padrões de conduta e das expectativas, e dos pensamentos e crenças que partilham." - A Família em Primeiro Lugar, de Phill McGraw

Imprima ritmo ao sistema de relacionamentos entre os membros da sua família. A relação que determinamos entre uns e outros apresenta um determinado ritmo/dinâmica. O que é mantém as pessoas unidas? O sistema de relacionamento, honesto, íntimo e de confiança, existe de forma a proporcionar a partilha e a coesão do grupo, não o oposto, por exemplo, alimentar o ressentimento e o isolamento.

João Alexandre Rodrigues

Addiction Counselor 

http://recuperarequeestaadar.blogspot.com 

http://maisvaleprevenirdoqueremediar.blogspot.com 

http://www.facebook.com/joaoalexx 

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.