Como saber se o desenvolvimento da linguagem está exatamente dentro do que é esperado para a idade?

Não existe uma data precisa para determinar se o desenvolvimento da linguagem está adequado ou não. O que sabemos é que a criança desenvolve a aprendizagem da língua desde muito cedo e as diferenças individuais, de carácter orgânico e comportamental, é que irão determinar o momento em que a criança começará a falar.

O que fazer para o meu filho começar a falar o mais rápido possível?

Os pais devem agir naturalmente em relação a este tema, a pressa ou ansiedade transmitida às crianças poderão ser uma barreira.

A aquisição da linguagem deve ser feita por experiências positivas. Apesar de sabermos o papel da imitação, no processo de aquisição da linguagem, é importante que isso aconteça de forma natural, sem pressões, para que a criança tire o máximo prazer em verbalizar. Para além do prazer, é importante a criança sentir que tem algo a ganhar, sentir que ao verbalizar gera um comportamento no outro (satisfazer as suas necessidades, desejos ou pura brincadeira).

Os pais são o maior modelo para a criança. Por este motivo, é fundamental falar adequadamente com os filhos. Não os “imitar”, não inventar um vocabulário que só os próprios compreendem. Este tipo de situação pode constituir uma barreira ao saudável desenvolvimento da Linguagem.

Se por um lado as palavras inventadas podem reforçar o laço afetivo entre pais e filhos, por outro estarão a criar e reforçar um vocabulário que é uso exclusivo para a família, que poderá limitar a criança na relação/ comunicação com os outros. Facilmente poderemos compreender a relação entre a linguagem e o processo de socialização/comportamento.

O que devo fazer para o meu filho deixar de falar “à bebé”?

Com o tempo a fala infantilizada, entre pais e filhos, tende a desaparecer. Não é necessário híper-estimular o desenvolvimento da fala e “policiar” a criança, para que ela consiga articular tudo de forma adequada. Mais uma vez o processo deverá ser natural. Os pais deverão articular corretamente o que a criança tem dificuldade em dizer, mas sem “exigir”:  “mamã quero o carro vemelho gande!” e a mãe “Queres o carro veRmelho gRande?”. Dar mais enfase ao som que a criança omite, poderá ser uma boa estratégia.

De uma forma geral, as crianças por volta dos 3 anos já são compreendidas com naturalidade, ainda que possam existir algumas trocas/omissão de silabas ou sons. Nesta fase é esperado que as crianças se expressem sem grande dificuldade, assim como, compreenderem tudo o que lhes é dito.

O saudável desenvolvimento linguístico da criança é fundamental para o desenvolvimento intelectual, comportamento, autoestima, aprendizagens, aquisição de competências e pré-requisitos para a aprendizagem da leitura e escrita.

Como posso estimular precocemente a leitura?

O contato com o livro  facilita o desenvolvimento e o aperfeiçoamento de várias habilidades, como a fala, a escrita, o raciocínio, a imaginação e a reflexão. A participação dos pais nesse processo pode trazer resultados ainda mais positivos.

Os pais devem ser inseridos neste processo, discutindo o livro com os filhos. As personagens, a história, questionar o fim. Retirar lições sobre as histórias e tentar associar à vida da criança, promover uma reflexão crítica sobre a história. Estas questões devem naturalmente ser adequadas à idade, numa criança pequena poderá ser sobre cores de objetos ou ações que se desenrolam na história.

Desta forma os pais não só promovem o desenvolvimento intelectual da criança, como reforçam os laços familiares. Estes momentos deverão ser divertidos e acontecer com naturalidade, não por imposição.

Numa fase inicial, é muito importante que os livros sejam apresentados à criança em forma de brinquedo. Para que ela possa interagir com ele, que adquira o hábito de passar de folha para folha com prazer e gosto por conhecer a história.

À medida que a criança cresce, a leitura da história deverá ser feita de acordo com a obra e não se resumir à descrição de imagens por parte dos pais. Desta forma, as crianças poderão se habituar aos vários estilos de narrativa

A criança que tem um contacto habitual com livros, tem maior probabilidade de querer conhecer outros. É muito importante as crianças terem um papel ativo na escolha do SEU livro!

Terapeuta da Fala: quando procurar? 

Existem naturalmente diferenças no desenvolvimento entre crianças da mesma idade, assim como, algumas dificuldades na fala que também não representam necessariamente um problema.

O Terapeuta da Fala é o profissional responsável pelo saudável desenvolvimento da Comunicação, Linguagem e Fala Humana, nos vários Ciclos de Vida (do nascimento até à morte). Por isso quando devo procurar? Em qualquer altura! Comunicar, na sociedade atual, não é uma opção é uma condição.

Enquanto promotor de qualidade de vida, os Terapeutas da Fala atuam precocemente pois, o custo-benefício de uma intervenção precoce é infinitamente mais vantajosa do que, a intervenção num quadro instalado.

Seja por aconselhamento, despiste de perturbações associadas e respetivos encaminhamentos (Otorrinolaringologia, Pediatria do Desenvolvimento, Psicologia, Psicomotricidade, entre outras especialidades), os pais deverão procurar um Terapeuta da Fala quando existe suspeita de que a criança poderá  ter algum tipo de dificuldade. Não existem “idades” para ir ao Terapeuta da Fala!

Nas crianças, as dificuldades de linguagem assumem consequências muito negativas para o seu desenvolvimento. Sendo normalmente desvalorizadas acabam por se tornar responsáveis por graves dificuldades de aprendizagem, nomeadamente na escrita e leitura, conduzindo ao insucesso escolar.

Por Gonçalo Leal, Terapeuta da Fala da SpeechCare