“Estes programas na área da prevenção do suicídio estão sempre inacabados, mesmo quando se atinge uma taxa zero”, disse à agência Lusa o tenente-coronel e psicólogo António Martinho, no final de uma intervenção na conferência “Forças de Segurança – Do Burnout ao Suicídio”, promovido pela Associação dos Profissionais da Guarda (APG).

De acordo com o mesmo responsável, as estratégias adotadas recentemente já deram resultados, não se tendo verificado qualquer caso em 2018 na GNR, o que não acontecia há 23 anos: “É isso que nos incentiva e nos faz acreditar que é possível o zero”.

Como reagir?

Em caso de ideação suicida ou se conhecer alguém em risco, procure um médico.

Em caso de emergência, ligue para o 112.

Mais contactos

Centro SOS-Voz Amiga (diariamente das 16h00 às 24hoo)

- 21 354 45 45

- 91 280 26 69

- 96 352 46 60

Linha Telefone Amigo (todos os dias das 17hoo à 01h00)

239 72 10 10

Linha Telefone Amizade (de segunda a quinta-feira das 16h00 à 01h00; sexta-feira e sábado das 19h00 às 21h00 horas)

- 800 205 535

No ano passado, porém, houve dois suicídios. “São duas situações particulares em que não estando de serviço, têm acesso à arma de fogo, o que nos obriga também, do ponto de vista da ação do comando, a haver um maior controlo no acesso a armas de fogo por parte de quem não está efetivamente a desempenhar funções de serviço”, defendeu.

Questionado sobre a resposta da tutela, o oficial respondeu que têm sido adotadas várias medidas para prevenir “o flagelo”, entre palestras ao nível das subunidades e uma “reavaliação psicológica de todo o efetivo”, no sentido de tentar detetar fatores de riscos, por forma a fazer um encaminhamento para tratamento.

Segundo a mesma fonte, há “uma preocupação de intervenção na crise psicológica”, nomeadamente nas crises suicidárias, tendo sido disponibilizada uma linha telefónica de apoio 24 horas por dia (800 962 000).

Para o psicólogo, é “primordial” falar do tema sem tabus.

“Costumamos dizer que na sociedade ocidental há dois grandes tabus: a morte e o sexo. Parece que ninguém morre e ninguém tem sexo! Com o suicídio, o tabu agrava-se”, afirmou durante a intervenção na conferência, perante uma plateia de militares, psicólogos e dirigentes associativos.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.