Para além de terem de lidar com a ansiedade e incerteza, frequentes após o diagnóstico de cancro, e com os eventuais efeitos secundários dos tratamentos, os doentes oncológicos enfrentam agora desafios adicionais, que passam por proteger-se da infeção, manter os cuidados médicos essenciais e adaptar-se às alterações nas rotinas diárias impostas pela condição de isolamento.

Encontram-se, assim, numa condição de duplo risco, pela maior vulnerabilidade física à doença e elevado risco de perturbação emocional.

Tão importante como evitar a exposição ao novo coronavírus, é preservar o bem-estar físico e psicoemocional. Assim, a equipa de psicólogos da Liga Portuguesa Contra o Cancro elaborou algumas recomendações para reduzir a ansiedade e promover a adaptação psicológica durante este período crítico e que pode consultar no site e facebook da Liga Portuguesa Contra o Cancro.

São normais os sentimentos de tristeza, ansiedade, desorientação e até revolta. Estas emoções são produtos dos nossos pensamentos que, nesta fase, são sobretudo negativos e aparecem de modo automático e intrusivo, sob a forma de medos que frequentemente não correspondem à realidade. É muito importante colocá-los em perspetiva, desafiá-los, e diminuir o tempo em que se foca neles.

Procure manter-se positivo e confiante. Por exemplo, lembre-se de outras experiências anteriores que tenha conseguido enfrentar com sucesso.

Tenha uma visão crítica em relação à informação veiculada na comunicação social, redes sociais e internet, optando por informar-se através das Entidades oficiais. Procure limitar o tempo que passa a falar sobre o tema e/ou a consultar informação.

Mantenha-se ativo: coloque em prática uma rotina diária que, além das tarefas domésticas e profissionais, deve incluir hábitos de higiene diários, nomeadamente de sono (7 a 9 horas) e descanso; exercício físico regular e uma alimentação saudável e equilibrada. Não fume e não consuma álcool nem drogas.

Aproveite este tempo para cuidar de si, realizar atividades de prazer e fazer novas aprendizagens. Por exemplo, escrever um diário, meditar, praticar exercícios de relaxamento, fazer trabalhos manuais, pintura, etc.;

Em situação de isolamento, combata a solidão mantendo-se em contacto regular com a sua família e amigos através de mensagens, telefonemas e videochamadas. Substitua gestos físicos de carinho por palavras e outras manifestações de afeto. Sempre que sentir mais dificuldades, peça ajuda;

Seja um agente ativo no seu tratamento: cumpra as recomendações médicas e entre em contacto com a equipa sempre que tenha qualquer dúvida. Em caso de teleconsulta, organize-se e faça uma listagem de todas as questões a colocar ao seu médico.   

Se as dificuldades persistirem, as equipas de psicólogos da Liga Portuguesa Contra o Cancro estão disponíveis para o ajudar. Contacte-nos através da Linha Cancro - 808 255 255 ou linhacancro@ligacontracancro.pt – ou diretamente para o Núcleo Regional da área da sua residência.

Um artigo de Sónia Silva, Psicóloga Clínica e Responsável pela Unidade de Psico-Oncologia da Liga Portuguesa Contra o Cancro – Núcleo Regional do Centro.

A Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC) desenvolveu um conjunto de recomendações sobre a gestão da Ansiedade e preocupações face à situação de pandemia (COVID-19) destinadas aos doentes oncológicos. Para apoiar os doentes e ajudá-los a ultrapassar a ansiedade, a psicóloga Sónia Silva vai fazer uma sessão aberta no Facebook da LPCC, no dia 14 maio (quinta-feira) às 18h00 horas.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.