Numa nota hoje divulgada, o IPCB explicou que a Unidade de Cuidados Continuados Integrados (UCCI) da Santa Casa da Misericórdia de Castelo Branco recebeu e testou este projeto, desenvolvido por Cassandra Jesus, aluna da licenciatura em Engenharia Eletrotécnica e das Telecomunicações da Escola Superior de Tecnologia (EST) de Castelo Branco.

O projeto ‘Zelar@CB/ Nyon’ “pretende monitorizar as quedas dos idosos (dentro e fora da habitação) e alertar familiares, cuidadores formais e informais logo que a queda ocorra”, lê-se na nota.

Em caso de acidente, os alertas são enviados através de mensagens SMS ou por ‘email’ para uma lista de contactos pré-definida.

Citada no documento, Cassandra Jesus referiu que “o detetor é fiável e adaptado ao utente” e “pode ser integrado numa peça de vestuário, num chapéu ou mesmo num cinto”.

“É muito leve e de grande autonomia, funcionando quer com pilhas, quer com bateria recarregável. Estamos a trabalhar noutra versão do detetor que usa tecnologia ‘LoRa’ no lugar de ‘WiFi’ ou ‘Bluetooth’, para utilizações no exterior da habitação (horta ou quintal)”, concluiu a aluna da EST.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.