Apesar de sofrer de uma doença degenerativa que lhe vai limitando cada vez mais os movimentos há 16 anos, continua a desafiar-se, recusando-se a baixar os braços. No passado dia 4, Yves Auberson, um empresário de 51 anos, partiu de Montreux em direção a Montbovon, na Suíça, naquela que foi a primeira etapa da caminhada que decidiu empreender e que o vai levar a tentar alcançar algumas das principais montanhas alpinas em território suíço. Um périplo de mais de três meses que o vai pôr à prova.

Durante 100 dias, Yves Auberson, que foi jogador de golfe profissional e também trabalhou como preparador físico, espera conseguir percorrer cerca de 1.000 quilómetros, antes de regressar a casa em setembro. A intenção inicial era sair da cidade de Zermatt em direção a Nice, no sul de França, mas a pandemia viral de COVID-19 obrigou-o a rever o projeto. Para o poder concretizar, lançou uma campanha de angariação de fundos online. Conseguiu 8.970 francos suíços, cerca de 3.800 euros.

Hemofilia não impediu Alex Dowsett de ser atleta olímpico
Hemofilia não impediu Alex Dowsett de ser atleta olímpico
Ver artigo

"A doença não nos deve condenar à inatividade", defende. Apaixonado por desporto desde sempre, nunca desistiu de participar em corridas e em provas de triatlo, ainda que a patologia de que sofre o tenha obrigado a readaptar os treinos à sua condição física. "Os campos desportivos sempre me atraíram mais do que os bancos de escola", desabafa Yves Auberson. Foi em 2004 que os primeiros sintomas de parkinson se começaram a manifestar. Ia fazer 35 anos. Para além de ter tremores nos membros superiores, foi perdendo o olfato e tornou-se mais depressivo.

"De início, não ligamos ou tentamos arranjar desculpas mas, depois, os anos passam e a doença progride", lamenta o preparador físico, que continua a praticar entre dois a quatro desportos por dia. Entre os sinais iniciais e o diagnóstico oficial mais temido decorreram quatro anos. Assim que obteve a confirmação, despediu-se. "Foi um choque", admite o suíço. Decidiu, então, pegar na família e dar a volta ao mundo, de mochila às costas, com a mulher e os filhos, que tinham na altura cinco e onze anos.

A companheira apoiou-o. "Demorámos quase dois anos a preparar a viagem. Vendemos a casa e os carros, ela pediu a demissão, suspendemos as matrículas das crianças, encontrámos um novo dono para o nosso gato, tratámos de burocracias, seguros e impostos e pedimos a um conhecido para receber a nossa correspondência", recorda. "Dizem que as viagens longas mudam as pessoas e essa é a mais pura das verdades", reconhece Yves Auberson. Em 2011, no regresso, abre um centro de preparação física.

Em 2018, cinco anos após o pedido de divórcio da mulher, tem um grave acidente de mota. "Vi a morte de muito perto", confessa. Duas costelas partidas, duas clavículas fraturadas, um pneumotórax e uma hemorragia pulmonar atiram-no para uma cama de hospital. É durante a fase de recuperação que tem a ideia de fazer a caminhada de 1.000 quilómetros que agora iniciou. "O corpo é uma máquina que precisa de se mexer para não enferrujar. O exercício trava a progressão da doença", garante Yves Auberson.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.