Stephen Post, nascido em 1951, tinha apenas 16 anos quando escreveu o seu primeiro ensaio sobre altruísmo. Hoje, para além de ser autor de vários livros e ensaios, o ex-professor de bioética, filosofia e religião na Faculdade de Medicina da Universidade de Case Western Reserve nos Estados Unidos da América dirige o Institut for Research on Unlimeted Love, organismo dedicado à investigação sobre a interação entre a ciência, a espiritualidade, a saúde e o amor.

Na entrevista exclusiva que concedeu à edição impressa da Saber Viver, partilhou connosco as mais surpreendentes conclusões dos estudos realizados nesta área, divulgadas no seu livro, co-assinado pela jornalista Jill Neimark , já lançado em Portugal, "Porque acontecem coisas boas às pessoas boas". Surpreenda-se com o poder da benevolência e veja o que pode fazer para ser uma pessoa mais generosa. "Não tem necessariamente de envolver sacrifício pessoal", garante.

O seu instituto já financiou mais de 70 estudos. Que investigações se destacam?

Um estudo, realizado desde 1920, que seguiu estudantes durante décadas, verificou que os que sentiam vontade de servir os outros eram mais felizes durante toda a sua vida e menos propensos a sofrer de depressão e doenças físicas, vivendo em média mais anos.

Assim, uma vida generosa é tão boa para nós como para os que nos rodeiam. Destaco também um outro estudo que demonstrou que os alcoólicos que ajudam outras pessoas com o mesmo problema têm 40% de hipóteses de o ultrapassar, um ano depois, enquanto os que não o fazem apresentam apenas 22% de taxa de sucesso.

O que define um verdadeiro altruísta?

Os altruístas são pessoas que essencialmente se preocupam com os outros, o que não tem necessariamente de envolver sacrifício pessoal. Alguns ajudam os outros por puro dever, outros porque ocupam uma posição ou desempenham um papel que requer esta característica, nomeadamente médicos e bombeiros. Mas eu interesso-me particularmente pelas pessoas cujo altruísmo radica na compaixão, na empatia e no afeto.

São pessoas que não são apenas altruístas, mas calorosamente generosas, que oferecem afetos. Descrevo-as como indivíduos alegres, à prova de emoções destrutivas, como hostilidade e amargura, que demonstram uma cordialidade que os outros consideram notável. O altruísmo está conotado à imagem de um soldado que dá a vida para salvar o colega de armas, enquanto o amor está conotado com toque, expressão facial e afeto e é sobre este que escrevo.

O nosso grau de generosidade é de, alguma forma, condicionado pela nossa herança genética?

Sim, os genes pesam mas mais importante é o grau de empatia e compaixão que existe na nossa família, a intensidade da ligação aos nossos pais, mentores, que nos dão bons exemplos, e instituições, como as escolas, em que o ato de dar é exaltado e recompensado. Contudo, mesmo que cresçamos sem receber amor, mais tarde podemos superar a sua falta. Os genes importam, assim como as relações, mas também existe o fator escolha.

Face às dificuldades podemos tornar-nos mais amargos ou, então, melhores pessoas e cooperar com os desafios recorrendo ao amor. Existe um elemento genético que, em parte, determina quem, face aos eventos mais traumáticos da vida, irá sofrer de stresse pós-traumático ou crescer ao nível da compaixão.

O que acontece, em termos neurológicos, quando somos generosos?

A imagem de ressonância magnética demonstra que basta pensarmos que vamos dar algo a outra pessoa para ativar a área emocional mais profunda do cérebro [sistema mesolímbico] que está associada à alegria e promove a produção de substâncias que nos fazem sentir bem. Nós estamos programados para sentirmos alegria quando somos generosos.

O nosso nível de felicidade pode então ser determinado pelo nosso nível de generosidade...

Claramente. Num recente estudo, realizado pela Universidade de Harvard, foram dados 20 dólares a estudantes e foi-lhes pedido que o gastassem consigo ou com outras pessoas. Os que fizeram a segunda opção relataram-se muito mais felizes. A felicidade resulta principalmente da nossa contribuição para os outros.

As mulheres são mais generosas do que os homens?

Sim, embora esta possa ser uma generalização pouco pertinente em termos individuais. Penso que as mulheres, ao longo da evolução humana, desenvolveram mais as suas capacidades empáticas do que o sexo oposto, até porque estas são essenciais para o sucesso da educação de uma criança. No entanto, existem também muitos homens tão generosos quanto elas.

Acredita que "nos podemos descobrir ao entregar-nos aos outros", como refere um dos seus livros. Porquê?

No egoísmo, encontramos a mais profunda futilidade, mesmo que durante algum tempo pareçamos estar a prosperar. Quando vivemos tanto ou mais para outros como para nós, descobrimos uma vida muito mais profunda e feliz e também tendemos a sentir-nos menos stressados e propensos à depressão.

Dinheiro, sucesso e poder são frequentemente associados a uma atitude individualista/negativa. É possível ser-se altruísta e simultaneamente bem-sucedido?

Na verdade, os melhores líderes são altruístas. Os vendedores que se preocupam em primeiro lugar em satisfazer os clientes são precisamente os mais bem-sucedidos. Muitos estudos demonstram que os jovens altruístas envolvidos em serviço cívico tendem a assumir o papel de líder e a ter uma vida financeira melhor. Estes são efeitos secundários do facto de nos importarmos verdadeiramente com os outros.

O seu livro aborda dez formas de dar, através de celebração, generatividade, perdão, coragem, humor, respeito, compaixão, lealdade, saber ouvir e criatividade. Pode-nos explicar este conceito?

Todos temos diferentes formas de dar e amar. Alguns são ouvintes excecionais, outros têm a capacidade de ajudar o mundo através das artes ou da ciência e outros têm simplesmente a capacidade de apreciar e celebrar o que existe à sua volta. Há ainda quem seja capaz de dizer a verdade com afeto mesmo quando não é fácil.

Outros parecem literalmente capazes de sentir o sofrimento alheio. Já o meu pai, por exemplo, não era muito compassivo mas era muito leal e sempre trabalhou para pagar as contas. A sua forma de ser generoso era a lealdade. Há ainda quem seja capaz de usar o humor para animar os outros, inspirando-os.

Todos temos dons diferentes e devemos viver a nossa vida contribuindo para o bem alheio, potenciando esses mesmos dons. Mas também devemos tentar desenvolver outras formas de dar, especialmente em áreas em que somos menos bons. Não devemos dar apenas aos que nos são mais próximos mas aos que mais precisam.

Exercer a generosidade não é fácil. O perdão é exemplo disso. Há passos que nos possam ajudar a praticá-lo?

Primeiro, antes de tudo, é preciso compreender que o perdão não significa necessariamente reconciliação. Em segundo lugar, estar consciente que magoar os outros magoa-nos e, portanto, a pessoa que nos magoou provavelmente carrega algum peso. Pense como será a vida dessa pessoa.

Em terceiro lugar, lembre-se que todos precisamos de ser perdoados, não somos perfeitos. Finalmente, imagine um mundo sem perdão. Ninguém falaria com ninguém, ninguém sorriria. Seríamos todos hostis e amargos, a viver nas trevas.

Não é comum ouvirmos falar do conceito de generatividade, ao qual dedicou um capítulo no seu livro. O que o distingue da generosidade?

Generatividade é a generosidade mas centrada em ajudar os outros a serem também generosos. Por outras palavras, queremos, através do amor, gerar nos outros a capacidade de dar, especialmente entre os mais jovens. Isto é conseguido através do exemplo que damos, ao funcionarmos como professores.

Há passos simples que nos permitem exercitar a generosidade?

Por exemplo, quando se levantar pela manhã reserve os primeiros dez minutos para visualizar as interações que irá ter durante o dia e imaginar como em cada uma delas poderá exprimir afeto pelo outro. Isto é algo que me ajuda, é quase como um ensaio do dia que se avizinha. Também não se esqueça de sorrir e cumprimentar todas as pessoas com quem se cruzar.

E como podemos estimular os nossos filhos a serem pessoas generosas?

Acima de tudo, sendo pais carinhosos e modelos de ações e emoções. Os estudos demonstram que famílias em que existe uma elevada empatia geram crianças bondosas. Portanto, a generatividade de que falávamos tem início numa idade muito precoce. Os pais podem também estimular esta característica envolvendo os seus filhos em ações generosas e quando as crianças se comportam de forma egoísta não as repreender severamente mas antes encorajá-las a refletir sobre as suas ações.

No seu dia a dia o que faz para pôr em prática o que escreve?

Estou muito consciente de que a hostilidade e amargura afetam a minha saúde física e mental e sei que não gasto mais tempo ou energia se for bom para os outros em vez de desagradável. Faço questão de dar algo, por muito pequeno que seja, a toda a gente com quem me cruzo, mesmo que isso signifique apenas cumprimentar o outro.

Faço-o porque quero que essa pessoa sinta que tem importância. Não me importo, no entanto, com a reciprocidade porque, em parte, em certa medida, isso pode ser frustrante. Também medito e rezo pelos outros com regularidade e acredito que o amor é a força mais poderosa do universo. Não tenho qualquer dúvida em relação a isso.

Texto: Nazaré Tocha

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.