“O meu filho nunca falou de coisas relacionadas com a sexualidade. Além do mais, ele é autista!”, “Tenho receio com as questões relacionadas como a sexualidade. A minha filha é autista e tenho receio de ela não estar preparada!”, “O meu filho começou a masturbar-se e eu não sei como falar com ele sobre isso. Ainda por cima como ele é autista penso ser mais difícil”.

No dia 22 de julho estreou na Netflix o reality show Love on the Spectrum e que mostra de uma forma bem capaz todo um conjunto de necessidades, desejos, dúvidas e receios próprios das pessoas adultas autistas. Aproveite a proposta para construir uma ideia mais saudável da sexualidade no Espectro do Autismo. Até lá veja algumas das nossas propostas.

Estas e outras frases são parte dos pensamentos de muitos pais de crianças autistas e que depois se tornam adolescentes e mais tarde adultos, e que vão continuar a ser autistas.

As questões da sexualidade, e o funcionamento psicossexual abrange não apenas comportamentos sexuais, mas também as dimensões interpessoais (isto é, socialização psicossexual; por exemplo, relacionamentos) e dimensões intrapessoais (isto é, identidade psicossexual).

Embora não seja necessário, os elementos interpessoais e intrapessoais podem ser a base para um funcionamento psicossocial geral saudável. Por exemplo, ter uma paixão ou desenvolver um relacionamento com alguém e ter desejos sexuais, pode ser a base para o desenvolvimento de comportamentos sexuais em parceria.

Mas vejamos como é que algumas das características que habitualmente encontramos nas pessoas autistas implica no desenvolvimento afectivo-sexual.

Considerando a prudência que devemos ter devido aos problemas metodológicos nos diferentes estudos realizados dentro deste tópico e nos relatos dos profissionais de saúde que os acompanham, assim como nos relatos dos próprios autistas e dos pais e outros técnicos, há aspetos específicos descritos no desenvolvimento afetivo-sexual das pessoas autistas que devem ser considerados:

1) Sintomas nucleares: Existem dificuldades sociais, maior prevalência de uma vida solitária. Um estudo de acompanhamento de autistas adultos indica que 77% dos adultos com PEA não tiveram relacionamentos íntimos e apenas 9% tiveram relacionamentos íntimos ou estavam com parceiros ou casados. Um outro estudo constata que 50% dos adultos com PEA estão num relacionamento afetivo, mais comumente heterossexual e a maioria vive com seus parceiros.

As dificuldades na área social podem afectá-los de formas muito diferentes. As dificuldades em iniciar e manter relacionamentos serão mais óbvias em situações já em si complicadas, uma vez que possuem uma alta componente emocional, como a sedução, paixão ou outros relacionamentos de natureza afectivo-sexual. As dificuldades de reciprocidade social podem se manifestar intimamente, com dificuldades em entender as necessidades do parceiro ou em como se satisfazer sexualmente.

A inocência social, não compreendendo a metacomunicação em situações de sedução, entendendo literalmente as proposições descontextualizadas de natureza sexual, entre outros aspectos, pode levar a situações de risco. A sua inocência, vestuário e atitude fazem com que pareçam mais jovens do que a sua idade cronológica.

Eles podem parecer, pela forma como agem e comunicam, que têm uma deficiência intelectual associada, mesmo que tal não seja verdade. Nestes casos eles têm autonomia, andam sozinhos na rua, conversam na internet etc., como qualquer outra pessoa não autista, e como tal podem ser mais facilmente alvos de exploração e serem manipulados devido à sua vulnerabilidade.

A desinibição social, especialmente presente no género feminino, com exemplos de uma familiaridade excessiva com estranhos, olhando, sorrindo ou falando abertamente a rapazes/homens desconhecidos, pode expô-los a situações que eles não sabem entender ou controlar.

As dificuldades sociais e de comunicação em pessoas com PEA podem manifestar-se por não saber dizer "não" a situações que não entendem ou desejam, sem saber como interromper determinadas atitudes sexuais indesejadas de outras pessoas, sem saber como pedir ajuda quando estão em situações de risco. Em geral, parecem não saber lidar com situações sociais sexuais complicadas.

2) Interesses restritivos: Os seus objectos de interesse podem se tornar fontes de excitação sexual, especialmente naqueles com PEA e deficiência intelectual associada. As práticas autodestrutivas podem se tornar uma actividade recorrente, principalmente quando crescem e têm pouca estrutura durante o dia ou quando não atingem ereções satisfatórias, o que reforça a sua frequência.

3) Inflexibilidade à mudança: As dificuldades relacionadas à mudança podem se manifestar com dificuldades em aceitar mudanças pubertárias repentinas, rejeição do seu próprio corpo, da sua identidade sexual que, em condições extremas, pode estar associada a comportamentos de automutilação. Também pode estar relacionado a conflitos no desenvolvimento de sua identidade sexual.

4) Alterações sensoriais: A maioria das pessoas com PEA gosta de contacto físico, mas algumas rejeitam o toque de outras pessoas, rejeitam carícias e qualquer manifestação afetivo-sexual com outras pessoas. Os comportamentos repetitivos de exploração sensorial no ambiente envolvente podem levar a situações sociais inadequadas, como por exemplo, cheirando ou tocando em outras pessoas. Alguns aspectos fetichistas associados à sua sexualidade podem ter um importante componente sensorial.

5) Aspetos relacionados com o autocuidado, autonomia e imagem corporal: Algumas pessoas com PEA têm pouco interesse na sua aparência física, cuidados com seu corpo e imagem. O facto de poderem ser hipossensorial torna-os menos conscientes das suas próprias necessidades corporais e de higiene. Eles podem apresentar uma aparência menos jovem, por não seguir modelos "na moda". E esses aspectos podem diminuir as oportunidades de relacionamentos afetivos. Com a idade, apresentam dificuldades no planeamento da vida a longo prazo, atraso no desejo de autonomia, apresentando menor adaptação funcional à idade. Eles acham difícil pensar no futuro, em suas necessidades emocionais relacionadas à idade e quando seus pais não estão por perto. Devido às experiências sociais negativas anteriores, consideram uma vida futura em seu círculo familiar, onde se sentem mais calmos, aceites e sem determinados níveis de stress.

6) Acesso à informação e educação sexual: As suas dificuldades sociais e comunicativas significam que eles falam menos sobre sexo com os seus colegas. As suas famílias geralmente subestimam suas fantasias sexuais e às vezes têm medo de despertar desejos que são erroneamente inexistentes para os pais. Por esse motivo, a maioria das informações sexuais que os adolescentes com PEA obtêm é via internet. Alguns possuem grandes habilidades na área de computação, podendo aceder a páginas proibidas para pornografia e conteúdo sexual.

7) Objeto de atração sexual: Estudos recentes mostram um aumento nas relações não heterossexuais (bissexuais, principalmente homossexuais) em pessoas com PEA. Até 69,7% são descritos como não heterossexuais em comparação com 30,3% dos participantes do grupo de controlo. As pessoas que apresentam sintomas de PEA, mas que não cumprem todos os critérios de diagnóstico (fenótipo alargado), também têm menos relacionamentos afetivos e mais relacionamentos homo-bissexuais. Existem estudos que mostram um aumento de pessoas com PEA com disforia de género e na comunidade transexual.

8) Desejo sexual: Os pais tendem a subestimar os desejos sexuais de seus filhos e as análises realizadas com informações dos pais concluíram que houve uma diminuição do desejo sexual em pessoas com TPEA. Quando perguntados, muitos referem-se a fantasias e desejos sexuais com conteúdo erótico, embora o grau de satisfação sexual seja menor do que eles gostariam. Uma minoria deles parece ter pouco desejo sexual. Portanto, o desejo sexual parece não diferir na maioria das pessoas sem e com PEA, mas estas apresentam menos satisfação no desenvolvimento de sua afectividade-sexualidade, aumento de masturbações, principalmente mais frequentes nos homens, sem ter alguns deles a possibilidade de desenvolver um relacionamento íntimo com outra pessoa.

9) Aumento de agressões sexuais e abuso sexual: já foi descrito em vários estudos, especialmente em raparigas com PEA, que estas são três vezes mais propensas a serem vítimas de agressões sexuais. Até 18% das pessoas com PEA foram expostas a agressões físicas e 16% a agressões sexuais. Em muitos casos, elas nunca comentaram com outra pessoa ou o fazem muito tempo depois. Quando isso ocorre, geralmente apresentam problemas de saúde mental, instabilidade emocional, comportamentos autolesivos e comportamentos sexualizados. É um grupo especialmente vulnerável a abusos, 31% daqueles em educação especial sofreram algum tipo de abuso em comparação com 9% do grupo controle. O uso da Internet, embora facilite indiscutivelmente o contacto social de pessoas com dificuldades sociais, Também os expôs a um risco aumentado de manipulação (fotos, vídeos de conteúdo sexual etc.), manipulação e relações de conteúdo sexual não procuradas e impostas a elas.

10) Experiências anteriores de vitimização: a exposição a situações abusivas em público, principalmente no ambiente escolar ou a situações abusivas na Internet, é frequente. Quando ocorrem, eles podem não estar totalmente cientes do significado público e pessoal desses relacionamentos abusivos e podem não comentar ou parecer que se importam menos. Mais tarde, quando souberam que foram ridicularizados em público sem a ajuda de ninguém, poderão reagir com desconfiança e amargura, evitando o contacto social com outros jovens. O bullying às vezes conseguiu incluir uma componente sexual, forçando-os a realizar práticas sexuais que condicionou o seu desenvolvimento sexual. As memórias residuais das situações traumáticas podem ser recorrentes e podem ser revividas nos seus relacionamentos sexuais.

11) Comorbidades com deficiência intelectual, problemas de comunicação, PHDA, ansiedade, desregulação emocional, comportamento, etc: As comorbidades em geral tornam-as mais vulneráveis, seja devido à falta de entendimento de suas ações em casos de deficiência intelectual associada ou à impulsividade associada à PHDA ou devido a reações emocionais extremas em casos de desregulação emocional ou exposição ao consumo de substâncias, mentira habitual aos pais ou associação com amigos anti-sociais com problemas de comportamento comórbido. A presença de ansiedade social, comportamentos de evitamento nas relações afectivo-sexuais, é frequente. Particularmente naqueles que não tiveram relacionamentos íntimos. Em geral, a comorbidade na PEA está associada a um risco aumentado de desajuste funcional generalizado, incluindo factores sociais, afectivos e sexuais.

12) Problemas de conteúdo afectivo-sexual que podem ocorrer numa minoria de pessoas com PEA: Em geral, são vítimas de outras pessoas e, embora não pareça haver um aumento de problemas legais, quando existem, tendem a ser de natureza sexual. As suas dificuldades na compreensão social, cultural, imaturidade emocional ou confusão entre ternura e amor, tendo sido anteriormente vítimas de assédio violência sexual, estão relacionadas a problemas nessa área. Eles podem mostrar um foco de interesse afectivo-sexual em menores, com visualização de pornografia na internet ou podem exibir comportamentos sexuais em público ou realizar toques de natureza sexual que não são permitidos, entre outros.

13) Factores familiares: A supervisão e o controle dos pais são importantes para todos os adolescentes, mas principalmente para os adolescentes vulneráveis ​​com autismo. Factores relacionados ao stress, falta de recursos de supervisão familiar e famílias com problemas emocionais ou mentais têm sido associados a um risco aumentado de abuso.

14) Os tratamentos farmacológicos nessa população estão relacionados à melhoria da comorbilidade, mas também podem aumentar o risco de activação farmacológica com desinibição social, afectiva e sexual.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.