Não culpabilize os seus genes pelo envelhecimento; os seus hábitos são os verdadeiros culpados. Mas o poder de contrariar esta situação stá nas suas mãos. O prolongamento da sua juventude só depende de si.

Acrescentar anos à esperança de vida e desfrutá-los em óptimas condições é algo que, hoje em dia, está ao alcance de qualquer pessoa.

É o que demonstram os últimos estudos nas mais diversas áreas sobre envelhecimento, e cujos resultados apontam na mesma direcção: o elixir da eterna juventude encontra-se num conjunto de hábitos saudáveis.

Os especialistas situam o início do processo de envelhecimento por volta dos 30 anos de idade, embora não tenhamos consciência dele até aos 40 ou 50. O culpado? De certo modo, a genética... mas só em parte, já que os genes não são os responsáveis pelos maus hábitos da vida actual como o stress, a alimentação desequilibrada e a obesidade.

É mais do que isso. Alguns especialistas afirmam que a longevidade se deve, em cerca de 75%, aos hábitos de vida, e apenas em 25% aos genes. Contudo, os avanços científicos permitiram prolongar a vida para além da genética.

Está mais do que provado que a adopção de hábitos saudáveis diminui os efeitos negativos da vida moderna.

A alimentação que rejuvenesce

1. Dieta mediterrânica, sempre

Fruta, verduras, leguminosas, frutos secos, iogurte, muito peixe, pouca carne, azeite e vinho com moderação. Esta é apontada por muitos como a fórmula mágica para a longevidade. É, essencialmente, a composição básica da dieta mediterrânica, cujos benefícios estão cientificamente comprovados e são, cada vez mais, determinantes.

Uma das últimas evidências provém de um estudo das universidades de Harvard e de Atenas: a combinação de todos estes alimentos assegura a longevidade.

2. Opte pelos ómega-3

Os ácidos gordos ómega-3 (presentes no salmão, cavala, truta, nozes, óleo de linho e de soja...) e os ómega-6 (encontram-se no gérmen de trigo, no milho, nas sementes de girassol...) previnem a doença de Alzheimer, especialmente em pacientes com predisposição genética.

3. Fuja das gorduras trans

A Autoridade Europeia de Segurança Alimentar advertiu, num relatório recente, acerca do risco para a saúde cardiovascular da ingestão de ácidos gordos tipo trans (presentes em alguns lacticínios, manteiga e carne de vaca e de porco).

Consumidos acima dos 10% da ingestão total de gorduras ingeridas, aumentam o risco de doenças coronárias.

4. Diga sim ao feijão!

Os pratos elaborados com leguminosas podem representar um saboroso passaporte para a longevidade, tal como explica um estudo da Universidade canadiana de Guelph, que demonstrou que as favas, sobretudo as mais escuras, são uma fonte de antioxidantes notável e podem ter efeitos benéficos para a saúde (como as frutas e as hortaliças).

5. Vinho: novos dados a seu favor

Cientistas norte-americanos concluíram que o resveratrol, uma substância presente na casca das uvas e no vinho tinto, não só é o responsável pelos efeitos saudáveis do vinho, como também pode ser a uma das chaves da longevidade, já que actua da mesma forma que a dieta hipocalórica no momento de prolongar a expectativa de vida de diferentes espécies.

3. Fuja das gorduras trans

A Autoridade Europeia de Segurança Alimentar advertiu, num relatório recente, acerca do risco para a saúde cardiovascular da ingestão de ácidos gordos tipo trans (presentes em alguns lacticínios, manteiga e carne de vaca e de porco).

Consumidos acima dos 10% da ingestão total de gorduras ingeridas, aumentam o risco de doenças coronárias.

4. Diga sim ao feijão!

Os pratos elaborados com leguminosas podem representar um saboroso passaporte para a longevidade, tal como explica um estudo da Universidade canadiana de Guelph, que demonstrou que as favas, sobretudo as mais escuras, são uma fonte de antioxidantes notável e podem ter efeitos benéficos para a saúde (como as frutas e as hortaliças).

5. Vinho: novos dados a seu favor

Cientistas norte-americanos concluíram que o resveratrol, uma substância presente na casca das uvas e no vinho tinto, não só é o responsável pelos efeitos saudáveis do vinho, como também pode ser a uma das chaves da longevidade, já que actua da mesma forma que a dieta hipocalórica no momento de prolongar a expectativa de vida de diferentes espécies.

Suplementos que lhe dão anos de vida

6. A vitamina C protege o seu cérebro

As pessoas que ingerem quantidades de vitamina C inferiores a 95 mg por dia têm cerca de 30% mais probabilidades de ter um AVC. Para além disso, os fumadores com dietas ricas em vitamina C reduzem o risco de padecer de enfarte em cerca de 70%. O motivo? Este nutriente protege as células do stress oxidativo.

7. Ginseng: a raiz de uma mente jovem

As suas propriedades sobre o sistema cognitivo (melhora a actividade cerebral, estimula a concentração e a memória e reduz a fadiga) aliaram-se aos revolucionários resultados de um estudo realizado pelo Hospital Universitário Rigshospitalet, em Copenhaga, que revelaram os seus poderes imunológicos e a eficácia no tratamento do stress.

8. D e E: duas vitaminas antienvelhecimento

Tanto na alimentação como em suplementos, a vitamina D demonstrou prevenir diversos problemas relacionados com o passar do tempo. Os resultados de uma investigação concluíram que as mulheres que ingerem quantidades elevadas desta vitamina (pelo menos 290 UI/dia) têm menos um terço de probabilidades de desenvolver artrite reumatóide.

Quanto à vitamina E, tem-se revelado uma das armas mais poderosas na luta contra o envelhecimento, especialmente aquele que afecta a pele. Receia que a sua pele seja o reflexo do passar dos anos? Certifique-se de que ingere a vitamina E necessária.

9. A defesa antioxidante

Uma das formas mais simples e eficazes de prolongar a juventude e a vitalidade do organismo é através da toma de suplementos antioxidante. Os antioxidantes são substâncias, como algumas vitaminas e minerais, capazes de neutralizar os processos de oxidação e subsequentes lesões celulares que ocorrem constantemente no organismo devido à formação de radicais livres (moléculas instáveis que danificam as células saudáveis).

Idealmente, deveríamos fornecer antioxidantes ao nosso organismo através de uma alimentação equilibrada, mas como nem sempre o fazemos, a terapia farmacológica antioxidante pode ser uma boa ajuda. Para saber mais, contacte o seu médico ou farmacêutico.

Exercício: objectivo, adeus à oxidação

10. Nunca é tarde demais para andar de bicicleta

De acordo com um estudo da Escola Superior de Desporto Espanhola, pedalar 10 minutos todos os dias melhora a musculatura, a irrigação sanguínea e as articulações.

E se este exercício for feito de forma continuada, reduz o risco de enfarte até cerca de 50%. Os especialistas acreditam que a mente rejuvenesce até 3 anos se andarmos de bicicleta frequentemente.

Mas ainda há mais: o ciclismo reduz o chamado mau colesterol (LDL) e melhora o sistema imunitário, já que facilita o trabalho das células fagocitárias, as responsáveis pela eliminação de bactérias e de células cancerígenas do corpo humano.

11. Corpo activo, mente ágil

As pessoas que se mantêm activas apresentam uma menor deterioração cognitiva do que as sedentárias, tal como revelam dois estudos recentes. O primeiro, realizado em mulheres, demonstrou que as que caminham 1,5 horas por semana têm uma melhor memória verbal, fluidez e atenção (o que se traduz numa idade cognitiva três anos menor do que a biológica).

O segundo estudo demonstrou que os homens que caminham cerca de dois quilómetros por dia têm um risco de de demência cerca de 71% menor que os sedentários.

12. Mexa os seus ossos a partir de agora!

A imobilização total pode originar uma perda de massa óssea de cerca de 40%; em contrapartida, o exercício físico, juntamente com uma alimentação saudável, são factores que melhoram até 20% a densidade mineral óssea, prevenindo a osteoporose.

13. Hábitos saudáveis = mais velas no bolo

Durma o suficiente. Segundo um estudo da Universidade de Lübeck (Alemanha), o sono está relacionado com a aprendizagem e a memória no cérebro, e favorece o processamento de novas memórias.

Pelo que, salvaguardar as horas reservadas ao sono, assegurando-se que este se processa de forma profunda e reparadora, pode combater o envelhecimento cerebral, estimulando o pensamento criativo.

Entre 7 e 9 é o número de horas de sono recomendadas para um adulto, de acordo com Teresa Paiva, neurologista e directora do Laboratório de EEG/Sono do Hospital de Santa Maria, em Lisboa.

14. Não beba café a mais

Tal como explica Nicholas Perricone, famoso dermatologista americano, num dos seus livros, o cortisol é uma hormona que aumenta com a idade. Se circular em grandes quantidades pelo sistema circulatório por períodos prolongados, pode-se tornar tóxica para as células e para os neurónios.

Bastam duas chávenas de café por dia para aumentar os níveis desta hormona, podendo provocar efeitos negativos no sistema imunitário e nas células cerebrais.

15. Reduza as calorias

O simples facto de reduzir as calorias que ingere activa um gene, o Sir2 (silent information regulator), que prolonga a vida. Isto vem confirmar a relação entre restrição calórica e extensão e melhoria da qualidade de vida.

16. Sexo: por que não?

Os especialistas recomendam manter uma rotina sexual activa, já que ajuda a melhorar a qualidade de vida. Em certas ocasiões, é necessário recorrer a suplementos hormonais, tanto directamente como através de percursores destas substâncias que se encontram em determinados nutrientes, os quais, a curto prazo, produzem uma melhoria notável no desempenho sexual.

17. DMAE: o milagre antienvelhecimento

Dimetilaminoetanol é o nome de uma substância que está presente no corpo humano em pequenas quantidades e é bastante abundante em peixes como o salmão.

Tal como explica Perricone, “aplicado directamente sobre a pele, o DMAE ajuda a obter os níveis adequados de neurotransmissores, através do qual se assegura a manutenção da tonicidade muscular, permitindo que o rosto, o contorno dos olhos e o pescoço ganhem firmeza, e reduzindo o aparecimento de rídulas e rugas”, o que dá um efeito de lifting imediato e a longo prazo.

O DME é administrado em cosméticos manipulados por dermatologistas. Para saber mais, consulte o seu dermatologista.

18. Para a pele, cuidados e protecção solar

De acordo com Nicholas Perricone, para prolongar o capital de juventude da pele, basta respeitar uma rotina diária de cuidados faciais e aplicar um protector solar (no mínimo, com índice de protecção 15) para prevenir a acção nociva dos raios ultravioleta sobre a epiderme. Lembre-se que 80% dos sinais de envelhecimento precoce resultam da exposição solar.

Mente jovem, corpo jovem

19. Optimismo ao máximo

Quem vê a vida de um ponto de vista positivo tem mais possibilidades de chegar a centenário. É o que se depreende dos resultados do primeiro estudo dedicado a examinar o papel protector das chamadas emoções positivas no envelhecimento.

De acordo com a investigação, estas emoções afectam directamente a saúde por via química.

20. Pense em si como sendo uma pessoa jovem

Especialistas da Universidade da Carolina do Norte efectuaram uma experiência curiosa na qual expuseram dois grupos de pessoas (um entre os 15 e os 37 anos e outro entre 57 e 82 anos) a termos alusivos a estereótipos relacionados com a velhice (palavras negativas como senil, frágil, esquecido; ou positivas como digno, distinto, sábio ou bem sucedido).

Os resultados demonstraram que o funcionamento da memória dos idosos era pior quando ouviam palavras negativas.

21. Mantenha o stress sob controlo

Os participantes da reunião Experimental Biology (2005, San Diego) estudaram a forma como as reacções hormonais que respondem ao stress alteram o sistema imunitário e têm influência na origem de doenças físicas e mentais (aterosclerose, depressão, infecções).

Depois de uma análise mais aprofundada, verificaram, então, a importância de ensinar comportamentos simples para evitar os efeitos do stress no sistema imunitário e na saúde.

22. Medicina antienvelhecimento

Desde que nasceu, há mais de dez anos, nos Estados Unidos, esta especialidade médica centrada na prevenção estabeleceu-se com sucesso pelo mundo fora. O seu objectivo: optimizar a idade biológica (ou seja, a idade que determina o nosso estado físico, que pode coincidir ou não com a que o calendário indica) através de uma série de medidas direccionadas para combater o desgaste provocado pelo estilo de vida moderno sobre o organismo.

Para isso, e depois de uma série de consultas e análises prévias através das quais se avalia o estado bioquímico do paciente, cria-se um programa personalizado que ataca em cinco frentes: alimentação, exercício, técnicas de redução do stress, suplementação nutricional e, em certas ocasiões, substituição hormonal, para aumentar a longevidade, a saúde e a vitalidade.

Em Portugal, esta área da ciência está ainda a dar os primeiros passos. Para saber mais ou iniciar um tratamento, contacte o Instituto Médico New-Age (Instituto Média New-Age) , no Porto, um dos precursores, no nosso país, deste ramo da Medicina. Tel: 22 502 08 00.

Texto: Joana Martinho

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.