Chegou a época das gripes, constipações e da inevitável tosse, que tentamos combater a todo o custo.

Um estudo realizado pelo Imperial College of London defende que a teobromina, presente no cacau, poderá ter efeitos antitússicos.

Enquanto esperamos pela confirmação desta descoberta (e pela desculpa perfeita para comer chocolate quando está frio), pedimos a Carlos Robalo Cordeiro, pneunologista e presidente da Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP) para indicar os principais sinais de alerta, os cuidados a ter e as formas para pôr fim à incomodativa tosse.

Origem

A tosse é um mecanismo natural de defesa contra agressões ao sistema respiratório. «É muito frequente nas doenças do aparelho respiratório superior (nariz e garganta), nomeadamente na sinusite, uma patologia muitas vezes esquecida», afirma Carlos Robalo Cordeiro, pneumologista, e «um dos casos mais comuns é a tosse com bronquite, que surge nomeadamente nos fumadores».

O especialista realça ainda que este sintoma pode também estar associado a «uma infecção, como constipação ou gripe, uma alergia, ou um ref luxo gastro-esofágico».

Ajuda médica

Passar vários dias com uma «tosse repetitiva e de causa pouco explicada», sentir um «aumento da quantidade ou mudança de aspecto das secreções» (nomeadamente a presença de sangue), rouquidão persistente e «dores torácicas que dificultem a respiração completa» são situações em que, segundo o presidente da SPP, deve consultar um médico.

Tratamento

A tosse protege o sistema respiratório de agressões, mas mais do que no sintoma, «é na causa que devemos intervir», realça o especialista. Os tratamentos mais utilizados são os anti-inf lamatórios, os antibióticos, os anti-alérgicos e os mucolíticos.

No entanto, em alguns casos, «se não conseguimos esclarecer a causa, temos de prescrever antitússicos para diminuir a agressividade e persistência da tosse», que pode perturbar o sono ou provocar dores de cabeça.

Em casa

Existem alguns truques caseiros que podem aliviar os sintomas da constipação. Gargarejar com água salgada ajuda a diminuir a inf lamação, ingerir líquidos quentes dilata as vias respiratórias, e respirar ar húmido facilita a drenagem das secreções.

Além disso, «os citrinos ajudam a combater as infecções virais», diz o especialista. Xaropes caseiros contra a tosse que contêm mel, cenoura ou cebola, devido aos seus antioxidantes, «acabam por ter algum benefício em termos de desoxidação das vias aéreas», comenta.

Identifique os principais tipos de tosse

Aguda: Dura até três semanas e está, geralmente, associada a constipações, gripes ou outras infecções do sistema respiratório superior (nariz e garganta).

Sub-aguda: Dura entre três e oito semanas. Pode ser a sequela de uma infecção respiratória como a constipação.

Crónica: Dura mais de oito semanas e é frequente nos casos de bronquite crónica ou refluxo gastro-esofágico.

Texto: Julie Oliveira com Carlos Robalo Cordeiro (Presidente da Sociedade Portuguesa de Pneumologia)