Na Índia, o basílico, nome por que também é conhecido o manjericão, é considerado uma erva santa, que é plantada junto aos templos, sendo oferecida a muitos deuses hindus em épocas e festividades especiais. Existe mesmo uma lenda que assegura que esta planta aromática cresceu junto ao túmulo de Jesus Cristo depois de ele ter ressuscitado e é por isso que alguns padres ortodoxos, ainda nos dias de hoje, colocam vasos com basílico junto ao altar de muitos templos.

Manjericão, manjericão-grande, basílico, alfavaca, alfádega, manjerico-de-folha-grande, erva-real e manjerico são os nomes comuns do Ocimum basilicum L. O nome genérico, deriva da palavra grega ókimon, que quer dizer perfumado. O nome específico deriva da palavra basilikon, que significa realeza. Com origem na Pérsia e na Índia, esta erva aromática, muito usada na gastronomia italiana e na famosa piza margherita, é da família das Lamiáceas.

12 ervas aromáticas que dão (ainda) mais sabor aos seus pratos
12 ervas aromáticas que dão (ainda) mais sabor aos seus pratos
Ver artigo

Esta planta herbácea pode medir entre 30 a 50 centímetros de altura. As folhas do manjericão podem, consoante a variedade, ser verdes ou púrpuras. Podem ser espessas (com 2 a 7,5 centímetros de comprimento) ou finas (com 1 a 2 centímetros de espessura) e, habitualmente redondas, são muito aromáticas. As flores podem ser brancas ou cor de rosa e são hermafroditas. Na sua composição, as folhas contem óleo essencial com estragol e linalol, mas também flavonoides. Na cozinha, é utilizado em saladas, molhos de tomate, sopas, queijos, pratos com ovos e pizas. Também se extrai o óleo das suas folhas, que é usado para perfumaria e para outros fins aromáticos.

A utilização medicinal do manjericão é (re)conhecida. Para além de acalmar o sistema nervoso e de estimular o apetite, melhora o processo digestivo, combate os estados depressivos, protege dos radicais livres que oxidam o organismo, previne a diabetes e ainda desintoxica. Tem ainda o mérito de purificar o fígado e salvaguardar a flora intestinal, como também confirmaram vários estudos levados a cabo nas últimas décadas. Também diminui a oleosidade da epiderme.

As técnicas de cultivo para ter sempre manjericão à mão

No São João, é tradicional cada pessoa comprar um vaso de basílico para colocar na janela da cozinha e assim manter afastadas as moscas. O ciclo biológico desta planta é anual ou vivaz (em clima quente) e as variedades mais cultivadas diferem. Existem variedades de folha grande e pequena, verde ou roxa e flores vermelhas e roxas. As mais conhecidas são a Difforme, também conhecida como grande folha de alface, mas também a Napoletano, a Valentino e a Italian.

Reduza o consumo de sal com estas três plantas silvestres
Reduza o consumo de sal com estas três plantas silvestres
Ver artigo

Essas são variedades de folha verde e larga. A lista inclui ainda a Purple delight, a Italian Red, a Purpule Ruffles e grande violeta, variedades roxas. A Siam queen, a Cuban, a Bush Green e a alfavaca grega, variedades indicadas para varandas, de folha pequena, são outras a considerar. Em todas elas, a parte comestível são as folhas e as flores. No que se refere às condições ambientais, esta planta gosta de um solo húmido, rico em nutrientes e em matéria orgânica com bom escoamento de água. Os solos silíceo-argilosos e francos são os mais aconselhados para esta cultura. O pH ideal para o seu cultivo é de 6,4.

Temperada e temperada-quente são as zonas climáticas adequadas, sendo o manjericão nativo das regiões tropicais. As temperaturas ótimas situam-se entre os 15º C a 25º C. A mínimas não devem ultrapasar os 2º C negativos e as máximas os 40º C. A paragem do desenvolvimento ocorre aos 11º C, situando-se a temperatura de germinação ideal entre os 15º C e os 20º C. A exposição solar deve ser de semi-sombra ou pleno sol e a humidade relativa média a alta.

A altitude de cultivo não deve ultrapassar os 1.000 metros. Em termos de fertilização e adubação, deve usar estrume de peru e/ou de porco, terra vegetal e composto variado. O adubo verde recomendado é a faveira. As exigências nutritivas são de 1:1:1, azoto: fósforo: potássio. Antes de avançar para o cultivo de manjericão, comece pela preparação do solo. Para isso, deve lavrar e gradar o solo superficialmente (25 a 35 centímetros) e preparar canteiros elevados.

A melhor altura para iniciar a plantação

A sementeira deve ser feita no início da primavera, germinando ao fim de 8 a 10 dias. O tipo de sementeira deve ser feito por semente, direta ou em tabuleiros de sementeira, para depois transplantar. O manjericão germina em 10 a 12 dias, com a temperatura do solo maior que 10º C. A faculdade germinativa é de quatro anos, com uma profundidade entre 0,5 e 1 centímetros e com um compasso de 40 x 25 centímetros. A transplantação também tem normas a seguir.

Deve ser feita quando tiver cinco a seis folhas ou entre 10 a 15 centímetros de altura. Em termos de consociações, pode fazê-las com pimentos, tomates e beringelas para afastar os pulgões, moscas e mosquitos. No que se refere aos amanhos, as sachas e a monda de ervas são os métodos que deve privilegiar. Não menospreze o corte das flores para desenvolver mais as folhas nem o corte da planta aos 15 centímetros de altura para garantir uma segunda colheita.

É rico em potássio e em magnésio. Saiba a que é que o figo-da-índia faz bem
É rico em potássio e em magnésio. Saiba a que é que o figo-da-índia faz bem
Ver artigo

Em termos de regas, uma vez por semana em tempo quente é, por norma, o suficiente, sendo preferível para as hidratar, de acordo com as indicações dos produtores industriais desta popular e saborosa planta aromática, o sistema de irrigação gota a gota. Em termos de entomologia e patologia vegetal, as pragas mais comuns são os pulgões e mosca-branca. As doenças mais comuns a afetar esta planta são a podridão dos caules, causada por Botrytis, Phytium e Fusario. No que se refere a possíveis acidentes, o manjericão é sensível a geadas e a ventos fortes. As folhas do manjericão devem ser gradualmente colhidas antes da floração, idealmente assim que atinjam uma dimensão apreciável.

A colheita desta variedade inicia-se em julho e pode ir até outubro, sendo feita sempre depois das 12 horas. Essa é, pelo menos, a recomendação dos especialistas. Cada planta produz, em média, entre 750 gramas a 1,5 quilos de matéria fresca por ano. As folhas do manjericão, depois de colhidas, podem ser secas ou congeladas, mas perdem muito do seu aroma. À temperatura de 10 a 12º C e humidade relativa de 95%, conserva-se 8 dias. A secagem faz-se a 45 a 60º C.

Texto: Pedro Rau (engenheiro hortofrutícola)

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.