Originária da Europa e da Ásia, esta planta, perfeita para sopas, é cultivada e utilizada como alimento em quase todo o mundo. Pertence à família das crucíferas, às quais também pertencem os brócolos, couves, agrião, rábano e repolho. O efeito dos agriões, assim como do alho e dos brócolos como alimentos quimiopreventivos foi confirmado, inicialmente, num estudo publicado em 2008 no jornal de plantas medicinais Planta Médica.

Os compostos responsáveis por esta ação são os isotiocianatos. Um outro estudo, publicado no American Journal of Clinical Nutrition, concluiu que, em 60 pessoas, com 19 a 55 anos, o consumo diário de 85 gramas de agriões crus durante oito semanas diminuía em 17% o número de lesões oxidativas nos glóbulos brancos. Paralelamente, a luteína aumentava o plasma sanguíneo em 100% e o betacaroteno em 33%.

Princípios ativos

Os princípios ativos mais importantes são os isotiocianatos, constituintes fitoquímicos comuns em todas as plantas desta família, com uma forte ação anticancerígena. Contém também caroteno, luteína e vitamina C, com ação no sistema imunitário e no sistema circulatório, vitaminas do complexo B para tratamento de doenças do sistema nervoso e vários minerais, entre os quais o ferro, útil na formação de hemoglobina.

Principais propriedades

O agrião é indicado na quimioprevenção, prevenção do cancro através da ingestão regular de alimentos com propriedades anticancerígenas. Este alimento é ainda antianémico, aumentando a concentração de glóbulos vermelhos e hemoglobina. Muito apreciado e utilizado em Portugal, sobretudo em sopas e saladas, o agrião tem uma ação odontálgica, aliviando as dores de dentes de forma natural.

O agrião tem ainda um efeito remineralizante, sendo um alimento utilizado em casos de convalescença, na alimentação de desportistas e ainda na alimentação de crianças em crescimento. Este vegetal favorece ainda o crescimento do cabelo por aplicação interna e externa. Depurativo e diurético, pode ser usado como coadjuvante no tratamento da diabetes, como defendem muitos médicos e nutricionistas.

Os agriões são geralmente consumidos como alimento, sob a forma de saladas ou sopas. Mas também pode usufruir dos seus benefícios, através de um extrato fluido ou de xarope, à venda em estabelecimentos especializados. Se for o caso, pode dar entre duas a quatro colheres de sopa por dia em crianças, podendo a dose ser aumentada em adultos. Ainda assim, informe-se junto do seu médico para evitar uma sobredosagem.

Sugestões de remédios caseiros

Duas propostas saudáveis a que pode recorrer para tirar maior partido deste alimento:

- Sopa antioxidante

Uma receita muito popular em Portugal. Junte abóbora em vez de batata, cenoura, um pouco de salsa, azeite de linhaça e miso, soja fermentada com sabor salgado. Leve a cozer e triture tudo.

- Xarope de agrião

Triture 500 gramas de agrião com a varinha mágica até ficar reduzido a líquido. Coloque num frasco e junte o sumo de um limão e 250 miligramas de mel. Misture, conserve no frigorífico e tome uma colher duas vezes por dia.

Revisão científica: João Beles (naturopata)

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.