Uma investigação levada a cabo por especialistas das universidades de Columbia e de Harvard, nos EUA, publicada no British Medical Journal, defende que uma dieta alimentar sem glúten é nociva a quem não tem intolerância a esta substância. Uma proteína presente no trigo, centeio e cevada que, ao não ser bem digerida, pode causar uma resposta inflamatória. Pedro Carvalho considera que, de um modo geral, não há risco.

"Podemos não perder nada em diminuir a exposição ao glúten", opina o especialista. Para além do caso dos doentes celíacos, o nutricionista português, autor do livro "Os mitos que comemos", publicado pela editora Matéria-Prima, aconselha a sua exclusão numa série de casos. Estes são os que aponta:

- Sensibilidade ao glúten não celíaca

Outra forma de intolerância que tem como sintomas gases, desconforto abdominal, diarreia, dores de cabeça ou letargia.

- Síndrome do intestino irritável

Em estudos, indivíduos não celíacos mas com esta síndrome, quando expostos a uma dieta com glúten, reportaram mais sintomas.

- Patologias crónicas autoimunes

Um estudo demonstrou que doenças como a diabetes tipo I, psoríase e artrite reumatoide podem beneficiar de uma dieta sem glúten.

Texto: Catarina Caldeira Baguinho

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.