A Síndrome das Pernas Inquietas é uma doença crónica e progressiva com impacto importante na qualidade de vida dos doentes. Alguns doentes descrevem-na como uma espécie de "agonia nas pernas", "comichão nos ossos" ou "alfinetadas".

Também designada por doença de Willis-Ekbom, trata-se de um distúrbio neurológico do sono. "Apesar da elevada prevalência, esta síndrome permanece ainda sub-diagnosticada e sub-tratada" em Portugal, comenta Bruno Santos, médico pneumologista, num artigo de revisão científica publicado na "Acta Médica Portuguesa", a revista científica da Ordem dos Médicos.

Descalço ou com meias? Neurofisiologista tira as teimas sobre como ter uma boa noite de sono
Descalço ou com meias? Neurofisiologista tira as teimas sobre como ter uma boa noite de sono
Ver artigo

A incidência desta síndrome é incerta, com estudos a sugerir valores entre os 0,1% e os 15,3%. No entanto, essa prevalência tende a aumentar com a idade. Trata-se de uma condição crónica, que não se pode prevenir e para a qual não existe cura. É mais comum em mulheres grávidas, sobretudo nos últimos três meses de gravidez. Em alguns casos, os sintomas podem persistir depois do parto.

No entanto, esta doença é muitas vezes subdiagnosticada, frisa o referido especialista, que cita dados de um estudo realizado em França que estima que apenas 5% a 13% dos casos sejam detetados.

As causas da patologia

Existem dois tipos desta patologia, mas o mais comum é o primário, sem causa identificável e, provavelmente, com causa genética. Este tipo tende a ser crónico. Com o passar do tempo os sintomas pioram e tornam-se mais frequentes. O tipo secundário é causado por outra doença ou por alguns medicamentos e, geralmente, os sintomas desaparecem com o tempo.

As causas mais comuns desta síndrome são a gravidez, a insuficiência renal terminal e a anemia por carência de ferro. Outras doenças que se associam a esta síndrome são a diabetes, a doença de Parkinson e artrite reumatoide. Por outro lado, existem fatores agravantes, como o álcool, a nicotina, o café e alguns medicamentos, como os antipsicóticos, antidepressivos e alguns anti-histamínicos, frisa o médico Bruno Santos.

10 coisas que as pessoas muito saudáveis fazem antes de dormir
10 coisas que as pessoas muito saudáveis fazem antes de dormir
Ver artigo

Os sintomas pioram durante noite, com movimentos involuntários dos pés, dedos e pernas. Essa inquietação pode ser falsamente interpretada como nervosismo. Cerca de 80% das pessoas com esta síndrome apresentam movimentos periódicos dos membros durante o sono que tendem a ocorrer a cada 20 ou 30 segundos durante a noite, afetando a qualidade do sono. Por isso, os doentes sentem-se mais cansados e sonolentos durante o dia, com maior irritabilidade, problemas de concentração e memória, mais exposição ao stress e sintomas de depressão.

Boa higiene do sono

Quem tem esta doença deve tentar fazer uma boa higiene do sono - encontrar o melhor horário para dormir e tentar mantê-lo todos os dias, dormindo o mesmo número de horas. Deve, também, ter atividade física regular, fazer massagens e banhos quentes, evitar estimulantes como a cafeína, tabaco e álcool bem como o uso de medicamentos que agravam os sintomas.

Apesar desta doença não ter cura, existem diversos medicamentos que podem ser úteis no tratamento, nomeadamente na diminuição dos sintomas. A sua seleção deverá ser sempre feita pelo médico, em função de cada caso.

"Algumas das classes de medicamentos com interesse são os agentes dopaminérgicos, os opioides, os anticonvulsivantes e as benziodiazepinas", enumera Bruno Santos na supracitada revisão científica.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.