Uma equipa de investigadores desvendou a função de uma sequência de ARN (ácido ribonucleico) não-codificante, cuja função é fundamental para a divisão da célula.

Os investigadores do grupo de Citogenómica e Genómica Animal (CAG), liderado pela Investigadora Raquel Chaves, da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), pertencente ao Instituto de Biossistemas e Ciências Integrativas (BioISI), desenvolveram este trabalho com vista a descobrir a função do ARN não-codificante FA-SAT em células humanas e de gato.

Estes são os sintomas de cancro mais ignorados pelos portugueses
Estes são os sintomas de cancro mais ignorados pelos portugueses
Ver artigo

Os resultados do estudo foram já publicados na revista cientifica Cellular and Molecular Life Sciences. O trabalho teve ainda a colaboração do grupo do Centro de Neurociências da Universidade de Coimbra, liderado pelo investigador Bruno Manadas.

Este estudo demonstrou que o RNA não-codificante FA-SAT "interage com a proteína PKM2 (Piruvato Cinase M2), que desempenha diferentes funções, nomeadamente na multiplicação celular e cuja desregulação está associada ao cancro", salienta Daniela Ferreira uma das investigadoras deste grupo.

Tendo em conta que a interrupção do complexo FA-SAT/PKM2 provoca a morte celular, a importância desta descoberta torna-se ainda mais relevante quando se entende que a “morte celular programada perspetiva um avanço molecular para a terapia dirigida no cancro”, esclarece a investigadora.

Esta equipa, que investiga há muitos anos estas sequências, descobriu não só que o FA-SAT (originalmente identificado no gato) estava “presente e conservado no Homem, no rato e até na mosca da fruta”, mas também, explica Raquel Chaves, que “esta sequência, nestas espécies, era expressa num RNA não-codificante”.

8 alimentos que reduzem o risco de AVC
8 alimentos que reduzem o risco de AVC
Ver artigo

A fração codificante do ADN (ADN que é expresso em ARN e que codifica proteínas) está muito conservado entre diferentes espécies devido às importantes funções que desempenha dentro das células (representa cerca de 2% do ADN total).

Já o ADN não-codificante (que não dá origem a proteínas) tem sido considerado como "junk" (lixo) durante muitos anos, no qual se inserem as sequências repetidas de ADN, e que normalmente diferem entre as espécies, representando uma elevada fração do ADN (em alguns casos cerca de 50%).

Recentemente, novos trabalhos publicados têm provado que estas sequências são expressas sob a forma de ARNs não-codificantes (ARNs que não codificam proteínas), com importantes funções em diferentes processos celulares, nomeadamente em contexto de doenças como o cancro.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.