"Cerca 21,2% da população tem níveis abaixo dos 10 nanogramas por mililitro (ng/ml), que corresponde a um risco de deficiência grave, de acordo com as classificações da Sociedade de Endocrinologia", diz a reumatologista Cátia Duarte.

Vitamina D

A vitamina D é uma vitamina que contribui para o desenvolvimento, crescimento e manutenção do equilíbrio de uma multiplicidade de órgãos e funções do corpo humano, que vão desde o período de gestação até ao fim da vida.

Segundo o estudo "A carência de Vitamina D em Portugal", "apenas 3,6% da população tem níveis considerados normais, com níveis superiores a 30 ng/ml". As conclusões apontam para que mais de 60% da população tenha "uma elevada prevalência de deficiência ou, pelo menos, de níveis inadequados de vitamina D", com valores abaixo dos 20 ng/ml.

O estudo, realizado entre 2011 e 2013 pela Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra em colaboração com a Nova Medical School, obteve amostras de 3.092 indivíduos com mais de 18 anos.

A vitamina D é obtida principalmente através da exposição solar, a partir da síntese cutânea, mas também pela ingestão de determinados alimentos.

12 conselhos médicos para tirar partido do sol sem riscos
12 conselhos médicos para tirar partido do sol sem riscos
Ver artigo

"A população com mais idade, a partir de 70 anos e, sobretudo, com mais de 75 anos, tem uma maior carência de vitamina D quando comparado com adulto jovem, entre os 18 e os 29 anos, com um aumento de risco de quase seis vezes de carência de vitamina D, ou seja muito abaixo dos 10 ng/ml", disse Cátia Duarte.

Fatores de risco

De acordo com a especialista, a inatividade física, a obesidade e o tabagismo são fatores de risco que contribuem para uma maior carência de vitamina D. "A mudança de estilos de vida é um passo importante", explicou. Nos grupos de risco "em que não é possível a modificação dos fatores de risco, a suplementação poderá ser indicada, embora no idoso já esteja contemplada pela Direção-Geral de Saúde".

Além dos efeitos nefastos ao nível ósseo, "bem documentada no raquitismo da criança", a falta de vitamina D na população adulta jovem e mais idosa está a associada a diversas comorbilidades, "nomeadamente doença cardiovascular, a diabetes e maior associação a algumas neoplasias e doenças autoimunes".

"São estudos essencialmente transversais que não permitem estabelecer uma causalidade, mas há uma grande ligação entre a deficiência de vitamina D e o aparecimento destas doenças e que podem ter efeitos ao nível de vários órgãos e sistemas, obviamente dependendo do nível de carência que tenhamos", referiu.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.