Cientistas norte-americanos, da Universidade de Boston, concluíram que quem dorme regularmente mais do que nove horas por noite tem duas vezes mais probabilidade de desenvolver demência.

O estudo não estabelece uma razão de causa-efeito, é apenas uma conclusão com base em dados estatísticos.

Em 2025 a Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que os número de pessoas com 65 anos com algum tipo de demência, nomeadamente Alzheimer, superará os 10 milhões.

De acordo com os investigadores do referido estudo, a população com maior risco de demência dorme mais de nove horas por dia e não tem o ensino secundário: neste grupo de pessoas o risco aumenta seis vezes.

A investigação, que se baseou em dados de mais de dois milhares de pessoas, conclui ainda que o excesso de horas de sono está associada a uma redução do volume do cérebro.

Matthew Pase, professor do Centro Médico da Universidade de Boston e principal autor do estudo, diz que "ir medindo a duração do sono pode ser uma ferramenta útil para prever o risco de cada pessoa de vir a desenvolver demência num prazo de dez anos", cita o Telegraph.

Estes são os 10 principais sinais de alarme do Alzheimer

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.