Uma empresa da indústria agroalimentar fez uma descarga de concentrado de tomate que poluiu a ribeira da Asseca, Santarém, tendo sido feita uma participação de crime ao Ministério Público, revelou a Agência Portuguesa do Ambiente.

A descarga foi feita diretamente para aquela ribeira, afluente do rio Tejo, e provocou a morte de peixes, removidos pela autarquia de Santarém em articulação com aquela agência.

10 coisas que já devia ter deitado fora
10 coisas que já devia ter deitado fora
Ver artigo

Não foi especificada a quantidade de peixes removidos "para destino adequado".

A origem da descarga poluente foi detetada numa empresa da indústria agroalimentar de processamento de tomate.

Inspeção após denúncia

A inspeção foi feita esta semana no seguimento de uma denúncia e confirmou "a degradação da qualidade da água e a morte de peixes naquele afluente do Tejo".

A empresa recebeu ainda um mandado para, no prazo de cinco dias, "implementar um sistema de retenção de emergência que possa rececionar, em caso de acidente, eventuais descargas".

Crime já participado

A Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território (IGAMAOT) participou o crime de poluição ao Ministério Público.

Em comunicado, a IGAMAOT afirma que a participação aconteceu no seguimento de uma inspeção feita na terça e na quarta-feira à ribeira da Asseca, depois de uma denúncia de uma descarga ocorrida no domingo e que provocou a morte de peixes.

A IGAMAOT afirma que a inspeção realizada “confirmou a degradação da qualidade da água e a morte de peixes naquele afluente do Tejo” e que “a descarga poluente foi realizada por uma empresa da indústria agroalimentar de processamento de tomate”.

Segundo a nota, os inspetores confirmaram que “na origem deste episódio esteve a descarga de matéria-prima não processada (concentrado de tomate) diretamente para a ribeira da Asseca”.

A indústria em causa foi alvo de uma inspeção por parte da equipa de inspetores da IGAMAOT, acompanhada por elementos da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), da qual resultou a emissão de um mandado para, “no prazo de cinco dias, o operador implementar um sistema de retenção de emergência que possa rececionar, em caso de acidente, eventuais descargas”.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.