Em declarações à Lusa, o capitão dos Portos do Douro e Leixões, Cruz Martins, explicou que o objetivo é evitar “aglomerados de pessoas” nos areais. “O que queremos evitar é que as pessoas, dado o bom tempo, se juntem nos areais. É importante seguirem as recomendações e ficarem em casa”, disse.

O comandante sublinhou que estas medidas de contenção de propagação do novo coronavirus são “essenciais”, apelando à colaboração e compreensão de todos. Neste momento, acrescentou, é importante reduzir os contactos ao mínimo. 

Recomendações da DGS

A DGS acompanha a situação da expansão do novo coronavírus e recomenda:

  • Em Portugal, caso apresente sintomas de doença respiratória e tenha viajado de uma área afetada pelo novo coronavírus, as autoridades aconselham a que contacte a Saúde 24 (808 24 24 24). Caso se dirija a uma unidade de saúde deve informar de imediato o segurança ou o administrativo.
  • Evitar o contacto próximo com pessoas que sofram de infeções respiratórias agudas; evitar o contacto próximo com quem tem febre ou tosse;
  • Lavar frequentemente as mãos, especialmente após contacto direto com pessoas doentes, com detergente, sabão ou soluções à base de álcool;
  • Lavar as mãos sempre que se assoar, espirrar ou tossir;
  • Evitar o contacto direito com animais vivos em mercados de áreas afetadas por surtos;
  • Adotar medidas de etiqueta respiratória: tapar o nariz e boca quando espirrar ou tossir (com lenço de papel ou com o braço, nunca com as mãos; deitar o lenço de papel no lixo);
  • Evitar o consumo de produtos de animais crus, sobretudo carne e ovos;
  • Seguir as recomendações das autoridades de saúde do país onde se encontra.

Cruz Martins garantiu que a capitania vai acompanhando “de perto” a situação e que as medidas vão sendo adaptadas consoante a sua evolução.

A Câmara Municipal de Matosinhos também avançou, em comunicado, que todas as praias do concelho estão interditadas à prática balnear, bem como a todos os desportos náuticos até 31 de março.

A autarquia avança que decidiu proceder à comunicação desta medida à Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo, bem como à Agência Portuguesa do Ambiente, Polícia Marítima e Polícia Municipal.

“Esta medida será reavaliada antes do fim do período definido”, ou seja, antes de 31 de março, refere a nota enviada à agência Lusa pela autarquia matosinhense.

Na quinta-feira a Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia já tinha anunciado medida igual sobre as praias do concelho.

Em comunicado, a Câmara de Gaia, avançou que determinou “a interdição das praias fluviais e marítimas”, decisão que foi comunicada às respetivas entidades, nomeadamente Polícia Marítima e Polícia Municipal.

Já hoje, a Federação Portuguesa de Nadadores-Salvadores (FEPONS) desaconselhou a ida às praias para evitar a propagação do novo coronavírus e um maior risco de afogamentos.

Uma fonte da direção da FEPONS indicou à agência Lusa que, neste momento, há uma preocupação acrescida relativamente aos afogamentos nas praias e recomenda que as pessoas não se aproximem da água, especialmente porque “a ondulação e as correntes marítimas estão fortes”.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde comunicou hoje que o número de pessoas infetadas subiu para 112.

O surto de COVID-19 foi detetado em dezembro, na China, e já provocou mais de 5.000 mortos em todo o mundo. A Organização Mundial de Saúde (OMS) decretou pandemia na quarta-feira. O número de infetados ultrapassou as 135 mil pessoas, com casos registados em cerca de 120 países e territórios.

Portugal ordenou o encerramento de todas as escolas a partir de segunda-feira, bem como outras medidas. Esta semana já tinha sido anunciado a suspensão de todos os voos de e para Itália.

DGS fez na quinta-feira novas recomendações à população.

Face ao avanço da pandemia, vários países têm adotado medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena inicialmente decretado pela China na zona do surto. Vários países na Europa, como Itália, Noruega, Irlanda, Dinamarca, Lituânia, França e Alemanha, encerram total ou parcialmente escolas, universidades, jardins-de-infância e outras instituições de ensino.

Nos últimos dias, Itália tornou-se o caso mais grave de epidemia fora da China e o Governo em Roma decidiu na segunda-feira alargar a quarentena, imposta inicialmente no norte do país, a todo o território italiano.

Na quarta-feira, as autoridades italianas voltaram a decretar medidas de contenção adicionais e ordenaram o encerramento de todos os estabelecimentos comerciais à exceção dos de primeira necessidade, como supermercados ou farmácias.

Acompanhe aqui, ao minuto, todas as informações sobre o novo coronavírus em Portugal e no mundo.

Coronavírus: qual a origem?

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.