Itália ultrapassa as 24 mil vítimas mortais e atinge menor aumento de infeções do último mês

O número de pessoas doentes com a COVID-19 em Itália desceu pela primeira vez, anunciaram hoje as autoridades italianas, precisando que os casos de infeção positivos e ativos neste momento são 108.237, menos 20 em comparação com domingo.

“É a primeira vez, é um desenvolvimento positivo”, declarou o chefe da Proteção Civil italiana, Angelo Borrelli, na conferência de imprensa diária daquele organismo.

Morreram 454 pessoas com COVID-19 em 24 horas em Itália. São agora 24.114 o total de vítimas mortais provocadas pela doença. No último dia, registaram-se mais 2.256 casos de infeção, o aumento mais pequeno do último mês. No total, Itália já contabilizou 181.228 infeções pelo coronavírus SARS-CoV-2.

Quanto aos recuperados, são agora 48.877. Existem ainda 2.573 pessoas em unidades de cuidados intensivos.

A região da Lombardia continua a ser a mais afetada do país, com um total de 12.376 óbitos e 66.971 casos confirmados.

Merkel pede prudência e disciplina face ao alívio de restrições

A chanceler alemã alertou hoje que um novo aumento de infeções por coronavírus tornará "inevitável" voltar a impor uma paralisação do país, pedindo à população prudência e disciplina face ao alívio de algumas restrições que hoje entrou em vigor. “Seria uma pena que houvesse uma recaída, que tivéssemos de fazer marcha atrás”, disse Angela Merkel em conferência de imprensa.

Merkel frisou que ninguém deve “perder de vista por um segundo” que o mundo está “no princípio da pandemia” e que “falta muito” para superar a crise. “Este é um tempo sem precedentes desde a II Guerra Mundial, pode ser um erro avançar demasiado rápido”, disse, acrescentando que essa é a sua “grande preocupação”.

A Alemanha levantou hoje as restrições a algumas atividades, permitindo a reabertura de algumas lojas e de bibliotecas, arquivos e museus, mas mantém fechados restaurantes, bares e ‘pubs’ e proibidas as celebrações religiosas e eventos públicos.

A chanceler alemã, Angela Merkel, apelou também ao Governo chinês para ser transparente relativamente "à génese" do novo coronavírus, depois de França, Reino Unido e Estados Unidos terem manifestado suspeitas quanto à informação disponibilizada pela China.

Com cerca de 83 milhões de habitantes, a Alemanha contabiliza 141.672 casos de infeção pelo novo coronavírus, 4.404 mortes associadas à COVID-19 e 91.500 casos considerados curados, segundo dados oficiais de hoje que consolidam a estabilização do surto no país.

Áustria identifica 155 medicamentos e 79 potenciais vacinas contra novo coronavírus

A autoridade sanitária da Áustria, um dos países europeus com melhor gestão da pandemia de COVID-19 até ao momento, identificou a nível global 155 potenciais medicamentos e 79 possíveis vacinas contra o novo coronavírus, anunciou hoje a entidade.

No que toca aos medicamentos que estão a ser desenvolvidos, a maior parte já foram aprovados para combater outro tipo de infeções, mas são precisas “evidências claras” que resultem contra o novo coronavírus, realçou o Instituto Austríaco para Análises de Tecnologia Sanitária.

Já as 79 vacinas “candidatas” ainda estão todas em fase de desenvolvimento, assinalou, revelando que identificou 11 medicamentos e oito vacinas mais “avançados e prometedores” para serem usados no combate da doença.

A Áustria, que se encontra desde a semana passada na fase de alívio das medidas de confinamento, registou até ao momento 14.700 infeções e 470 mortos associadas à COVID-19.

Reino Unido regista mais 449 mortos num dia e soma total de 16.509

O número de óbitos no Reino Unido durante a pandemia COVID-19 subiu para 16.509 após ter sido registada a morte de mais 449 pessoas infetadas nas últimas 24 horas, informou hoje o Ministério da Saúde britânico.

O número total de casos de contágio é agora de 124.743, mais 4.676 do que no dia anterior, referiu. No domingo, tinham sido registadas mais 596 mortes e 5.850 novos casos de pessoas infetadas relativamente ao dia anterior. Os números das mortes são compilados a partir de dados das direções regionais de Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte e referem-se a óbitos registados até às 17:00 da véspera apenas em hospitais.

Na conferência de imprensa diária do Governo sobre a crise, no domingo, a sub-Diretora Geral da Saúde, Jenny Harries, recusou dizer se o Reino Unido já tinha ultrapassado o pico da curva epidemiológica, mas admitiu que “as coisas estão a ir na direção certa".

França com mais de 20 mil mortos. Agência de saúde francesa sem evidência de que animais domésticos contaminem donos

França ultrapassou hoje as 20 mil vítimas mortais por COVID-19. Morreram até agora 20.265 pessoas, a maioria em hospitais (12513) e as restantes (7.752) em lares.

Os novos estudos feitos pela agência de saúde francesa (ANSES) ainda não detetaram "nenhuma evidência" sobre a possibilidade de os animais de estimação infetados com o novo coronavírus contaminarem os seres humanos, anunciou hoje a entidade.

A ANSES destacou que os casos de infeção de animais domésticos "permanecem esporádicos e isolados, devido à forte circulação do vírus no homem", revelando que as primeiras experiências realizadas em animais mostram que os cães são "pouco recetivos" à covid-19.

Porém, os investigadores consideram ser provável que os gatos, principalmente os jovens, sejam contaminados, bem como furões e hamsters, que também desenvolvem sinais clínicos ao serem experimentalmente infetados.

Ainda assim, "nenhum caso de contaminação humana por animal de estimação foi relatado até ao momento", e atualmente não há nenhuma evidência científica sobre a capacidade de transmissão do SARS-CoV-2 de um animal doméstico para o seu dono, realçou a ANSES, que no início de março já tinha divulgado o mesmo tipo de conclusão.

Dinamarca reabre cabeleireiros, dentistas e pequenas empresas

A Dinamarca, segundo país da Europa a anunciar, há duas semanas, o alívio progressivo das restrições impostas para conter a propagação do coronavírus, reabriu hoje cabeleireiros, estúdios de tatuagem, escolas de condução, clínicas de fisioterapia e dentistas.

As empresas agora autorizadas a reabrir estavam encerradas há cinco semanas, no âmbito das medidas decretadas para travar o contágio do novo coronavírus.

Para reabrirem portas, as empresas estão obrigadas a assegurar que cada cliente desinfeta as mãos à entrada e veste uma capa de proteção de utilização única e que as superfícies e materiais são desinfetados entre cada cliente.

A decisão foi anunciada na sexta-feira pela primeira-ministra dinamarquesa, Mette Frederikssen, após a conclusão de um acordo entre todos os partidos representados no parlamento.

O acordo prevê ainda a reabertura, a partir de 27 de abril, dos tribunais e serviços públicos relacionados com o apoio às famílias e a adoção.

Noruega reabre creches após mais de um mês de encerramento por causa da COVID-19

A Noruega, onde a epidemia do novo coronavírus parece estar mais controlada, reabriu esta segunda-feira as creches e pré-escolas, um primeiro passo na lenta e progressiva suspensão das restrições no país escandinavo.

A reabertura, que acaba com cinco semanas de confinamento parcial para as crianças, foi justificada por questões de saúde - as crianças parecem que não são tão afetadas pela COVID-19, escreve a agência de notícias France Presse - e deve facilitar o retorno ao trabalho dos pais.

Mas alguns responsáveis expressaram receio e apresentaram no Facebook a campanha "Meu filho não deve ser uma cobaia da COVID-19", assim como uma petição online que já reuniu mais de 28.000 assinaturas. "Não há perigo em frequentar a creche", retorquiu a ministra da Educação, Guri Melby.

A reabertura dos estabelecimentos acontece com uma série de precauções, pois as crianças com menos de três anos devem ficar sob a responsabilidade de um adulto em grupos de três, enquanto aquelas de três a seis anos devem permanecer em grupos de seis, sem contacto com outros grupos.

Espanha regista mais 399 mortos por COVID-19

Espanha registou, em 24 horas, 399 mortes por COVID-19. Já morreram 20.852 pessoas neste país. Os números foram divulgados hoje pelo Ministério da Saúde em Madrid.

De acordo com o Ministério da Saúde de Espanha, registaram-se 4.266 novos infetados pelo vírus SARS-CoV-2 em 24 horas, uma subida de 2,2% relativamente a domingo. No total, 200.210 pessoas contraíram a infeção.

Espanha registou, em 24 horas, mais 399 mortes por COVID-19, elevando o total de óbitos no país para 20.852. Ao todo 80.587 pessoas são consideradas curadas da infeção.

Portugal regista 735 mortos e 20.863 infetados por COVID-19

Portugal regista hoje 735 mortos associados à covid-19, mais 21 do que no domingo, e 20.863 infetados (mais 657), indica o boletim epidemiológico divulgado hoje pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Comparando com os dados de domingo, em que se registavam 714 mortos, hoje constatou-se um aumento percentual de 2,9%.

Relativamente ao número de casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus, os dados da DGS revelam que há mais 657 casos do que no domingo, representando uma subida de 3,3%.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.