ruxolitinib, um medicamento usado nas doenças do sangue, e o tofacitinib, para a artrite reumatóide, inibem certas enzimas dos folículos capilares e estimulam-nos a produzir cabelo, revela um estudo publicado na revista científica Science Advances.

Os cientistas administraram doses destes fármacos em camundongos. Os compostos fazem com que a família de enzimas Janus kinase, ou JAK, sejam bloqueadas, possibilitando o nascimento do pêlo.

Foram alcançados ainda melhores resultados quando as drogas foram aplicadas diretamente na pele.

"Não existem muitos compostos que possam estimular o ciclo de crescimento dos folículos capilares tão depressa. Alguns agentes tópicos induzem tufos de cabelo aqui e ali semanas depois, mas poucos compostos têm um efeito rápido tão potente", comentou a principal autora da investigação Angela M. Christiano.

Os cientistas negam, contudo, ter encontrado uma cura. Os folículos capilares passam por alturas de atividade e de dormência e não se sabe se estas drogas atuam nesses períodos.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.