A doença de Lyme é provocada pela Borrelia, uma bactéria transmitida através da mordida da carraça e que é pouco valorizada em Portugal. A primavera-verão é a altura mais propensa para ser atacado por este parasita que quando instalado no corpo humano pode provocar problemas do sistema nervoso central semelhantes à artrite reumatóide ou fibromialgia.

A bactéria Borrelia é transmitida através da mordida das carraças e os javalis, assim como outros animais selvagens, podem estar cheios delas.

As doenças mais perigosas transmitidas pelos animais
As doenças mais perigosas transmitidas pelos animais
Ver artigo

Houve cinco casos de transmissão da doença em Portugal em 2014, segundo o Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) e 360 mil na Europa nos últimos 20 anos. Estima-se que ocorram cerca de 65 000 casos anualmente em solo europeu. Os países com maiores incidências reportadas localizam-se na Europa Central, com um gradiente decrescente para oeste e para sul.

As áreas com maior risco para a transmissão da doença são tipicamente florestas e matas, com elevado grau de humidade. Nos últimos anos tem-se assistido ao aumento da sua incidência e à expansão geográfica da sua distribuição na Europa.

Em Portugal, apesar da escassez de dados epidemiológicos, alguns trabalhos sugerem uma crescente importância desta patologia, em particular nas regiões norte e centro do país. A doença passou a ser de notificação obrigatória em Portugal em 2015.

A doença de Lyme é uma patologia multissistémica, crónica, com importantes manifestações clínicas do foro dermatológico.1 É causada pela infeção por espiroquetas do complexo Borrelia burgdorefi sensu lato, transmitidas pela mordedura de carraça, pertencente ao género Ixodes. 1
A doença de Lyme é uma patologia multissistémica, crónica, com importantes manifestações clínicas do foro dermatológico. É causada pela infeção por espiroquetas do complexo Borrelia "burgdorefi sensu lato", transmitidas pela mordedura de carraça, pertencente ao género "Ixodes"

O aumento dos movimentos migratórios e das viagens a áreas endémicas poderá também contribuir para o crescimento do número de casos de doença de Lyme em território nacional.

As carraças podem libertar-se do seu hospedeiro (especialmente se este tiver sido morto) e procurar um hospedeiro novo, onde se esconde em sítios difíceis de encontrar. "Durante a caça ao javali, assim que o animal é morto, a carraça procura imediatamente um novo hospedeiro", explica em comunicado de imprensa Maria das Neves Paiva Cardoso, investigadora no Centro de Investigação e de Tecnologias Agroambientais e Biológicas (CITAB), na Universidade de Trás-os-Montes.

Sintomas e prevenção

A maioria dos indivíduos infetados pela Borrelia recorre à consulta de Dermatologia após uma mordedura de carraça ou com lesões compatíveis com eritema migrans.

Outras manifestações cutâneas da doença de Lyme, como o linfocitoma borreliano e a acrodermatite crónica atrófica, são raras e pouco observadas na prática clínica. Perante uma mordedura de carraça deve ser efetuada a sua remoção e vigilância clínica por um período de 30 dias, não estando recomendada a utilização de terapêutica profilática em países europeus.

A promoção de medidas preventivas como a utilização de vestuário adequado em áreas endémicas é fundamental. O diagnóstico de eritema migrans é clínico e a terapêutica antibiótica de primeira linha é doxicilina, verificando-se taxas de eficácia elevadas.

Nas formas de apresentação cutânea mais raras, os estudos serológicos são essenciais para o diagnóstico e o exame histopatológico tem um papel importante. A terapêutica precoce está associada a uma melhoria clínica mais rápida e significativa, com menos sequelas a longo prazo.

Se a carraça for descoberta no prazo máximo de 24 horas depois de se alojar no ser humano, a probabilidade de ficar infetado com a bactéria é baixa. Porém, se esse hiato ultrapassar as 36 horas o risco aumenta.

As raças de cães mais amigas da família
As raças de cães mais amigas da família
Ver artigo

Perante uma potencial exposição, devem ser utilizadas estratégias preventivas como o recurso a calçado protetor e a vestuário de cor clara, que cubra toda a superfície corporal, e à utilização de repelentes de carraças, aplicados na pele e vestuário. Ao final do dia, deve ser analisada toda a superfície corporal, sem esquecer o couro cabeludo, e efetuada rápida remoção de carraças identificadas

Usar as meias por fora das calças, aplicar repelente, manusear os animais mortos com luvas, verificar se tem carraças no corpo quando se chega a casa, são as recomendações para os caçadores e outras pessoas que trabalham ou efetuam atividades de lazer ao ar livre em espaços agroflorestais.

Para que a transmissão da infeção ocorra, a carraça deve alimentar-se na superfície corporal por um período mínimo de 24 horas, estando demonstrado que 96% dos indivíduos que identificam e removem precocemente a carraça da superfície corporal não são infetados, mesmo em áreas de elevada endemicidade.

Os cães devem estar desparasitados e usar coleiras contra as carraças. Mas há que considerar também locais onde os animais podem deixar as carraças. "Os caçadores transportam o javali dentro do carro que, muitas vezes, é a viatura da família. As carraças vão ficar no jipe e podem lá sobreviver durante vários meses", refere Maria das Neves Paiva Cardoso.

Os sintomas podem surgir em poucos dias ou décadas depois, já que a bactéria pode estar inativa no organismo do homem vários anos. Assim que se começam a expressar - geralmente por fragilização do sistema imunitário - podem provocar doenças do sistema nervoso central.

Os primeiros sintomas são manchas vermelhas no local da picada que vão aumentando ao longo do tempo (eritema migrans) e que podem chegar aos 30 centímetros, cansaço, febre ou dor de cabeça. Outros sintomas são mal-estar geral, rigidez da nuca, mialgias, artralgias migratórias e linfadenopatia.

22 doenças muito estranhas
22 doenças muito estranhas
Ver artigo

Outras manifestações tardias são poliartrite com preferência pelas grandes articulações, artrite crónica, meningite asséptica, nevrite craniana, encefalomielite, meningoencefalite, radiculopatias (radiculoneuropatia), bloqueio auriculoventricular, miocardite.

Se o problema não for detetado, a doença pode evoluir e provocar problemas nos músculos faciais, inflamação na medula espinal, dores e inchaço nas articulações e manchas em outras partes do corpo. O não-tratamento da doença leva ao desenvolvimento de artrite e problemas graves no sistema nervoso central.

A doença geralmente tem cura, através da toma de antibióticos, mas alguns sintomas, como dor nas articulações, podem persistir.

Bibliografia: Revista SPDV 76(2) 2018; Doença de Lyme: Epidemiologia e Manifestações Clínicas Cutâneas; Pedro Miguel Garrido, João Borges-Costa. 

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.