Se a geração do "baby boom" - nascida entre 1958 e 1975 - sabia que se poderia reformar onde tinha começado a trabalhar, os millennials - que nasceram entre os anos 80 e meados dos anos 90 do século passado - não temem a mobilidade, especialmente se isso lhes puder trazer melhores condições de vida e de trabalho.

Um dos grupos profissionais em que isso é demonstrado é o dos médicos. Segundo a Organização Médica Espanhola (OMC), citada pelo diário El Mundo, entre 1 de janeiro e 1 de julho de 2019, foram emitidos 2.540 certificados de aptidão para trabalhar no estrangeiro, correspondendo a pedidos de 1.671 médicos.

As frases mais ridículas ouvidas pelos médicos
As frases mais ridículas ouvidas pelos médicos
Ver artigo

O número representa um aumento de 20% face ao mesmo período do ano anterior, quando foram fornecidas 2.115 autorizações. Em Portugal, ainda não são conhecidos os números deste ano referentes aos pedidos à Ordem dos Médicos para trabalhar no estrangeiro.

A distinção entre os sexos não é significativa e a maioria dos médicos espanhóis parte para o Reino Unido ou França, sendo as especialidades onde estas licenças são mais solicitadas a Medicina Geral e Familiar, a Anestesiologia e a Pediatria.

Um dos dados que mais chama a atenção nestas estatísticas é que a maioria dos pedidos de trabalho é liderada por médicos com menos de 35 anos (um total de 456), seguida pelo corte de idades entre os 35 e os 50 anos (406).

Em Espanha, escreve o referido jornal, esta é uma tendência que se regista há algum tempo e cujos motivos estão diretamente relacionados com as condições de trabalho dos profissionais, segundo organizações como a União Médica da Comunidade Valenciana CESM-CV, que extrapolam a situação para o resto de Espanha.

Em Portugal

A emigração de médicos, sobretudo dos recém-especialistas, não é novidade em Portugal. Este fenómeno que à semelhança de outras profissões é muitas vezes chamado de Brain Drain, ou fuga de cérebros, voltou a aumentar em 2018 depois de ter descido desde o início da atual legislatura e ameaça, nos próximos anos, assumir a mesma dimensão que teve nos anos da crise económica. Em meio ano, saíram quase tantos médicos do país como em todo o ano de 2017: a maioria dos casos diz respeito a jovens profissionais sem lugar para internato, que procuram tirar uma especialidade no estrangeiro.

10 conselhos de um médico para ter uma saúde de ferro
10 conselhos de um médico para ter uma saúde de ferro
Ver artigo

Já outros dados da Ordem dos Médicos não deixam margem para dúvidas: 63% dos 130 médicos que até 30 de junho de 2018 pediram a declaração para trabalhar no estrangeiro (em todo o ano passado foram 182 e em 2016 foram 198) não estão inscritos em qualquer especialidade; e 60% do total têm entre 25 e 34 anos.

Já o estudo "A carreira médica e os factores determinantes da saída do SNS", realizado em 2018, mostrou que mais de dois terços dos médicos portugueses mostraram-se insatisfeitos ou muito insatisfeitos com o SNS. O único aspeto em que a maior parte dos 2283 médicos dos três grupos que responderam ao questionário online se mostram globalmente satisfeitos é no relacionamento com os colegas.

Oportunidades aliciantes

A somar à insatisfação dos profissionais, não faltam oportunidades aliciantes no estrangeiro. Uma agência de recrutamento profissional da Irlanda anunciou em março deste ano que estava interessada em recrutar médicos de Medicina Geral e Familiar portugueses, oferecendo-lhes um salário bruto de 2.750 euros por semana, o que se traduz em mais de 11 mil euros brutos mensais. A oferta fez manchetes nos jornais nacionais na mesma altura em que a Galiza abriu um concurso destinado a médicos portugueses com ofertas salariais superiores às proporcionadas pelo Estado português.

Nem pense em guardar estes 10 alimentos no frigorífico
Nem pense em guardar estes 10 alimentos no frigorífico
Ver artigo

Em Portugal, um médico em início de carreira recebe cerca de 28 mil euros brutos por ano, o correspondente a dois mil euros por mês.

A Ordem dos Médicos já se mostrou preocupada com a eventual emigração de clínicos numa altura em que Portugal tem quase meio milhão de portugueses sem médico de família. A região de Lisboa e Vale do Tejo é a mais afetada. "Isto é absolutamente lamentável e, nesse tipo de condições, é difícil que depois não haja falta de pediatras, médicos de família, anestesiologistas, dermatologistas e por aí adiante", disse em março a propósito deste tema o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.