Macau foi apontado como o bom exemplo no combate à propagação do surto de COVID-19. A Região Administrativa Especial chinesa declarou estado de emergência, fechou fronteiras e decretou quarentena obrigatória durante o mês de fevereiro, após o surgimento dos primeiros casos. “No dia seguinte, já não se via ninguém nas ruas”, conta ao SAPO Lifestyle, Amélia António, residente há 37 anos e diretora da Casa de Portugal em Macau.

“A China tomou medidas drásticas, foi extremamente rigorosa no isolamento. É para fechar, fecha-se tudo de um dia para o outro”, afirma Amélia António, destacando como a população acatou, desde o primeiro momento, as indicações das autoridades.

Enquanto o novo coronavírus continuava a espalhar-se pelo mundo, Macau fechou as fronteiras e decretou quarentena obrigatória, conseguindo travar a propagação do COVID-19 no seu território, registando 10 casos, em que todas as pessoas ficaram curadas.

“Houve uma primeira corrida aos supermercados”, lembra. Mas, depois, face aos avisos do governo de que nada iria faltar, as coisas funcionaram com “calma e tranquilidade”. “Nada faltou”, assegura a residente.

“As escolas ainda não abriram. Continuamos a andar todos de máscara. Os serviços estão funcionar, mas com controlo nos acessos. Aos supermercados, só vai um elemento de cada família, normalmente, sempre o mesmo”, descreve Amélia António, lembrando que durante o período de quarentena era “obrigatório” andar de máscara nos transportes públicos.

“Saliento os esforços desenvolvidos pelo pessoal da linha de frente, nomeadamente médicos, enfermeiros e forças de segurança, que muito contribuíram para este resultado positivo”, sublinha ao SAPO Lifestyle o médico macaense José Manuel Esteves, presidente da Associação de Médicos de Língua Portuguesa de Macau.

Andar de máscara é normal

Anormal é andar sem máscara. Que o diga o jornalista português Eduardo Santiago, a viver em Macau há sete meses, ao recordar certas alturas em que saía da redação sem máscara e era alvo de “olhares reprovadores”. “Deve ser algo inédito no mundo, toda a gente aqui anda de máscara”, nota. “Ganhamos um sentido de responsabilidade diferente”, diz ao SAPO Lifestyle, ao sair da redação, já depois da meia-noite, após mais um dia de trabalho intenso.

Foi uma mudança radical, principalmente para uma pessoa que chegou num momento em que Macau “estava em festa”. “Apanhei a Semana Dourada em outubro, uma altura em que Macau recebe milhares de turistas chineses. Acompanhei as celebrações dos 20 anos da Região Administrativa Especial, com a visita do presidente chinês. A inauguração do metro”, recorda Eduardo, que trabalha no jornal de língua portuguesa Ponto Final.

Até que os primeiros casos de COVID-19, na altura descrito como uma “pneumonia atípica”, surgiram na China, em pleno Ano Novo Chinês. As celebrações da maior festa do país foram canceladas em Macau. “Foi como cancelar o Natal”, compara Eduardo, mas “as pessoas aceitaram”, completa.

"As pessoas ficavam em casa e as ruas estavam vazias. Foram canceladas as celebrações públicas do Ano Novo Chinês, encerraram estabelecimentos de ensino, suspenderam consultas e cirurgias não urgentes, bem como visitas aos doentes nos hospitais. Também encerrararm quase todas as fronteiras, casinos, estabelecimento públicos, ginásios, bares, cinemas, centro de massagens, spas, alguns hotéis durante duas semanas. Muitos estabelecimentos privados, incluindo clínicas médicas fecharam por iniciativa própria. Até as igrejas fecharam as portas e as missas eram transmitidas pela televisão. Nos hospitais, metade dos profissionais ficaram em ativo e outros foram para casa em isolamento, para poderem substituir depois os colegas", conta o médico Jorge Sales Marques, representante dos Serviços de Saúde Macau.

O encerramento dos casinos por duas semanas foi uma medida inédita, representando perdas históricas nas receitas do jogo. Os casinos já estão outra vez abertos, com fortes medidas de prevenção, mas o fluxo de turistas ainda “não é o mesmo do que em situações normais”, indica o médico José Manuel Esteves.

“Macau vive muito do turismo e dos casinos. É uma cidade que nunca dorme”, mas que parou de um dia para o outro. Durante o período de quarentena, “cheguei a apanhar autocarros em que só ia eu e mais uma pessoa”, lembra Eduardo.

Macau
Ruas vazias créditos: AFP

Sentido de responsabilidade num contexto favorável

O sentido de responsabilidade cívica dos cidadãos foi algo destacado pelos três residentes ouvidos pelo SAPO Lifestyle. Sem esta postura as medidas de isolamento impostas pelas autoridades não teriam funcionado tão bem.

“Temos de atuar em equipa”, reconhece Amélia António. “É para o bem-estar de todos”. As imagens das praias cheias que chegaram de Portugal, no dia em que foi declarada a pandemia mundial, não foram bem aceites em Macau. “As pessoas reagiram mal”, recorda.

“O espírito do povo latino e o individualismo europeu” podem ter ajudado nesta tomada de consciência mais lenta que está a ser vista na Europa, explica Eduardo Santigo. No entanto, o jornalista lembra que, tal como aconteceu na Ásia, a “narrativa inicial” foi que o coronavírus não era assim tão grave e que a gripe mata mais pessoas. E isso também pode ter contribuído para uma ação mais lenta na resposta ao surto.

COVID-19: China envia dois milhões de máscaras e 50 mil ‘kits’ de teste para UE
COVID-19: China envia dois milhões de máscaras e 50 mil ‘kits’ de teste para UE
Ver artigo

Em Macau, as máscaras foram distribuídas gratuitamente pela população durante o período de quarentena. Atualmente, uma caixa de 10 máscaras custa 8 patacas (80 cêntimos) e pode ser levantada na farmácia de duas em duas semanas, sendo feito um controlo online para garantir que não se façam compras a mais.

Apesar de ser a cidade com maior densidade populacional do mundo, a Região Administrativa de Macau tem cerca de 622 mil habitantes (dados do Banco Mundial), sendo, por isso, mais fácil implementar certas medidas de contenção.

"O sucesso de Macau em relação a este surto deve-se ao facto do governo e dos Serviços de Saúde terem tomado as seguintes medidas: ativação precoce do plano de contingência, diversas campanhas informativas sobre a importância de lavagem frequente das mãos, uso correcto das máscaras, controlo de temperatura nas fronteiras, casinos e outros locais, a evitar estarem em locais com muita gente e o autoisolamento. Por outro lado, a população aderiu de uma forma responsável, cumprindo as suas obrigações", indica o médico Jorge Sales Marques.

Além disso, Macau “quis mostrar serviço” à China, contextualiza Eduardo, sublinhando a importância da situação vivida na cidade. Macau vinha de uma fase de festa e bons exemplos, até mesmo em comparação com a vizinha Hong Kong que passou por um período de contestação ao regime chinês, descreve o jornalista.

Outro ponto indicado pelos residentes foi a experiência em lidar com outras epidemias, nomeadamente a do SARS (síndrome respiratória aguda grave), em 2003. “Já vivi a SARS em Macau e nessa altura não havia os meios que existem hoje”, realça Amélia. O isolamento e a desinfeção – “faziam-se paninhos que se molhavam com água e lixívia” – foram medidas tomadas naquela altura, recorda.

“Talvez, devido às experiências anteriores passadas com o SARS e o MERS, as pessoas sejam mais sensíveis a este tipo de doenças, levando a sério as medias preventivas, incluindo maiores cuidados com a higiene pessoal e dos locais onde trabalham e habitam”, explica o presidente da Associação de Médicos de Língua Portuguesa de Macau.

De acordo com José Manuel Esteves, “a colaboração geral da população de usar máscaras e ficar nos seus domicílios” foi fundamental para controlar a primeira vaga de casos, para qual o governo até já havia apresentado um conjunto de medidas para reduzir o impacto económico do surto de COVID-19, entre elas, a isenção do pagamento da luz e da água durante três meses.

Macau
Observatório de Macau Tower créditos: AFP

Novos casos importados

Quando falámos com Amélia, na segunda-feira, Macau registava o primeiro caso de COVID-19, depois de mais de 40 dias sem novos casos. “Nada é garantido neste momento. Tudo pode voltar a acontecer”, previa Amélia António. Hoje, já se contam 21 casos registados, todos importados, e Macau aprovou novas medidas de isolamento, entre ela, o encerramento quase total das fronteiras.

As autoridades de saúde da região já tinham afirmado que o perigo agora era de casos importados, principalmente provenientes de Hong Kong, Malásia, Singapura e de países europeus.

Covid-19: Macau tem mais de duas mil pessoas a cumprirem quarentena em hotéis
Covid-19: Macau tem mais de duas mil pessoas a cumprirem quarentena em hotéis
Ver artigo

“Não vai ser fácil controlar com o aumento de casos vindos do exterior”, explica o médico, demonstrando alguma preocupação face às medidas implementadas que “continuam a deixar de fora os TNR (trabalhadores não residentes) do interior do continente”. “São cerca de 500 pessoas que podem entrar e sair de Macau sem atestado médico, como é exigido a todos que venham de lá”, indica.

Tal como no resto do mundo, a evolução da pandemia de COVID-19 é acompanhada de dia para dia e tem demonstrado como o cenário de casos pode mudar durante uma semana. Foi o que aconteceu em Portugal, que decretou o estado de emergência nesta quarta-feira. Assim, o médico José Manuel Esteves deixa o alerta aos portugueses: “que cumpram as orientações das autoridades de saúde para o bem de todos”.

"Em Portugal, bem como no resto do mundo, as pessoas têm o dever de seguir as recomendações das autoridades competentes, cumprindo as regras e, acima de tudo, ficando em casa. Estas decisões serão certamente importantes para ganharmos a guerra contra este inimigo invisível. O que importa neste momento é contribuirmos em conjunto para o enfraquecimento deste vírus e na sua consequente eliminação definitiva do nosso quotidiano", conclui o representante dos Serviços de Saúde Macau.

*Artigo atualizado a 26 de março com declarações do médico Jorge Sales Marques e atualização do número de casos em Macau

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.