A preparação dos ingredientes é um dos procedimentos mais importante na dieta crudívora, pois é aquilo que vai conferir sabor e textura aos alimentos. Nas últimas décadas, o número de adeptos deste regime alimentar, que não exige fogões nem fornos, tem vindo a aumentar. Saiba, de seguida, quais são os seis métodos alternativos de confecionar alimentos que muitos já preferem.

1. Espiralizar

Está em voga e já são vários os supermercados que os vendem embalados mas os mais saudáveis são os que são preparados em casa. Usando um instrumento próprio, o espiralizador, é possível fazer esparguete a partir de vegetais, como a curgete, a abóbora, o pepino e a cenoura, que podem ser consumidos em cru ou cozinhados e incorporados em pratos, como se de massas tradicionais se tratassem. Também há quem espiralize frutas.

2. Desidratar

Com um desidratador, um eletrodoméstico que liberta vapor de forma regular a uma determinada temperatura, é possível retirar lentamente a humidade dos ingredientes, dando-lhes um aspeto cozinhado, sem o estarem verdadeiramente. Assim, mantendo todos os benefícios da comida no seu estado natural, é possível comer bolachas, pão e wraps muitos parecidos com os produzidos normalmente.

10 alimentos muito light que tornam as pessoas mais saudáveis
10 alimentos muito light que tornam as pessoas mais saudáveis
Ver artigo

3. Marinar

A lógica é a mesma que se usa quando se faz uma marinada para um prato de carne. Embeber os alimentos em molho permite não só amolecê-los como também lhes confere maior sabor. Esta forma de preparação alternativa funciona muito bem com fruta e vegetais e, especialmente, com os cogumelos.

4. Fermentar

Exige uma vigilância atenta e conhecimentos adicionais. Deixar fruta, vegetais e algumas bebidas a repousar durante alguns dias permite que algumas bactérias e probióticos benéficos se desenvolvam de forma natural, conferindo-lhes um sabor avinagrado e preservando os ingredientes durante mais tempo. É, contudo, fundamental acompanhar o processo para evitar bolores perigosos.

5. Demolhar

Muitos frutos secos, sementes e leguminosas contêm componentes indigestos que inibem a absorção de outras vitaminas e minerais pelo organismo. Esta técnica permite aumentar a digestibilidade e a biodisponibilidade dos alimentos no seu estado cru. As leguminosas devem ser submersas em água à temperatura ambiente durante, pelo menos, 10 horas em recipientes de vidro. Alguns alimentos podem necessitar de mais tempo.

6. Germinar

No seguimento da anterior, também ela permite aumentar a digestibilidade e a biodisponibilidade dos alimentos no seu estado cru. Para um melhor resultado, prefira ingredientes integrais, de preferência frescos e de agricultura biológica. Remova os grãos partidos ou deteriorados.

Lave-os muito bem, coloque-os num recipiente com água e cubra-os na totalidade. O prazo de demolha e de germinação num germinador varia consoante o tipo de alimento, oscilando entre as 12 horas para a quinoa, 24 horas para a maioria das sementes e seis a oito dias no caso da alfafa.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.