E não é verdade! Imaginar o confinamento das crianças pequenas com os pais, pode ser difícil, mas faz-se. É sobretudo uma questão de encontrar atividades lúdicas e simultaneamente educativas e rezar para que os pais tenham paciência e capacidade para ir gerindo tudo o que têm a cargo. Agora, isolar um adolescente durante semanas a fio com os pais, pode muito bem ser o início de uma guerra familiar.

No entanto, o confinamento - tal como foi no início da pandemia - é pouco provável que se repita. Mas o isolamento por sintomas ou por risco de contágio pode ser uma realidade. Assim, aqui ficam 5 dicas práticas para ter em conta quando o(s) adolescente(s) lá de casa estiverem à beira de um ataque de nervos.

  1. Validar os sentimentos

Estar em casa, ver as suas liberdades amputadas, não poder estar com os amigos, nadar, fazer desportos de equipa, participar em competições ou outros eventos desportivos, ir a concertos, festas, tem o seu peso. Certo, não serão os problemas mais prementes da sociedade e aos olhos dos adultos chegam a parecer um mal menor. No entanto, para o adolescente, tudo isto é demasiado catastrófico. São demasiadas mudanças em relação à sua vida pré-pandemia. É difícil.

A vida, tal como ela era, mudou. E eles têm bem a noção disso e não deixam de ficar revoltados com os acontecimentos.

Provavelmente não terá toda a facilidade em empatizar com um adolescente zangado porque não pode ir para o café com os amigos depois das 22h00, quando tem familiares com uma saúde frágil em isolamento há meses. No entanto, tente. Valide os sentimentos de zanga, de impotência, de desapontamento. Só assim poderá construir pontes de diálogo.

Um exercício que pode sugerir é a prática de mindfulness – ou atenção plena: existem disponíveis tutoriais, livros online e até aplicações que ajudam a desenvolver a capacidade meditativa. Um adolescente que consegue estar em contacto consigo mesmo, reconhecer as suas emoções sem lhes atribuir um juízo de valor imediato, consegue lidar melhor com os pensamentos mais negativos e tem à sua disposição uma enorme ferramenta de auto-conhecimento.

  1. Reforçar sempre a importância do distanciamento social

Os adolescentes e adultos jovens respiram invencibilidade. A doença, a morte ou qualquer sofrimento ou incapacidade física grave parece ser uma realidade distante, própria dos mais velhos, sem qualquer ligação a um corpo jovem. Por isso mesmo, a pandemia da COVID-19 parece ser algo próprio de outro grupo etário, algo alheio, virtualmente impossível de esquadrinhar. Avançar então com a recomendação de distanciamento social é falar uma língua desconhecida, com uma mensagem da qual eles não são destinatários.

Aqui é importante explicar que o contágio é exponencial e os adolescentes, se não obedecerem ao distanciamento social, podem ser veículos de grande contágio, mesmo estando assintomáticos. Podem contagiar conhecidos em casa e desconhecidos noutros contextos, que, mediante o seu estado de saúde, poderão contrair uma forma grave da doença. As nossas ações não são isentas de consequências. E isso deverá ficar bem claro.

  1. Compreender a frustração de não estar com os amigos

Na adolescência os amigos são extremamente importantes, mais até do que a família. E embora os pais não se sintam confortáveis com esta realidade, é suposto ser assim, uma vez que esta mudança de prioridades faz parte da tarefa mais importante da adolescência: o ganho de autonomia.

Como tal, e correndo o risco de remar contra a maré, é importante, dentro de certos limites, garantir que os adolescentes continuam a ter contacto com os amigos pelas redes sociais, pelos sistemas de mensagens ou por outras formas não presenciais de contacto.

A riqueza das interações sociais que o adolescente estabelece dita a sua sensação de pertença e relevância. Um adolescente isolado tem um risco maior de baixa auto-estima, pensamentos negativos, humor depressivo e, paradoxalmente, agressividade.

  1. Apoiar o ensino remoto e as rotinas no isolamento

Na eventualidade de um período de isolamento, é importante reorganizar as rotinas em casa e apoiar o adolescente nas tarefas atribuídas no ensino remoto. Alguns adolescentes põem assim em evidência as dificuldades de organização e adaptação que não se fariam notar no esquema de ensino presencial. Nestes casos, é fundamental o apoio dos pais na organização de tarefas e estabelecimento de rotinas. Em caso de adolescentes de diferentes idades no mesmo agregado familiar, pode ser vantajoso adoptar rotinas distintas para cada um, como forma de redução de conflitos.

  1. Implementar hábitos saudáveis

Não, não vamos sugerir que em tempos de distanciamento social inscrevam os vossos filhos numa masterclass presencial de zumba ou em desportos de combate. Muito menos vamos sugerir que mudem radicalmente a dieta lá de casa, embora não deixe de ser uma excelente ideia. O que vamos propor é que mantenham sobretudo uma rotina de sono. Os adolescentes têm uma necessidade de sono superior às crianças em idade escolar e simultaneamente têm um atraso de fase de sono. São clássicos os adolescentes que não adormecem antes das duas da manhã porque estão a jogar videojogos, à conversa no Whatsapp com os amigos, a fazer uma maratona de séries ou a ver o conteúdo das redes sociais. Se somarmos a isso um eventual período de 14 dias de isolamento, vamos assistir à mesma desregulação que vemos ao fim-de-semana e durante as férias. Assim, é importante explicar que o sono é fundamental para a modelação do humor e garantir que as rotinas não se alteram significativamente.

Um artigo da médica pediatra Joana Martins.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.