Um certo dia, um chinês chamado Lailai resolveu dedicar a sua vida à meditação. Decidiu que iria para um mosteiro no alto de uma grande montanha, com objectivo de encontrar a iluminação.

Viajou muitos dias e ao chegar em frente ao portão principal do mosteiro, encontrou aquele que seria o seu Mestre.

Lailai foi recebido com muito amor pelos monges que há muitos anos viviam por lá. E dizia a todos:

- Vim buscar a minha iluminação.

Passados alguns anos, o monge Lailai começou a ficar descontente com a sua situação, pois não conseguia encontrar o caminho da luz.

Procurou o mestre, e disse-lhe:

- Amado Mestre, ensinaste-me muitas coisas belas e importantes nesta minha caminhada, mas ainda não consegui alcançar a luz na minha vida. Quero desistir da vida de monge e voltar para a minha aldeia.

E o Mestre respondeu:

- Está bem, Lailai. Já que vais desistir desta vida de meditação, quero acompanhar-te na descida da montanha. Amanhã, às 4 horas da manhã, estarei à tua espera no portão principal do mosteiro.

Veja a continuação deste artigo na próxima página.

À hora marcada, Lailai encontrou o seu Mestre. Ao sairem do mosteiro o Mestre perguntou-lhe:

- Querido filho, o que estás a ver neste momento?

Lailai respondeu-lhe:

- Mestre, vejo o orvalho da madrugada, o céu estrelado e uma lua maravilhosa e sinto o cheiro das flores. E prossegiram na descida da montanha. Passada uma hora de caminhada, o Mestre voltou a perguntar:

- E nesta parte da montanha, o que estás a ver?

Respondeu Lailai:

- Vejo os primeiros raios de sol, escuto o canto dos pássaros e sinto a doce brisa da manhã penetrando em todo o meu ser.

E assim, continuaram a descer a grande montanha. Passado algumas horas, o Mestre voltou a fazer a mesma pergunta e Lailai respondeu:

- Mestre, neste trecho da montanha sinto o calor do sol, o orvalho a evaporar-se, oiço o som do riacho, e vejo os animais selvagens em harmonia com a natureza.

Veja a continuação deste artigo na próxima página.

Prosseguiram a caminhada. Chegaram ao sopé da montanha ao meio dia. E mais uma vez, o Mestre fez a mesma pergunta e teve como resposta:

- Mestre, vejo como são belas a montanha, as árvores da floresta, o riacho doce que circunda o vale, o camponês cuidando da plantação de arroz. Vejo também, mestre, uma criança feliz a brincar com os seus amigos.

Então o Mestre disse-lhe:

- Agora já poderá voltar para o mosteiro.

Espantado, Lailai perguntou porque lhe seria permitido voltar ao mosteiro.

Respondeu o Mestre:

- Porque já encontraste a Iluminação.

- Como, Mestre?

- É muito simples. Em cada etapa da descida da montanha percebeste a importância de cada detalhe da natureza, ao sentir os sons, os cheiros, as imagens, as cores e a vida. Assim é que devemos ver e interpretar esta longa caminhada. A tudo isto, chamamos iluminação.

Em cada degrau da vida, vê a beleza que ela te oferece.

Autor desconhecido

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.