A evolução dos produtos relacionados com a higiene íntima é incontestável, como é o caso dos panos de algodão, pensos higiénicos e tampões que ajudaram a melhorar o conforto das mulheres. Mas esta descoberta teve um impacto negativo no ambiente. Com a aproximação do dia 5 de junho, Dia Mundial do Ambiente, a INTIMINA pretende sensibilizar todas as mulheres para a quantidade de resíduos menstruais gerados anualmente no nosso planeta, contribuindo assim para que estes possam ser reduzidos.

O impacto ambiental dos tampões e pensos higiénicos

Em todo o mundo, cerca de 100.000 tampões e pensos higiénicos são desperdiçados todos os anos, uma quantidade demasiado elevada. Junta-se ainda o facto de muitos dos materiais com que são fabricados estes produtos de higiene íntima serem feitos de plástico, demorando muitos anos a decompor-se, afetando assim negativamente o ambiente e o planeta.

  • Os tampões demoram seis meses a decomporem-se;
  • Os tampões com aplicadores de plástico demoram centenas de anos;
  • Pensos higiénicos, feitos de 90% de plástico, demoram 300 anos.

A importância da calculadora menstrual

Para sensibilizar as mulheres, a empresa sueca tem uma calculadora menstrual na qual, introduzindo a idade e os produtos de higiene usados, diz-lhe o desperdício que será gerado e o dinheiro que será gasto até à menopausa. Por exemplo, a idade média da primeira menstruação é por norma de 13 anos, a partir desta idade até à menopausa, uma mulher que use tampões e pensos vai produzir cerca de 16 kg de resíduos em produtos de higiene intima e terá gasto 3.149 euros.

Se transferirmos estes números e os compararmos com os danos ambientais que podem causar numa causa específica, estima-se que estes resíduos afetarão entre 10.422 e 22.800 tartarugas, uma vez que a maioria destes produtos acaba nos mares e oceanos, contribuindo para a alteração no habitat dos animais aquáticos.

Os copos menstruais são uma solução para este problema?

São muitas as mulheres que planeiam usar copos menstruais para reduzir o desperdício de produtos de higiene íntima, especialmente na faixa etária entre os 26 e os 35 anos. A razão prende-se com o facto de a maioria dos tampões serem feitos com uma combinação de algodão erayon (um material sintético de polpa de madeira), e certos plásticos e aditivos com químicos e pesticidas. Além disso, podem gerar efeitos nocivos no planeta ao serem descartados sem controlo.

Ao contrário destes produtos, copos menstruais como Lily Cup, Lily Cup Compact e Lily Cup ONE são hipoalergénicos, feitos de silicone de qualidade médica (sem químicos ou fibras prejudiciais), sendo introduzidos na vagina como um tampão e podendo ser usados até 8 horas. Não absorvem, mas recolhem fluxo menstrual e protegem o equilíbrio íntimo. Além disso, não contêm quaisquer elementos nocivos e são reutilizáveis, tornando-os a opção mais segura para as mulheres e sustentável para o ambiente.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.