Há muito que as organizações de consumidores reivindicam uma nova etiqueta energética junto da União Europeia. A nova legislação comunitária acaba com as classes A+, A++ e A+++ das etiquetas de vários eletrodomésticos, passando a etiqueta a ostentar uma escala mais simples de interpretar, de A (mais eficiente) a G (menos eficiente).

A afixação desta nova etiqueta energética passará a ser obrigatória no dia 1 de março de 2021 para os televisores, frigoríficos e arcas congeladoras, máquinas de lavar loiça, de lavar roupa e de lavar e secar roupa. Mas os novos produtos lançados a partir de novembro de 2020 já deverão incluir, no interior da embalagem, a nova etiqueta, além da antiga. Numa fase posterior, em setembro de 2021, será a vez das lâmpadas LED e, só mais tarde, outros equipamentos se seguirão.

Na nova etiqueta energética dos eletrodomésticos (à direita), as escalas A+, A++ e A+++ caem para dar lugar a uma escala  mais simples de A (mais eficiente) e G (menos eficiente). Torna-se assim mais fácil escolher eletrodomésticos eficientes e poupados.

Eletrodomésticos vão ter nova etiqueta energética. As classes A+, A++ e A+++ vão acabar

Porquê mudar a escala da etiqueta?

De acordo com um inquérito realizado junto dos consumidores, a escala atual induz em erro. Isto porque a maior parte dos eletrodomésticos situa-se, hoje, nas classes A+, A++ e A+++, deixando as classes inferiores vazias, essencialmente porque os aparelhos menos eficientes foram entretanto desaparecendo do mercado. Muitos consumidores não têm hoje a noção de que um eletrodoméstico A+ é, na verdade, menos eficiente do que a maioria dos aparelhos mesmo tipo.

Utensílios de cozinha de plástico ou madeira? As recomendações da DECO
Utensílios de cozinha de plástico ou madeira? As recomendações da DECO
Ver artigo

Para resolver este problema, a União Europeia decidiu rever a escala da etiqueta: as classes “+” desaparecem, dando lugar a uma classificação de A a G, mais fácil de interpretar. A classe A corresponde ao topo em termos de eficiência energética. Inicialmente, esta classe irá manter-se vazia, para encorajar os fabricantes a desenvolverem equipamentos mais eficientes.

Mas atenção: entre novembro de 2020 e março de 2021, além da nova etiqueta que estará presente na embalagem, os eletrodomésticos têm de continuar a ostentar a antiga nas lojas (físicas e online). Durante esta fase de transição, o consumidor poderá ficar confuso ao verificar que um aparelho A+ na etiqueta antiga passe a ostentar, por exemplo, a classe D na nova etiqueta. E não é um engano do fabricante. Isto acontece por dois motivos. Primeiro, porque, com o novo escalonamento das classes, os equipamentos que se situavam nas classes mais altas na antiga etiqueta passam para classes intermédias na nova. Segundo, porque temos o efeito dos novos e revistos procedimentos de ensaio, mais adaptados às tecnologias e às realidades e que são mais exigentes. Assim, os equipamentos mais eficientes, na nova etiqueta energética e na fase de lançamento, situar-se-ão na classe B ou nas classes inferiores a esta.

Código QR com informação do aparelho

Na nova etiqueta energética, os fabricantes deverão integrar um código QR, com um acesso direto a toda a informação sobre o produto. Ao digitalizar o código QR com o smartphone, o consumidor será encaminhado para uma base de dados gerida pela União Europeia (EPREL). Aqui poderá visualizar e fazer o download da ficha técnica para todos os aparelhos com a nova etiqueta. O acesso à base de dados também será possível via internet. Tem ainda a vantagem de tornar possível um maior controlo e fiscalização dos equipamentos por parte das autoridades.

A medida beneficia os consumidores porque permite escolher um produto ou equipamento com melhor desempenho energético e, assim, poupar eletricidade. Além disso, com a nova medida, a União Europeia promove a corrida para a inovação tecnológica. Os fabricantes terão de se esforçar por desenvolver equipamentos mais eficientes do que os atuais, de modo a alcançar a classe A.

Lagarta do pinheiro: quem está em risco e como tratar?
Lagarta do pinheiro: quem está em risco e como tratar?
Ver artigo

Escala da etiqueta energética acompanha a evolução

Inicialmente, a nova etiqueta poderá ser colocada na interior da caixa do eletrodoméstico. A partir de março de 2021, terá de substituir a antiga, colada no produto e nas prateleiras das lojas e indicada também junto do produto, quando vendido no comércio online.

A classificação de A a G não será estática: será reavaliada regularmente, em função da evolução tecnológica. Quando vários equipamentos alcançarem a classe A, haverá um novo escalonamento das escalas, de modo a incentivar a pesquisa e a inovação tecnológica, em busca de produtos cada vez mais eficientes e poupados.

Escolher equipamentos mais eficientes e fazer um bom uso dos mesmos e da energia são passos essenciais para criar um planeta mais verde e sustentável.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.