As anemias podem, entre outras razões, ser causadas por deficiência de vários nutrientes como ferro, zinco, vitamina B12 e proteínas. Porém, a anemia causada por deficiência de ferro, denominada anemia ferropénica, é muito mais comum que as demais (estima-se que 90% das anemias sejam causadas por carência de ferro).

O ferro é um nutriente essencial para a vida e atua principalmente na síntese (fabricação) dos glóbulos vermelhos e no transporte do oxigénio para todas as células do corpo.

Crianças, gestantes, lactantes (mulheres que estão amamentando), jovens adolescentes e mulheres adultas em fase de reprodução são os grupos mais afetados pela anemia, muito embora homens - adolescentes e adultos - e os idosos também possam ser afetados pela anemia.

Quem está em risco?

Pessoas de todas as idades podem tornar-se anémicas. No entanto na presença de certas condições, e algumas escolhas de estilo de vida, podem, a longo prazo, potenciar o aparecimento de anemia. As condições que de forma geral levam ao desenvolvimento de anemia ferropénica são aquelas onde; existe perda de sangue, dificuldade de absorver o ferro da alimentação, limitação na ingestão de alimentos ricos em ferro, ou aumento das suas necessidades de ferro (como é exemplo a gravidez).

Pode ocorrer em todas as faixas etárias, raças e grupos étnicos. Tanto os homens como as mulheres podem ter anemia, no entanto, as mulheres em idade fértil correm um risco maior devido à perda de sangue da menstruação.

A anemia pode desenvolver-se durante a gravidez. Durante os primeiros 6 meses de gravidez, a porção líquida do sangue de uma mulher (o plasma) aumenta mais depressa do que o número de glóbulos vermelhos do sangue. Isso dilui o sangue e pode levar a anemia.

Durante o primeiro ano de vida, alguns bebés estão também em risco de anemia por deficiência de ferro. São exemplo disso os prematuros e as crianças que são alimentadas exclusivamente com leite materno ou através de fórmula que não é fortificada com ferro.

Crianças entre 1 e 2 anos de idade também estão em risco de anemia. Podem não obter ferro suficiente nas suas dietas, especialmente se bebem muito leite de vaca.

Principais fatores de risco

- Uma dieta que é pobre em ferro, vitaminas ou minerais;
- A perda de sangue devido a cirurgia ou uma lesão sangrante;
- Doenças crónicas, como doença renal, cancro, diabetes, artrite reumatóide, VIH/Sida, doença inflamatória intestinal doença hepática, insuficiência cardíaca e doenças da tiróide;
- Infecções arrastadas;
- História familiar de anemia hereditária, como a anemia falciforme ou talassemia.

Causas

A Anemia ocorre quando o sangue não tem glóbulos vermelhos suficientes. Isso pode acontecer se:

- O corpo não produzir glóbulos vermelhos suficientes;
- A hemorragia faz perder os glóbulos vermelhos do sangue mais rapidamente do que são substituídas;
- Quando o corpo destrói os glóbulos vermelhos.

O que fazem os glóbulos vermelhos?

O corpo produz três tipos de células do sangue - glóbulos brancos que combatem as infecções, plaquetas para ajudar o a coagular o sangue e os glóbulos vermelhos para transportar o oxigénio por todo o corpo.

Os glóbulos vermelhos contêm hemoglobina - uma proteína rica em ferro que dá ao sangue a sua cor vermelha. A hemoglobina permite às células vermelhas do sangue o transporte de oxigénio dos pulmões para todas as partes do corpo e levar o dióxido de carbono a partir de outras partes do corpo para os pulmões para que ele possa ser exalado.

A maioria das células do sangue, incluindo os glóbulos vermelhos, são produzidos regularmente na medula óssea. Para produzir hemoglobina e glóbulos vermelhos, o corpo precisa de ferro, vitamina B-12, ácido fólico e outros nutrientes dos alimentos que vêm da alimentação.

Sintomas

A diminuição progressiva do nível de hemoglobina e de eritrócitos no sangue determina o agravamento dos sinais e sintomas de anemia. No início pode passar despercebida ou ser confundida apenas com cansaço e muitas pessoas padecem de anemia sem saber; numa fase posterior a anemia pode provocar um vasto conjunto de sinais e sintomas

- Fadiga e falta de força acentuada
- Palidez
- Dor de cabeça, irritabilidade, alterações do sono
- Tonturas
- Dificuldade de concentração, depressão
- Tensão arterial baixa, desmaio
- Unhas quebradiças
- Falta de apetite
- Ritmo cardíaco acelerado ( taquicardia)

Como prevenir a anemia?

É possível reduzir o risco de ocorrência de anemia assegurando uma alimentação saudável que inclua carne, peixe, frutos e vegetais de folhagem verde. A Vitamina C presente nos citrinos, kiwis e brócolos tem um papel importante na absorção do ferro.

Em momentos da vida em que se verifica maior necessidade de Ferro ( gravidez, aleitamento, infância, adolescência), o aporte alimentar pode não ser suficiente e haver necessidade de tomar suplementos de Ferro.

Tipos de anemia ferropénica

Anemia por perda de ferro: As perdas de sangue implicam diretamente a perda de Ferro. Nos homens, e nas mulheres depois da menopausa, a maior parte das anemias por deficiência de Ferro são devidas a hemorragia gastrintestinal causada por: gastrite por abuso de anti-inflamatórios, úlceras do estômago e do duodeno, tumores do estômago e do intestino e Outras situações sangrantes.

Anemia por necessidades aumentadas de ferro: Nas mulheres em idade fértil, as principais causas de anemia por perda de Ferro são a gravidez e a menstruação abundante. Durante a gravidez é necessário fazer suplementação adequada de Ferro, pois o elevado volume sanguíneo, necessário ao desenvolvimento do bebé, exige maior quantidade de Ferro disponível. O mesmo ocorre durante as fases de crescimento rápido, como na idade pré-escolar e na adolescência.

Anemia por deficiência de ingestão e absorção de ferro: a ingestão de ferro é garantida pelo consumo de alguns alimentos, entre os quais a carne vermelha e de aves, peixe, vegetais de folha verde escura, feijão e nozes. Só com uma alimentação equilibrada se atingem concentrações adequadas de Ferro no organismo; as dietas vegetarianas ou restritivas são pobres em Ferro porque a concentração de ferro disponível nos vegetais é reduzida. Por outro lado, a incapacidade de absorção derivada da existência de doenças ou de cirurgias gástricas e intestinais pode levar a que o organismo seja incapaz de absorver o Ferro ingerido através da alimentação.

Anemia por deficiência de outros nutrientes: Em certas condições de deficiência de Vitamina B 12 e Ácido fólico, também pode ocorrer anemia.

Diagnóstico da anemia

História clínica: permite suspeitar da eventual presença de anemia

Exame físico: Onde se procuram sinais de anemia, como palidez, unhas quebradiças, taquicardia, entre outros.

Hemograma: usado para contar o número de células de sangue numa amostra de sangue. Para a anemia, o médico vai estar interessado nos níveis de glóbulos vermelhos contidos no sangue (hematócrito) e da hemoglobina no sangue.

Os valores de hematócrito no adulto são variáveis, mas é geralmente entre 40 e 52 por cento para os homens e 35 e 47 por cento para as mulheres. Os valores normais de hemoglobina adulta são geralmente de 14 a 18 gramas por decilitro para homens e 12 a 16 gramas por decilitro para as mulheres.

Avaliação do tamanho e forma dos glóbulos vermelhos. Algunsdos glóbulos vermelhos podem apresentar tamanho, forma ou cor invulgar, o que pode ajudar a apontar um diagnóstico. Por exemplo, em anemia por deficiência de ferro, os glóbulos vermelhos são mais pequenas e têm uma cor mais pálida do que o normal. Em anemias derivadas de deficiência de vitamina B12, os glóbulos vermelhos são maiores..

Quando devo consultar um médico?

Quando verificar perdas sanguíneas ou na presença de sintomas sugestivos de anemia, deve consultar o seu médico assistente.

Qual o tratamento da anemia?

O tratamento da anemia implica o tratamento das causas e a correcção dos níveis de hemoglobina e eritrócitos, avaliado por análises sanguíneas periódicas.

Quando se confirma, por análises ao sangue, que a anemia é provocada por insuficiência de Ferro pode haver necessidade de administrar suplementos de Ferro. Os suplementos de Ferro são administrados por via oral ou injetável, têm boa tolerância e são muito eficazes.

Em situações de maior gravidade pode ser necessário recorrer a transfusão sanguínea.

O que acontece se não tratar a anemia?

A anemia não tratada pode agravar outros problemas de saúde, por exemplo a insuficiência cardíaca ao requerer maior esforço ao coração. Para além disso há compromisso da qualidade de vida, disponibilidade física e mental, o que pode ter implicações negativas no rendimento laboral e na vida familiar.

Por Associação Portuguesa para o Estudo da Anemia

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.